A história de Madeira

Rubricas[Fotos] [Apresentação] [Localização] [Visitas] [Cultura] [Informações práticas] [Outros assuntos]

[Assunto precedente] [Página inicial] [Assunto ascendente] [Assunto seguinte] [Via Gallica]

Página editada

CronologiaCronologia

Para 1317O capitão génois Manual Pessanha teria reconhecido, mais ou menos ao mesmo tempo que os arquipélagos dos Açores e as Canárias, a ilha montanhosa de Madeira.
1346A legenda assegura que certo Robert Mac Kean, gentilhomme inglês que os Portugueses nomearão Roberto Machim, teria feito naufrágio em 1346 sobre a ilha abandona com a bonita Anne de Orset (ou de Arset) que tivesse retirado. Os dois amantes morreram imediatamente depois e os outros náufragos enterraram-o perto da margem. Estes últimos fizeram-se capturar seguidamente Barbaresques, que levaram-o ao Marrocos onde foram vendidos como escravos. Um deles, Juan de Morais, de regresso à Portugal para 1400, teria aconselhar João 1 que comprometa uma expedição de modo que esta terra fosse reconhecida oficialmente.
1419Seduz, diz, considerar de Morais, Henri o Navegador armou uma embarcação. João Gonçalves Zarco (ou Zargo) e Tristão Vaz Teixeira, dois escudeiros do Infant, estavam à bordo. A aventura girou mal. Tomados por uma tempestade fora do cabo Bojador, encalharam sobre uma pequena ilha que nomearam, para cumprimentar o seu salvamento, Porto Santo. Era, de acordo com as fontes em 1418 ou 1419.

Quando a embarcação pôde retomar o mar, Zarco voltou à Portugal. Repartit o ano seguinte na mesma direção, empurrando para além de Porto Santo para a montanha que se desenhava sob um capuz de nuvens. O aventureiro de Tomar desembarcou cedo na baía que nomeou Machico, do nome do mestre do Barco do Rei. Baptizou oficialmente a ilha Madeira (“madeiras”, em português), devido à espessa floresta que abrangia-o; mas o nome figurava já sobre um portulan florentino datado de 1351…

Os lobos de mar de Zarco. - A tomada de possessão de Madeira teve lugar solenemente em 1420, quando os navegadores foram encarregados o coloniser e de povoar-o. Zarco estabelece-se com a sua família na baía Funchal. explorou a costa do sul, lançou a âncora num ancoradouro onde viviam de numerosos lobos de mar, e chamou Câmara de Lobos (Câmara dos Lobos) a lugar que ia tornar-se o primeiro porto de pesca de Madeira. Para 1421, a escolha do primeiro mestre da ilha levou-se sobre um sítio muito mais interessante, ao mercado de quatro torrentes, no quadro sumptuoso da abra da Erva-doce (funcho): fundou aqui Funchal, a capital do primeiro território descoberto do Império colonial português.

Um incêndio longo de sete anos. - À chegada de Zarco, não havia um só um habitante sobre o arquipélago: era impossível, porque a floresta ocupava todo o espaço. Para poder plantar as indispensáveis culturas, decidiu-se por conseguinte queimar a floresta. Mas os colonos não chegaram a dominar o incêndio e o fogo foi de uma tal violência que devastou a ilha durante sete anos… Foram encontrar refúgio sobre o mar e estreito no vale de esta torrente que ia-se baptizar, para a circunstância, ribeira costas Socorridos (torrente dos Sobreviventes). Hoje, único a vertente do norte da ilha possui ainda vestígios da floresta primitiva.
1420-1430O fogo fertilisé, mas também tinha drenado a terra. Começou então que um botânico português chamou “a epopeia rural de Madeira”. Escavou-se por toda a parte rir-o-se dos levadas a fim de irrigar todas as terras, desde as cimeiras até aos flancos dos vales. Este trabalho imenso necessitou uma mão-de-obra importante, essencialmente dos escravos e os prisioneiros. Finalmente, o trigo, a cevada e sobretudo a bengala à açúcar, vinda da Itália, empurraram sobre os terraços em escada da ilha. A partir do século X, plantou-se também as vinhas que os Portugueses foram procurar Candie, em Creta.
A era efémera capitão-donataires. - Em 1430 cerca de, o Infant Henri nomeou Zarco capitão-donataire Funchal. Ocupará esta função até à sua morte (para 1465), começando a edificação da cidade e distribuindo as terras aos primeiros colonos. No mesmo tempo, duas outras capitanias foram criadas toda a vertente do norte da ilha foi confiadas à Vaz Teixeira, companheiro de Zarco, que se estabelece à Machico; a ilha de Porto Santo retornou quanto a ela gentilhomme do nome de Bartolomeu Perestrelo em 1450 (a sua família ia conservar esta carga até ao meio do XVIIIe século), pai de Felipa Moniz, a futura esposa de Christophe Colomb.

Para evitar os abusos aos quais podiam entregar-se capitão-donataires, Manual 1 incorporou à Coroa as duas capitanias de Madeira em 1497. Três meses atrasado, a primeira razia pirata devastava a ilha. Funchal foi erigido em cidade em 1508, e acolheu o seu primeiro bispo em 1514. A ilha serviu seguidamente de escala grandes découvreurs, sofre inevitáveis invadir piratas. Mais ou menos esquecida pelos Espanhóis e primeiro o Bragance, Madeira vivota até ao XVIIIe século

1478Christophe Colomb desembarca à Madeira por razões comerciais e casa com a rapariga do governador de Porto Santo.
1566O corsaire francês Bertrand de Montluc desembarca Funchal com seus 11 galions e 1300 homens. Haverá o terror 16 dias que duram antes de morrer ao combate.
1580-1640Madeira passa a ter a nacionalidade espanhola durante o reino de Philippe II da Espanha, proclamado rei de Portugal.
. Clicar para ampliar a imagem.A ilha tornou-se um porto de laço importante para os exploradores que traziam flores e plantas exóticas de todos os cantos do mundo.
A cultura da bengala à açúcar à Madeira é posta à dura prova pela concorrência brasileira.
1662Sequência à união de Charles II da Inglaterra com a princesa portuguesa Catherine de Bragance, Madeira passa sob dominação inglesa.
XVIIIe século. Clicar para ampliar a imagem.Nessa época começou a era dos reconhecimentos ingleses. Cook primeiro veio molhar à três retomas, partir de 1768, na frente Funchal.

O vinho de Madeira é o único vinho autorizado pelos Ingleses a ser exportado para as colónias americanas. A vinha torna-se a cultura principal da ilha. É nessa época que o Blandy e outros Leacock instauram as suas dinastias vitícolas.

XIXe séculoVieram as guerras napoléoniennes que forneceram à Coroa britânica a ocasião de interessar-se de mais perto à Madeira. Em 1801, a frota da Sua Majestade cruzou na baía, e os bandos foram habitar em cidade. A nova ocupação que começou em 1807 durou sete anos. Quando os militares ingleses decidiram rembarquer, muito entre eles escolheram que estabeleçam-se Funchal.

Madeira desenvolve-se graças ao comércio do vinho do qual raffolait os Ingleses, e Porto Santo sombrio no esquecimento mais total.

1856Uma epidemia de cólera golpeia Madeira.
XXe séculoA República portuguesa é proclamada em 1901. Madeira adquire uma grande liberdade administrativa. Em 1910, o arquipélago adere à República portuguesa.

Madeira conheceu a sua verdadeira prosperidade ao início deste século. Numerosos quintas foram então elevados no subúrbio e acima a capital: é lá que residiram os grandes então, (vieram-lhe descansar-se ou enganar no seu aborrecimento sob bougainvillées… Algumas subsistiram em redor de Cobrição, mas a maior parte, nomeadamente ao oeste Funchal deixou o lugar à hotéis de luxo. Assim nasceu e prosseguiu-se a vocação turística elevada de gama da ilha.

Mas o desenvolvimento turístico tocou apenas a capital, e a vida das campanhas tornou-se em comparação muito mais dura. A emigração foi vivida muito, exatamente como no norte de Portugal, como a única maneira de sobreviver. Entre os anos 1950 e 1974, milhares de insulanos deixaram as terras demasiado pequenas de uma ilha para eles sem futuro, e instalaram-se ao Brasil, na América central, Hawaii e sobretudo a Venezuela.

Apesar do desenvolvimento rápido da hotelaria e as atividades de serviços que criaram muitos empregos, a vida permanece dura à Madeira. Todos trabalham quando pode-o, incluindo mais jovem que são muito numerosa nestas terras de forte fecundidade (mais de 40% da população tem menos de 20 anos) e prática religiosa ainda muito seguida onde a população, após muito tempo ter sofrido uma regressão, aumenta outra vez. A emigração é secada como sobre o continente, e os que tivessem partido nos anos 1950 e 1960 retornam ao país. Há divisas cujo montante representa perto duas vezes dos rendimentos bananeraies. Madeira pode por conseguinte elogiar-se doravante, sem demasiado risco ser privada deste título, de ser a ilha Atlântica o mais densamente possível povoada. Como no Minho, observa-se aqui uma grande dispersão do habitat e uma surpreendente simbiose aldeia-campanha.

Após a Revolução dos Cravos, o movimento separatista realizou uma extraordinária empurrão. Não sem humor, declarava que “Madeira é o único país estrangeiro que recebe ainda escudos”… Indépendantistes punham também o dedo sobre os problemas dos quais sofre a ilha: a pobreza (nível médio dos salários cerca de 30% inferior ao do continente), a desigual distribuição das riquezas, a pobreza dos camponeses e mainmise do poder central sobre a economia do arquipélago.

A constituição em região autónoma 1 de outubro de 1976 desativou qualquer veleidade separatista. Um Parlamento elegido ao sufrágio universal e um governo regional regulam doravante os problemas administrativos ou orçamentais. Possuem mesmo certos poderes legislativos ou fiscais. Madeira emite além disso a sua limpa filatelia e iça as suas cores. Com a reforma agrária de 1978, aquilo foi suficiente calmar - pelo menos até agora - os ardores nacionalistas…

PersonagensPersonagens

Se a ilha contar pouco crianças realmente famosas (o escritor dramático Baltasar Dias século X e naturaliste Barbosa Bocage ao XIXe século), Madeira recebeu em contrapartida a visita de numerosas celebridades estrangeiras. Christophe Colomb, James Cook ou Pérouse passou cerca de tempos aqui, e houve escala - certamente contra a sua vontade - em 1815. Seguiram o Conde de Montalembert, a rainha Adelaide da Inglaterra, Charlotte e Maximiliano de Habsbourg a caminho para o México (onde este último devia encontrar um fim trágico), Elisabeth de Wittelsbach (o famoso Sissi), eterna voyageuse, e após ela, Camille Saint-Saëns. Ao XXe século, o príncipe Albert, futuro rei dos Belgas houve em 1912, seguidamente o aviador português Gago Countinho. O imperador Charles da Áustria morreu aqui em 1922, e Winston Churchill fez uma estada à Câmara de Lobos em 1950. Por último, Paul Morand e Jacques esmerila (autor Viver à Madeira) foi impressionado muito pela ilha.

Outros assuntosOutros assuntos

Filiação do assunto
Assuntos mais detalhados
Madeira na literatura
Assuntos próximos
Mapa interativo da ilha de Madeira
A geografia de Madeira
A história de Madeira
A economia de Madeira
A flora e a fauna de Madeira
Informações turísticas sobre Madeira
Assuntos mais largos
Página inicial
A ilha de Madeira
A costa setentrional de Madeira
A costa oriental de Madeira
A costa meridional de Madeira
A costa ocidental de Madeira
O interior de Madeira
A ilha de Porto Santo
As ilhas Desertas e Selvagens
[Assunto precedente] [Assunto ascendente] [Assunto seguinte] [Página inicial] [Madeira] [Via Gallica]
Buscar sobre este Sítio :
Buscar sobre a Tela :
Recomendar esta página :
Recomendar este sítio :
AlbanieAllemagneAngleterreArméniePays basqueBiélorussieBulgarieCatalogneCroatieDanemarkEspagneEstonieFinlandeFranceGalicePays de GallesGéorgieGrèceHongrieIrlandeIslandeItalieEmpire romainLettonieLithuanieMacédoineMalteNorvègePays-BasPolognePortugalRoumanieRussieSerbieSlovaquieSlovénieSuèdeTchéquieUkraïne
Se atingir este quadro diretamente, clicar nesta ligação para revelar os menus.