AlbâniaAlemanhaInglaterraArméniaPaís bascoBielorússiaBulgáriaCatalunhaCroáciaDinamarcaEspanhaEstóniaFinlândiaFrançaGalizaPaís de GalesGeórgiaGréciaHungriaIrlandaIslândiaItáliaImpério romanoLetóniaLituâniaMacedóniaMaltaNoruegaPaíses BaixosPolóniaPortugalRoméniaRússiaSérviaEslováquiaEslovéniaSuéciaChéquiaUcrânia
Se atingir este quadro directamente, clicar nesta relação para indicar as ementas.
Investigação personalizada

A cidade de Deià em Maiorca - O domínio de Son Marroig

[Tópico anterior] [Tópico superior] [Minorca] [Maiorca] [Ibiza] [Formentera] [Cabrera] [Acolhimento] [Site Home] [Via Gallica]
Rubricas[Fotografias] [Apresentação] [Situação] [Visitas] [Cultura] [Informações práticas] [Outros assuntos]Página editada

ApresentaçãoApresentação

Apresentação geralApresentação geral
O domínio de Son Marroig em Maiorca - Costa vista desde Son Marroig - Clicar para ampliar a imagemO domínio de Son Marroig em Maiorca - Costa vista desde Son Marroig - Clicar para ampliar a imagemDominando a colina, o solar de Son Marroig dispõe do uma das vistas mais espetaculares de Maiorca, com uma vista única sobre “Sa Foradada”.

O domínio de Son Marroig em Maiorca - Templo de Son Marroig - Clicar para ampliar a imagemSon Marroig era a residência preferida do arquiduque Luís-Salvador da Habsbourg-Lorena, primo da imperatriz Sissi da Áustria.

EtimologiaEtimologia e toponímia
Son” - que encontra-se frequentemente na toponímia de Maiorca - designa um grande finca.

Marroig pronuncia-se “marrohiche”.

SituaçãoSituação

O solar de Son Marroig é situado no noroeste da ilha de Maiorca, sobre a comuna de Deià.

Lá para tornar-se desde Palma, tomar a auto-estrada Palma-Valldemossa (Ma-1110). Uma vez que atinge-se Valldemossa, tomar a auto-estrada em direção de Deià (Ma-10). Poucos tempos antes de atingir Deià há uma junção à esquerda que efectua Son Marroig.

Desde Sóller, sobre a estrada de Sóller à Valldemossa, o solar encontra-se à cerca de 7 km antes Valldemossa.

VisitasVisitas

SolarO Solar
O domínio de Son Marroig em Maiorca - Tábua de Botânica - Clicar para ampliar a imagemO domínio de Son Marroig em Maiorca - Tábua de zôologia - Clicar para ampliar a imagemO domínio (possessió) de Son Marroig foi comprado pelo arquiduque Ludwig Salvator que restaurou antiga a casa, que não conserva único a torre fortificado do século XVI e aumentando a casa no estilo italiano.

A Casa-museu Son Marroig (Casa Museo de Son Marroig) é uma instituição privada que foi criada em 1927 a fim de preservar, divulgar e promover a emblemática figura do arquiduque Ludwig Salvator. O principal objectivo do museu é mostrar aos todos os visitantes o trabalho realizado pelo autor do melhor livro escrito sobre as ilhas “Baleares”, o seu amor da natureza e o seu compromisso respeitar a história regional.

FachadaA Fachada
A fachada principal, à três andares, é orientada para o nordeste. O arco do portal é superado de um símbolo religioso, o símbolo do Cristo (IHS). Ao rés-do-chão sobre os lados do portal, encontram-se duas janelas retangulares. Ao primeiro andar há três janelas retangulares, enquanto no segundo andar no espaço normalmente ocupado pelo pórtico, encontram-se igualmente quatro janelas retangulares. À direita da fachada principal cria-se a construção noroeste que contem, ao rés-do-chão, um moinho; ao primeiro andar encontra-se uma grande janela redonda abobadada com balaustrada. Ao nordeste vê-se uma galeria de estilo regional, com arcos em cheia curvatura (três dianteira e um de cada lado) e um terraço com uma balaustrada.
O domínio de Son Marroig em Maiorca - Fachada de Son Marroig - Clicar para ampliar a imagemO domínio de Son Marroig em Maiorca - Fachada de Son Marroig - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)O domínio de Son Marroig em Maiorca - Fachada de Son Marroig - Clicar para ampliar a imagem
TorreA Torre (Torre de Son Marroig)
O domínio de Son Marroig em Maiorca - Torre de Son Marroig - Clicar para ampliar a imagemUm dos elementos mais característicos da arquitectura de Son Marroig é a sua torre de defesa, que data provavelmente do século XVI. Esta torre protegia as casas dos ataques frequentes dos piratas berberes que aproveitavam da proteção Foradada para desembarcar à terra. A legenda traz - como o escrito o arquiduque ele mesmo - que é nesta torre que foi capturada a última mulher de Maiorca levada em cativeiro por Mouros no fim do século XVIII.

A torre de Son Marroig é uma torre quadrada, com muros espessos e um único portal pequeno, formando um arco em cheia curvatura, situada sobre o lado do norte, em frente do portal principal da casa. A torre comporta elementos defensivos, como os mata-cães que protegiam a porta de acessos e as janelas. O teto está telha, à quatro panos.

Na época do arquiduque, a torre foi decorada com duas janelas de estilo Renascimento do século XVI, recuperadas de uma casa desmoronada; uma das janelas é situada ao nordeste e o outro em frente do leste. A estreia tem montantes ornados de decorações grotescos sobre o tema vegetal, enquanto o segundo é ornado de pilastras antropomórfico, e leva o nome Carbonell inscreve sobre a sua verga.

Hoje, dentro da torre, pode-se ver uma cama do século XVII.

O Rés-do-chão
O domínio de Son Marroig em Maiorca - Rés-do-chão de Son Marroig - Clicar para ampliar a imagemPenetra-se no solar por um rés-do-chão ao solo rústico de godos. A partir da entrada, a primeira asa é ocupada por um vestíbulo com leva sobre a direita que permite o acesso à uma pequena peça com uma chaminé; o solo é pavimentado; sobre o muro de esquerda pode-se ver um mapa dos arredores do domínio no fim do século XIX.
O domínio de Son Marroig em Maiorca - Rés-do-chão de Son Marroig - Clicar para ampliar a imagemO domínio de Son Marroig em Maiorca - Rés-do-chão de Son Marroig - Clicar para ampliar a imagemO salão de acolhimento comunica com a sala da parte inferior, que ocupa a segunda asa. Esta sala é retangular, dividida por um arco que se encontra sobre a esquerda da entrada, no sentido longitudinal, as vigas do teto, com uma viga transversal, e o solo pavimentado efetua ao jardim.

Sobre a direita entrando, encontra-se uma escada que efectua ao andar nobre, que se abre por dois arcos ligeiramente baixados, apoiados por uma coluna iónica sentada sobre um pedestal.

O domínio de Son Marroig em Maiorca - Rés-do-chão de Son Marroig - Clicar para ampliar a imagemNa parte do sul do muro de esquerda, uma porta arredondada dá acessos diretamente à antiga capela, que mais não é consagrada hoje.

A sala é equipada de bonitas peças de móvel e objectos de arte, de quadros antigos em especial, entre os quais nota-se uma tela que representa a Imaculada entre o pai Castañeda e Catarina Thomas.

Como curiosidade, observa-se uma vértebra e uma costa de um grande cetáceos, que recordam o grande interesse do arquiduque pelos temas da natureza.

QuartoA Câmara
O domínio de Son Marroig em Maiorca - Câmara Son Marroig - Clicar para ampliar a imagemSobre a parte traseira da casa se encontra a única câmara, bastante pequena, que pode ser visitada. A cama é superada bonito de um dossel antigo em madeira esculpida.
SalãoA Sala de Estada
A sala de estada, ao primeiro andar, constitui a grande sala do museu; são reunidos lá objectos que evocam a figura do arquiduque: os seus desenhos, os seus livros e efeitos pessoais.

Numa montra são apresentados os livros que escreveu, nomeadamente cerca de volumes do livro do arquiduque consagrados a Baleares; pendurados aos muros, documentos, fotografias, retratos e mapas são expostos.

O domínio de Son Marroig em Maiorca - Sala de estar de Son Marroig - Clicar para ampliar a imagemO domínio de Son Marroig em Maiorca - Sala de estar de Son Marroig - Clicar para ampliar a imagemO domínio de Son Marroig em Maiorca - Sala de estar de Son Marroig - Clicar para ampliar a imagem
Outras montras apresentam colares e objectos antigos fenícios bem como uma pequena colecção de cerâmicas gregas e romanas. Há também uma Virgem de alabastro o do século XIII, as ânforas romanas, o móvel maiorquino antigo, as estatuetas gregas, dos tecidos maiorquinos.

Aos muros da sala de estada é pendurada uma importante colecção de pinturas maiorquinos do século XIX, Joaquim Mir, Antoni Ribas Oliver, Antoni Ribas Prats, Joan Bauza, Hubert Erwin e Piza.

O domínio de Son Marroig em Maiorca - Sala de estar de Son Marroig - Clicar para ampliar a imagemO domínio de Son Marroig em Maiorca - Lodo antigo - Clicar para ampliar a imagemO domínio de Son Marroig em Maiorca - Vista do templo desde a sala de estada Son Marroig - Clicar para ampliar a imagem
Sala de jantarA Sala de jantar
Ao lado da sala de estada encontra-se a sala de jantar com porcelanas e cerâmicas antigas.
O domínio de Son Marroig em Maiorca - Sala de jantar Son Marroig - Clicar para ampliar a imagemO domínio de Son Marroig em Maiorca - Sala de jantar Son Marroig - Clicar para ampliar a imagemO domínio de Son Marroig em Maiorca - Sala de jantar Son Marroig - Clicar para ampliar a imagem
O domínio de Son Marroig em Maiorca - Sala de jantar Son Marroig - Clicar para ampliar a imagemO domínio de Son Marroig em Maiorca - Sala de jantar Son Marroig - Clicar para ampliar a imagemO domínio de Son Marroig em Maiorca - Sala de jantar Son Marroig - Clicar para ampliar a imagem
O domínio de Son Marroig em Maiorca - Sala de jantar Son Marroig - Clicar para ampliar a imagem
LógiaA Lógia
Desde a lógia da sala de jantar de Son Marroig goza-se de uma vista magnífica sobre a costa do norte de Maiorca e sobre o promontório Sa Foradada furado pelo mar.
O domínio de Son Marroig em Maiorca - Loggia de Son Marroig - Clicar para ampliar a imagemO domínio de Son Marroig em Maiorca - Loggia de Son Marroig - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)O domínio de Son Marroig em Maiorca - Loggia de Son Marroig - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)
Jardim de prazerOs Jardins
A visita da residência prossegue-se por uma visita dos seus jardins, onde o arquiduque deixou a sua marca: com a sua imensa cisterna, o ponto de vista “Des Galliner” e o templo iónico de mármore Carrare. Contudo o jardim apresenta poucas plantas luxuriantes nem de flores.
O domínio de Son Marroig em Maiorca - O jardim Son Marroig - Clicar para ampliar a imagemO domínio de Son Marroig em Maiorca - Jardins Son Marroig - Clicar para ampliar a imagemO domínio de Son Marroig em Maiorca - Jardins Son Marroig - Clicar para ampliar a imagem
O domínio de Son Marroig em Maiorca - Jardins Son Marroig - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)O domínio de Son Marroig em Maiorca - Jardins Son Marroig - Clicar para ampliar a imagemO domínio de Son Marroig em Maiorca - Jardins Son Marroig - Clicar para ampliar a imagem
Templo antigoO Templo
O arquiduque fez igualmente de construir, à uma extremidade do jardim, sobre um afloramento rochoso, um pequeno templo neoclássico de ordem iónico de mármore Carrare (realmente de Seravezza). Este templo é uma imitação do que se encontra no ilhéu do jardim Pallavicini, à Pegli, perto de Génova, que ele mesmo imita o tholos grego. O templo descansa sobre uma base circular à quatro degraus e compõe-se de oito colunas iónicas. O pavimento apresenta uma decoração de flores e de fitas esculpidas. O teto é uma cúpula superada de uma flor. Luís Salvador fê-lo montar na Itália e transportou-o aqui.
O domínio de Son Marroig em Maiorca - Templo de Son Marroig - Clicar para ampliar a imagemO domínio de Son Marroig em Maiorca - Templo de Son Marroig - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)O domínio de Son Marroig em Maiorca - Templo de Son Marroig - Clicar para ampliar a imagem
O templo pende sobre a ponta Sa Foradada e oferece uma vista espetacular sobre a costa Miramar, magnífica à deitar do sol, sobre Serra de Tramuntana, e sobre os penhascos circundantes. Por tempo claro pode-se aperceber mesmo às vezes, distante, a ilha seu Dragonera, sobre a costa sudoeste extrema de Maiorca.
O domínio de Son Marroig em Maiorca - Templo de Son Marroig - Clicar para ampliar a imagemO domínio de Son Marroig em Maiorca - Templo de Son Marroig - Clicar para ampliar a imagemO domínio de Son Marroig em Maiorca - Templo de Son Marroig - Clicar para ampliar a imagem
RochedoA Rocha Penetração (Sa Foradada)
O domínio de Son Marroig em Maiorca - Sa Foradada vista desde Son Marroig - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)Cerca de 250 m abaixo da residência Son Marroig, apercebe-se os rochedos salientes Sa Foradada e o buraco bem visível na rocha.

A parte da costa agora conhecida sob o nome Sa Foradada (ele perfurado) era uma pequena anteriormente ilha fora as costas, hoje tornada uma península.

O domínio de Son Marroig em Maiorca - Mapa de passeio à Sa Foradada - Clicar para ampliar a imagemEm 1582 Sa Foradada foi o teatro de uma batalha sangrenta onde 50 habitantes venceram uma força de invasão de 150 Mouros da África do Norte. Esta famosa vitória passou na história local, e comemora-se, o 13 de maio de cada ano, uma reconstituição da batalha entre os Mouros e os Cristãos. Sequência à esta batalha, e à uns outros ataques, uma série de torres de observação fortificadas foi construída ao longo da costa noroeste, cujos vestígios são ainda visíveis hoje.

O arquiduque utilizava o pequeno porto natural para ancorar o seu iate, “o Nixe”.

Como visitante o solar, tem-se a possibilidade, com a autorização do vigia, de emprestar ao caminho privado cerca de 3,5 km que desce até à Rocha Penetração.

ConhecimentosHistória, geografia, artes, tradições, flora…

HistóriaHistória
O domínio Son Marroig era conhecido, antes do século XVII, sob o nome Foradada dels Masroig. A partir desta data, e até ao século XVIII, foi chamado Son Masroig de la Foradada.
Em 1624, o domínio era a propriedade Gabriel Masroig de la Foradada, e, em 1685, é considerados um valor de 11.000 livros. Em 1863, passou à família Cortei.

Até 1870, antes de ser comprado pelo arquiduque, o domínio Son Marroig tinha sido o lugar da cultura da oliveira, das vinhas e os campos de cereais; produzia também mel e vermes à seda.

A casa era considerada pelo arquiduque Luís Salvador como uma das casas melhor situadas de Maiorca e como essencial para o seu projeto de reconstrução Miramar. A aquisição pelo arquiduque não foi coisa fácil, mas, em 1877, pôde por último comprar o domínio, mesmo se ele dût pagar à família Cortei um montante muito mais elevado que o seu valor real. Mas o arquiduque dizia que todo o dinheiro que tivessem obtido não pagava mesmo o buraco Sa Foradada. O domínio, incluindo La Foradada, tinha uma superfície de 68 ha.

Son Marroig foi a residência habitual do secretário do arquiduque, Antoni Vives Colom, casado em 1879 Luisa Venezze, morrido Son Marroig em 1896, e a sua segunda esposa, Ana Ripoll.

À morte do arquiduque, em 1915, o domínio Son Marroig, como todos os bens de Maiorca, foi legado ao seu secretário, Antoni Vives Colom, que possuiu-o apenas pouco de tempos dado que morreu em 1918. A propriedade foi seguidamente à sua filha, Luisa Ripoll Vives, esposa do pintor Antoni Ribas Prats; houve em 1928 o museu consagrado à figura do arquiduque. Atualmente, o proprietário é Isabel Ribas Vives, filha do pintor e Luisa Vives.

PersonagemPersonagens
O arquiduque Luís Salvador de Habsbourg-Lorena e Bourbon
O arquiduque da Áustria Luís Salvador da Habsbourg-Lorena e Bourbon (Ludwig Salvator von Habsburg-Lothringen und Bourbon) nasceu o 5 de agosto de 1847 no Palácio Pitti à Florença, na Itália, fios Leopoldo II da Toscana e Marie-Antoinette de Bourbon. Seu pai Leopoldo II reinava sobre a Toscana, então austríaca. Leopoldo II foi forçado abdicar de em 1859, que liberou o seu filho de todas as obrigações monárquicos.
Em espanhol catalão, o arquiduque é nomeado Arxiduc Lluís Salvador d'Habsburg-Lorena i Borbon, e em espanhol castelhano Archiduque Luís Salvador. Os habitantes de Maiorca chamavam- -o familiarmente “S'Arxiduc”.

O domínio de Son Marroig em Maiorca - Arquiduque Luís-Salvador da Habsbourg-Lorena - Clicar para ampliar a imagemNavegador incansável, explorador, autor de livros de viagem, amante das artes e a ciência, o arquiduque Luís Salvador chegou para a primeira vez à Maiorca em 1867, enquanto que viajava incognito sob o pseudónimo de Conde de Neudorf. Residiu certo tempo na ilha antes de embarcar-se para o estrangeiro. A natureza da ilha, a imensidade do mar e a Serra de Tramuntana seduziram-no, a ponto de, durante os trinta últimos anos do século XIX, fez a aquisição de um grande número de propriedades maiorquinos. Luís-salvador retornou à Maiorca. Durante os seus passeios, atingiu a costa do norte de Maiorca, e, amoureux das maravilhosas paisagens Miramar (um antigo mosteiro fundado por Raimundo Lúlio), comprou a propriedade.

Fez sucessivamente do mesmo modo com outros domínios da campanha maiorquino como o de S'Estaca e o de Son Marroig, dos quais a vista sobre o rochedo Foradada tivesse-o golpeado aquando da sua primeira visita à esta costa.

Eis as palavras do arquiduque no seu pequeno livro maiorquino “nque sei Miramar”, página 46:

“Único, Son Marroig, pela sua situação com a vista sobre La Dragonera, parecia-me inconparavelmente mais bonito”.

O príncipe fez construir a casa atual Son Marroig respeitando as proporções do antigo. Maiorca tinha-se tornado a sua residência principal a partir de 1872, houve até à véspera da guerra, em 1913. A sua estada era interrompida apenas pelas suas viagens de investigação através do Mar Mediterrâneo único ele explorava à bordo do seu iate, o “Nixe”.

As suas propriedades cobriam 3500 hectares e eram agrupadas em redor Miramar, sobre as comunas de Valdemossa e de Deià. Outra encontrava-se à Sant Elm. Havia somas substanciais, comprando terras adjacentes a sua propriedade, para evitar o abate das árvores, que tenha horror de ver cair sob o machado lenhadores. As paisagens pareciam-lhe incomparáveis, e fez muitas para a promoção de Baleares.

“Quase por toda a parte a Costa escarpado desce para águas diáfanas. Sobre as inclinações em terraços criam-se oliveiras centenários e pinheiros marítimos. Esta decoração é dominada pela Sierra de Tramuntana, penteada de um Céu sempre luminoso”.

Desde os mirantes situados à cerca de 300 metros, podia-se descobrir deslumbrando couchers de sol, que gostava de fazer admirar aos seus visitantes. Lá, podia-se juntar-se à praia Sa Foradada, onde o Príncipe amarrava frequentemente o seu iate.

Generoso e sociável, desejosos para permitir à todo aquele que conhecer o seu país, tinha, numa casa nomeada Cado Mado Pilla, hoje desaparecida, autorizada qualquer pessoa que desejava-o residir três dias, gratuitamente. O convidado tinha à sua disposição a banda, a luz, o óleo, as azeitonas e os frutos. Paul Morand beneficiou desta hospitalidade, e fez, em “Mar Mediterrâneo, mar das surpresas” a descrição seguinte:

“a hospederia é uma cabana com uma cama, se acede-se pelos ramos de uma figueira. alimenta-se-se de figos, e tem-se mais bonita a vista a pique sobre o mar de cobalto de todo o litoral”.

A sua prima, a imperatriz Elisabeth da Áustria e rainha da Hungria (“Sissi”), que considerava-o muito, tornou-lhe visita duas vezes à Maiorca com o seu iate “Miramar” (1892).

O domínio de Son Marroig em Maiorca - Retrato do arquiduque Ludwig Salvator - Clicar para ampliar a imagemO arquiduque possuia vasta uma cultura, gostando da arte e a ciência. Tinha-se instalado à Maiorca, a fim de prosseguir os seus estudos, para publicar uma obra sobre Baleares. A sua obra em sete volumes (ilustrado dos seus desenhos), ao qual consagrou uma vintena de anos, “Baleares descritos em palavras e imagens” (“Die Balearen in Wort und Bild geschildert”) pareceram de 1869 à 1891 à casa de edição Brockhaus e sempre são considerado como que fazem autoridade.

Luís Salvador tinha o amor da natureza e os seus interesses residiam no domínio das ciências naturais, das quais tivesse adquirido um vasto conhecimento, a etnografia e a geografia. Como defensor da natureza, o arquiduque proibe o abate das árvores e a caça sobre as suas propriedades. Uma planta endémica de Baleares, o aderno das Baleares (Rhamnus ludovici-salvatoris [Chodat]), é-lhe dedicado; esta planta é nomeada localmente “llampúdol bord”.

Interessou-se, designadamente, aos aspectos subterrâneos, muito importante na ilha de Maiorca. As grutas da ilha são notáveis, e, em 1896, o arquiduque convidou famoso spéléologue francês Édouard-Alfred Martel a vir explorar-o e a estabelecer o extrato geral. Um dos mais conhecidos, no recinto da qual encontra-se o lago Martel, um dos mais vastos do mundo, abre-se Manacor.

S'Arxiduc”, nome sob o qual conhece-se popularmente o arquiduque Luís Salvador à Maiorca, sempre demonstrou-se uma grande vontade de integração na sociedade maiorquino que vai mesmo até a saber o catalão; era profundamente interessado pelos costumes e as tradições da ilha.

Foi o primeiro a fazer conhecer as belezas da ilha ao turismo mundial; em 1877, em agradecimento à sua tarefa de divulgação, foi distinguido com o título de cidadão de honra da cidade Palma e, em 1910, a ilha de Maiorca. À Exposição Universal de Paris de 1889, foi recompensado para a sua contribuição para os inícios do turismo à Maiorca.

Durante a primeira guerra mundial Ludwig Salvator dut retornar em Boémia sobre a ordem do imperador. Houve o 12 de Outubro de 1915 no seu castelo Brandais a Boémia na Chéquia. Foi embalsamado e, em 1918, transportado na cripta imperial da igreja dos Capuchinhos, à Viena, onde descansa junto dos membros da sua família.

Para mais informações, visitar: www.ludwig-salvator.com

InformaçõesInformações práticas

Informação geralInformação geral
Desde 1978, Son Marroig é o quadro do Festival internacional de Deià consagrado à música de câmara.
Horas de visitaHoras de visita
Endereço: Carretera Ma-10 Valldemossa - Deià, km 65,5

Horas de visita:

Aberto todo o ano de segunda-feira a sábado, 9:30 à 18:00 em inverno e até a 20:00 em verão. Fechado o Domingo.

Preço de entrada: 3 € para os adultos.

Telefone: 00 34 971 639 158

Sítio sobre a Tela: www.sonmarroig.com

Outros assuntosOutros assuntos

Filiação do assunto
Baleares > Maiorca > Condado da Serra de Tramuntana > Deià > Domínio de Son Marroig
Assuntos mais detalhados
Assuntos próximos
A aldeia de Llucalcari em Maiorca
A cidade de Deià em Maiorca - O domínio de Son Marroig
Assuntos mais largos
Página inicial
A cidade de Sóller em Maiorca
A cidade de Escorca em Maiorca
A cidade de Andratx em Maiorca
A cidade de Banyalbufar em Maiorca
A cidade de Bunyola em Maiorca
A cidade de Deià em Maiorca
A cidade de Fornalutx em Maiorca
A cidade de Pollença em Maiorca
A cidade de Valldemossa em Maiorca
A cidade de Esporles em Maiorca
A cidade de Estellencs em Maiorca
A cidade de Calvià em Maiorca
Tópico anterior ] [ Tópico superior ]
Recomendar esta página :
Recomendar este sítio :
Investigação personalizada
Se atingir este quadro directamente, clicar nesta relação para indicar as ementas.