AlbâniaAlemanhaInglaterraArméniaPaís bascoBielorússiaBulgáriaCatalunhaCroáciaDinamarcaEspanhaEstóniaFinlândiaFrançaGalizaPaís de GalesGeórgiaGréciaHungriaIrlandaIslândiaItáliaImpério romanoLetóniaLituâniaMacedóniaMaltaNoruegaPaíses BaixosPolóniaPortugalRoméniaRússiaSérviaEslováquiaEslovéniaSuéciaChéquiaUcrânia
Se atingir este quadro diretamente, clicar nesta ligação para revelar os menus.
Busca personalizada

A aldeia de Canyamel em Maiorca - As grutas de Artà

[Assunto ascendente] [Assunto seguinte] [Minorca] [Maiorca] [Ibiza] [Formentera] [Cabrera] [Página inicial] [Ilhas Baleares] [Via Gallica]
Rubricas[Fotografias] [Apresentação] [Situação] [Visitas] [Cultura] [Informações práticas] [Outros assuntos]Página editada

ApresentaçãoApresentação

Apresentação geralApresentação geral
As Grutas de Artà são um conjunto de grutas situadas à Canyamel sobre a costa oriental da ilha de Maiorca.
EtimologiaEtimologia e toponímia
As Grutas de Artà nomeiam-se Coves d'Artà em espanhol catalão e Cuevas de Artà em espanhol castelhano.

O nome de Coves d'Artà sobe na época de antes de 1858, quando não havia ainda comuna independente Capdepera. Capdepera e Canyamel, bem como a comuna vizinha o Son Servera, pertencia à grande comuna Artà.

As grutas de Canyamel às vezes são nomeadas Grutas da Ermida (Coves de s'Ermità / Cuevas del Ermitaño).

SituaçãoSituação

As grutas de Artà em Maiorca - A entrada natural das grutas. Clicar para ampliar a imagem.As Grutas de Artà são situadas sobre o flanco do sul do Cabo Vermelho (Cap Vermell / Cabo Rojo), o pé de um promontório que pende sobre o mar. O Cap Vermell encontra-se na parte oriental da comuna Capdepera. As Cuevas de Artà abre-se sobre a pequena baía de Canyamel onde desentupe o torrente de Canyamel.

As grutas de Artà em Maiorca - A entrada das grutas vista do cabo do Pinar. Clicar para ampliar a imagem.Acede-se às grutas por uma magnífica estrada em penhasco; uma área de estacionamento encontra-se à 150 m ao oeste da entrada da gruta.

Côordenadas geográficas: 39° 39' 22" N; 3° 27' 3" E

As Grutas de Artà encontram-se à 15 km ao nordeste de dois outros sistemas de grutas do leste de Maiorca: as grutas do Dragão (Coves del Drac) e as grutas dos Anzois (Coves dels Hams) à Porto Cristo. Estas outras grutas são conhecidas mais e mais frequentadas que as de Artà.

VisitasVisitas

GrutaAs Grutas de Artá (Coves d'Artà)
A visita das Grutas de Artà passa por uma sucessão de salas cujos certos nomes teriam sido inspirados “A Divina Comédia” de Dante Alighieri: o Vestíbulo, a sala das Colunas, a sala da Rainha das Colunas, a sala do Inferno, a sala do Paraíso, a sala das Bandeiras, a sala dos Sinos e a sala dos Diamantes. O percurso tem um comprimento de 400 metros. É constante em todas as estações, à 17 °C.
3. A Cavalariça (la Caballeriza)

6. O Estábulo (el Establo)

9. O Nicho do Cão (Llitera del Cà / Guarida del Perro)

10. Monserrat

16. Estátua da Virgem do Pilar (Virgen del Pilar)

17. A Capela do Rosário (Capilla del Rosario)

18. O Tabernáculo dos Anjos (Tabernáculo de Los Angeles)

19. Pedra estranha e brilhante nomeado Pedra de Prata (Piedra de Plata)

As grutas de Artà em Maiorca - Plano das grutas (1912). Clicar para ampliar a imagem.

20. A Cozinha (La Cuyna)

21. Sala da Lagoa de Deu com a Leoa (la Leona)

22. O Bacalhau (El Bacalao)

31. A coluna a Rainha Mourisca (La Reyna Mora) ou Antonia

32. Sala da Rainha Mourisca e do Dosel (el Dosel)

51. Sala do Inferno

55. O Cipreste

62. Salle de la Obra Fina Mallorquina

63. Sala das 1000 Colunas

64. Sala do Teatro

A Entrada da Gruta
As grutas de Artà em Maiorca - A entrada natural das grutas (autor Olaf Tausch). Clicar para ampliar a imagem.A entrada natural da gruta é uma grande arca monumental escavada no rochedo, de uma centena de metros de amplitude e 25 metros de altura, situada acima do adro.

As grutas de Artà em Maiorca - O penhasco ao pé das grutas. Clicar para ampliar a imagem.Esta entrada natural é situada à 35 m acima do nível do mar: desde o adro, se acede-se por uma escada de pedra construída em 1860.

As grutas de Artà em Maiorca - A entrada da visita (autor Olaf Tausch). Clicar para ampliar a imagem.A entrada da visita não se faz pela entrada natural da gruta, mas um túnel furado num rebaixo natural nomeado a Caballeriza (a Cavalariça), situado à esquerda e debaixo da entrada natural.

“O Vestíbulo” (Vestíbul / Vestibuló)
As grutas de Artà em Maiorca - A sala do Vestíbulo. Clicar para ampliar a imagem.As grutas de Artà em Maiorca - A Virgem do Pilar (Virgen del Pilar). Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).Após ter percorrido o túnel de entrada e ter descido uma longa escada de pedra, penetra-se vasta na Sala de Entrada, conhecida como o Vestíbul (“o Vestíbulo”). Esta sala mede 75 m de comprimento, entre 20 e 40 m de amplitude e 15 à 25 m de altura.

As grutas de Artà em Maiorca - A sala do Vestíbulo. Clicar para ampliar a imagem.“O Vestíbulo” contem numerosos estalagmites, elegantes e esguias, que se criam graciosamente do solo. Assemelham-se vagamente à formas humanas, misteriosas e imóveis, indiferentes aos olhares humanos. Mais notável destes estalagmites é nomeada o Virgen del Pilar (“a Virgem do Pilar”) (número 16).

As grutas de Artà em Maiorca - A sala do Vestíbulo. Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).As grutas de Artà em Maiorca - A sala do Vestíbulo. Clicar para ampliar a imagem.As grutas de Artà em Maiorca - A Virgem do Pilar (autor Olaf Tausch). Clicar para ampliar a imagem.
As grutas de Artà em Maiorca - A Virgem do Pilar (Virgen del Pilar). Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).As grutas de Artà em Maiorca - A Virgem do Pilar (Virgen del Pilar). Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).As grutas de Artà em Maiorca - A sala do Vestíbulo. Clicar para ampliar a imagem.
A Sala das Colunas (Sala de les Columnes / Salón de las Columnas)
As grutas de Artà em Maiorca - A sala das Colunas. Clicar para ampliar a imagem.As grutas de Artà em Maiorca - A sala das Colunas. Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).Desde a sala do Vestíbulo um caminho toma sobre a esquerda e conduz à “Sala das Colunas”. A maior parte dos estalagmites e estalactites é reunida aqui em colunas que vão do solo ao teto.

O conjunto toma a aparência do interior de uma catedral gótico, espalhado de finas colunas, de arcos delgados em ogiva , de plataformas filigranos e de mil outros detalhes notáveis.

As grutas de Artà em Maiorca - A sala das Colunas. Clicar para ampliar a imagem.As grutas de Artà em Maiorca - A sala das Colunas. Clicar para ampliar a imagem.As grutas de Artà em Maiorca - A sala das Colunas. Clicar para ampliar a imagem.
A Sala da Rainha das Colunas (Salón Reina de les Columnes / Sala Reina de las Columnas)
As grutas de Artà em Maiorca - A sala da Rainha das Colunas. Clicar para ampliar a imagem.Desde a sala das Colunas penetra-se elevado por um pórtico oval na sala da Rainha das Colunas. No meio desta grande sala, ao teto abobadado, elabora-se uma coluna nomeada a “Rainha das Colunas”, ou a “Rainha Mourisca” (La Reyna Mora), ou ainda “Antonia”. A Rainha das Colunas não é uma coluna mas um estalagmite de 22 m de altura, que quase se cria até ao teto numa sucessão de festões elegantes.

As grutas de Artà em Maiorca - A sala da Rainha das Colunas. Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).Em 1841, uma sociedade inglesa ofereceu 25000 livros esterlinos para adquirir este estalagmite, mas a venda não foi concluída.

As grutas de Artà em Maiorca - A Rainha das Colunas. Clicar para ampliar a imagem.As grutas de Artà em Maiorca - A Rainha das Colunas. Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).As grutas de Artà em Maiorca - A sala da Rainha das Colunas. Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).
As grutas de Artà em Maiorca - A formação Baldaquin (autor Olaf Tausch). Clicar para ampliar a imagem.Uma formação individual é nomeada o “Tabernáculo” (número 18).

As grutas de Artà em Maiorca - Baldaquino. Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).À outra extremidade da sala encontra-se um pequeno nicho cercado de espessas cortinas de pedra: este conjunto é nomeado o “baldaquino” ou o “dossel” (dosar / dosel).

As grutas de Artà em Maiorca - A sala da Rainha das Colunas. Clicar para ampliar a imagem.As grutas de Artà em Maiorca - A sala da Rainha das Colunas. Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).As grutas de Artà em Maiorca - A sala Antecâmara do Inferno. Clicar para ampliar a imagem.
A Sala do Inferno (Salón de l'Infern / Sala del Infierno)
Após ter descido uma escada e ter atravessado uma pequena sala, nomeada “Antecâmara do Inferno”, que compreende uma coluna quebrada aquando de um tremor de terra, ele chega à sala do Inferno.

A sala do Inferno é uma sala imensa, uma dos mais vastos e os impressionantes das Grutas de Artà; contem colunas, rochedos, estalactites e estalagmites e, sobre a esquerda, uma cortina de pedra à largas dobras que cai desde uma grande altura até ao solo. Os pilares de calcário são aqui mais espessos que em outras partes da gruta.

As grutas de Artà em Maiorca - A sala do Inferno. Clicar para ampliar a imagem.As grutas de Artà em Maiorca - A sala do Inferno. Clicar para ampliar a imagem.As grutas de Artà em Maiorca - A sala do Inferno. Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).
As grutas de Artà em Maiorca - “o Caixão Napoléon”. Clicar para ampliar a imagem.As grutas de Artà em Maiorca - “o Cipreste” da sala do Inferno. Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).Na parte inferior da sala do Inferno encontra-se uma formação nomeada o “Caixão Napoléon”. Uma outra formação, semelhante à uma árvore de pedra de 4 m de altura, é nomeada o “Cipreste”.

O fundo da sala mais profunda é apenas à 3 m acima do nível do mar.

As grutas de Artà em Maiorca - A sala do Inferno. Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).As grutas de Artà em Maiorca - A sala do Inferno. Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).As grutas de Artà em Maiorca - A sala do Inferno. Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).
A visita faz uma curta parada, de 3 minutos, na sala do Inferno, no curso da qual assiste-se um espetáculo seu e luz. Um extrato Carmina Burana de Carl Orff é difundido.
As grutas de Artà em Maiorca - A sala do Inferno. Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).As grutas de Artà em Maiorca - A sala do Inferno. Clicar para ampliar a imagem.As grutas de Artà em Maiorca - A sala do Inferno. Clicar para ampliar a imagem.
A Sala do Paraíso ou Sala da Glória (Salón de la Glòria / Sala de la Gloria)
As grutas de Artà em Maiorca - A formação do Leão. Clicar para ampliar a imagem.As grutas de Artà em Maiorca - A sala do Paraíso. Clicar para ampliar a imagem.Deixando a sala do Inferno, pode-se ver uma formação chamada o “Leão”: é um estalagmite espesso e enegrecido que, com imaginação e observada a distância conveniente, se assemelha a um leão deitado majestosamente sobre o solo.
As grutas de Artà em Maiorca - A sala das Colunas vista desde a sala do Paraíso. Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).As grutas de Artà em Maiorca - A sala do Paraíso. Clicar para ampliar a imagem.Montando uma escada, chega-se à uma sala impressionante conhecida como a sala da Glória, onde pode-se ver formações fantásticas que assemelham-se à grupos de anjos sobre nuvens brancas disseminação sobre as elevadas paredes da sala. Por esta razão, a sala também é nomeada sala do Paraíso.

As grutas de Artà em Maiorca - A sala do Paraíso. Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).A sala do Paraíso tem 54 metros de altura: é mais a grande sala das Grutas de Artà; assemelha-se à nave de uma catedral. A sala do Paraíso tem um volume mais importante que o da catedral de Palma.

A visita passa por uma varanda onde pode-se ver, para baixo, a Sala das Colunas.

As grutas de Artà em Maiorca - A sala do Paraíso. Clicar para ampliar a imagem.As grutas de Artà em Maiorca - A sala do Paraíso. Clicar para ampliar a imagem.As grutas de Artà em Maiorca - A sala do Paraíso. Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).
A Sala do Teatro (Salón El Teatre / Sala El Teatro)
Passa-se seguidamente verdadeira numa floresta de colunas através através da qual um caminho húmido e estreito mete-se até a atingir à uma sala retangular ao teto baixo, popularmente conhecida como o Teatro. Desde o teto, perto da parede do fundo, pendura uma formação que se assemelha à uma cortina de teatro, dentro da qual encontram-se outras formas que assemelham-se à asas.
As grutas de Artà em Maiorca - A sala do Teatro. Clicar para ampliar a imagem.As grutas de Artà em Maiorca - A sala do Teatro. Clicar para ampliar a imagem.As grutas de Artà em Maiorca - A sala do Teatro. Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).
A Sala Renda de Maiorca (Sala Obra Fina de Mallorca)
Passa-se seguidamente na sala Obra Fina de Mallorca.
A Sala das Bandeiras (Salón de les Banderes / Sala de las Banderas)
As grutas de Artà em Maiorca - A sala das Bandeiras. Clicar para ampliar a imagem.Após ter atravessado a sala Obra Fina de Mallorca, toma-se uma estreita passagem entre dois rochedos sombrios para atingir uma sala majestosa de 45 m de altura, a sala das Bandeiras. Esta sala deve o seu nome à duas grandes formações calcárias na forma de bandeiras.

Muito em parte superior, pode-se ver uma larga bandeira às dobras elegantes, estendida sobre um pólo direito. Sobre a esquerda, outra bandeira pendura de trás colunas.

As grutas de Artà em Maiorca - A sala das Bandeiras. Clicar para ampliar a imagem.As grutas de Artà em Maiorca - A sala das Bandeiras. Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).As grutas de Artà em Maiorca - A sala das Bandeiras. Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).
As grutas de Artà em Maiorca - A sala das Bandeiras. Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).No fundo, um grupo de gigantescas colunas cria-se que assemelham-se aos tubos de um órgão colossal. Uma coluna de vinte metros de parte superior pode ser vista ao fundo, banhada em vagas de luz.

As grutas de Artà em Maiorca - A sala das Bandeiras. Clicar para ampliar a imagem.Sobre os lados da sala, cristalizações penduram paredes como renda desdobrada.

A sala das Bandeiras é última a grande sala da visita.

As grutas de Artà em Maiorca - A sala das Bandeiras. Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).As grutas de Artà em Maiorca - A sala das Bandeiras. Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).As grutas de Artà em Maiorca - A sala das Bandeiras. Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).
A Sala dos Sinos (Salón de les Campanes / Sala de las Campanas)
Ao lado da sala das Bandeiras encontra-se a sala dos Sinos, assim nomeada porque as colunas desta sala produzem sons harmónicos quando golpeia-o-se.

O guia da visita joga habitualmente o ar do relógio Big Ben de Londres golpeando três colunas que produzem notas diferentes.

As grutas de Artà em Maiorca - A sala dos Sinos. Clicar para ampliar a imagem.As grutas de Artà em Maiorca - A sala dos Sinos. Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).As grutas de Artà em Maiorca - A sala dos Sinos. Clicar para ampliar a imagem.
A Sala dos Diamantes
Esta sala deve o seu nome à uma formação calcária, dita “A Pedra de Diamante”, coberta de cristais (provavelmente de sílica) que brilha na luz.
As grutas de Artà em Maiorca - A sala dos Diamantes. Clicar para ampliar a imagem.As grutas de Artà em Maiorca - A sala dos Diamantes. Clicar para ampliar a imagem.As grutas de Artà em Maiorca - A sala dos Diamantes. Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).
A Saída
As grutas de Artà em Maiorca - A saída das grutas. Clicar para ampliar a imagem.Antes da saída, a visita passa pelo “Vestíbulo”, onde pode-se observar os muros escurecidos pelas tochas utilizadas para iluminar as grutas para os turistas nos anos 1800. Seguidamente, empresta-se à uma escada onde sente-se certa sufocação devida ao défice de oxigénio dentro das grutas; seguidamente começa-se a perceber a luz do dia; por último, é o brilho do céu mediterrânico após a obscuridade das grutas.

As grutas de Artà em Maiorca - O fim da visita. Clicar para ampliar a imagem.Encontra-se-se à entrada natural Grutas de Artà, com uma vista espetacular sobre a baía de Canyamel e o Cap des Pinar.

As escadas, que permitem juntar-se ao adro das grutas, foram construídas por ocasião da visita da rainha Isabel II em 1860.

As grutas de Artà em Maiorca - A saída da visita. Clicar para ampliar a imagem.As grutas de Artà em Maiorca - A saída da visita. Clicar para ampliar a imagem.As grutas de Artà em Maiorca - A vista sobre a baía de Canyamel. Clicar para ampliar a imagem.

ConhecimentosHistória, geografia, artes, tradições, flora…

HistóriaHistória
As Grutas de Artà foram habitadas ou visitadas pelo homem desde aos tempos mais antigos. É aqui que encontraram refúgio, em 1229, os últimos soldados mouriscos aquando da reconquista da ilha de Maiorca pelo rei de Aragão Jaume I. Atrasado as grutas foram utilizadas como refúgio pelos piratas mouriscos. Certas inscrições descobertas nas grutas datam dos séculos XVI e XVII.
Mas é provavelmente um padre, o pai Juan Garau y Serra, que, o primeiro, explorou as Grutas de Artà, entre 1806 e 1808. As grutas Artà foram visitadas por cerca de personagens famosos como romancistas Jules Verne, ao qual as grutas teriam inspirado a sua novela de 1864 “Viagem ao Centro da Terra”, Victor Hugo, Alexandre Dumas, o comédienne Sarah Bernhardt, o homem de estado Antonio Maura y Montaner e o arquiduque Luís Salvator da Áustria (1847-1915), que descreve em detalhe a sua visita na região na sua obra “Die Balearen”, ou aindo poeta maiorquino Miquel Costa i Llobera (1854-1922) que dedicou às Grutas de Artà a sua obra “La deixa del geni grec” (1900).

Desde 1869, as grutas foram arranjados para o turismo; nessa época, a visita fazia-se com lâmpadas à óleo.

GeologiaGeologia
Escondidas dentro das pedras, dos rochedos e as montanhas, encontram-se partes côncavas ou rachas de dimensão variável. Mesmo nos minerais mais compactos, de minúsculas cavidades - O resultado de fenómenos diverso - são visíveis ao olho nu.
Nas montanhas, não é raro encontrar estas cavidades, de formas e dimensões diversas, cujos algumas são fechadas completamente enquanto outros têm aberturas para o exterior, mais ou menos obstruídas por desabamentos. A origem destas cavidades encontra-se nos fenómenos seguintes: deslocações bruscas da terra e ação constante das águas subterrâneas.

A formação das cadeias de montanha, durante os diferentes períodos geológicos, e os tremores de terra são dois das principais causas da formação das grutas. A água de superfície que vaza ao longo dos solos impermeáveis mina lentamente as camadas argilosas superiores até terminam por desmoronar, deixando um espaço coberto por outras camadas, calcárias ou de tufo, que são apoiado pelas suas formas arqueadas. A formação das grutas é observada quase todos os tipos de terreno conhecidos, mas são mais abundante nos balanços calcários, onde adquirem proporções gigantescas e tomam formas extraordinárias. Se as grutas não tiverem uma abertura para o exterior, a água penetra as suas paredes que produzem os mesmos efeitos.

Uma vez que a gruta foi formada, na sequência de um dos fenómenos mencionados, a água que circula acima a gruta, recipiente do bicarbonato de cálcio e mais pequenas quantidades de magnésio, filtra lentamente através de pequenas fissuras, dando lugar aos fenómenos seguintes: quando uma gota de água aparece sobre o teto da gruta, deixa - devido ao ácido carbónico em excesso que é liberado - Um depósito do material calcário que continha em solução: é o material a partir do qual uma estalactite forma-se lentamente (estalactite: do grego stalaktos, “que vaza gota a gota”). Quando a gota cai sobre o solo, contem ainda o bicarbonato de cálcio, que é depositado sobre o solo da gruta para formar uma estalagmite. Após numerosos anos estas duas formações podem eventualmente encontrar-se e formar uma coluna sólida, que, frequentemente, terá uma forma esquisita e fantástica. Além disso, antes de evaporar-se, as gotas caídas ao solo deslizam, criando uma superfície dura e tortuosa que forma o pavimento da quase totalidade das grutas, e sob o qual encontra-se um solo argiloso que contem frequentemente um número considerável de ossos de espécies animais apagadas bem como os restos de instrumentos de homens primitivos.

A idade dos espeleotemas (termo que agrupa todos os tipos de formação das grutas) não é sempre em relatório com a sua altura. Às vezes, é possível que uma estalactite de quatro metros de parte superior ter sido formada mais rapidamente que.o.outra de dois metros de parte superior, ou mesmo um metro de parte superior. As grutas não são não somente objecto de admiração para os visitantes mas também um objecto de estudo para os cientistas que encontraram provas irrefutáveis do período pré-histórico do homem e de numerosas espécies animais que agora são apagadas completamente.

InformaçõesInformações práticas

Informação geralInformação geral
A visita das Grutas de Artà é muito mais simpática que a das Grutas do Dragão à Porto Cristo. Aqui, as fotografias - mesmo à lanterna elétrica, mas sem tripé - são autorizado.
Horas de visitaHoras de visita
As grutas de Artà em Maiorca - Plano de acessos. Clicar para ampliar a imagem.
As grutas de Artà em Maiorca - Prospectos das Grutas. Clicar para ampliar a imagem.Visita:

Endereço: Carretera de las Cuevas, s/n - Capdepera, Mallorca

Telefone: 00 34 971 841 293

Horários de verão (desde Maio até Outubro): todos os dias, de 10:00 à 18:00

Horários de inverno (desde Novembro até Abril): todos os dias, de 10:00 à 17:00, excepto o 25 de Dezembro e o 1º de Janeiro.

Tarifa de entrada: 12 €.

A visita guiada é comentada em alemão, inglês, francês e mesmo espanhol, por um guia poliglota capaz de responder às perguntas nestas diferentes línguas.

A visita - que começa cerca de todas as horas - duro 30 minutos.

Visitas, com trajeto em barco, são organizadas desde Cala Rajada (12 € em suplemento) e Font de sa Cala (10 €).

Outros assuntosOutros assuntos

Filiação do assunto
Baleares > Maiorca > Condado do Llevant > Capdepera > Canyamel > Grutas de Artà
Assuntos mais detalhados
Assuntos próximos
A aldeia de Canyamel em Maiorca - As grutas de Artà
A aldeia de Canyamel em Maiorca - A torre de Canyamel
A aldeia de Canyamel em Maiorca - Seixos dos Gigantes (Claper des Gegants)
Assuntos mais largos
Página inicial
A cidade de Capdepera em Maiorca - O castelo
A aldeia de Cala Mesquida em Maiorca
A aldeia de Cala Rajada (Cala Ratjada) em Maiorca
A aldeia de Canyamel em Maiorca
Assunto ascendente ] [ Assunto seguinte ]
Recomendar esta página :
Recomendar este sítio :
Busca personalizada
Se atingir este quadro directamente, clicar nesta ligação para revelar os menus.