AlbâniaAlemanhaInglaterraArméniaPaís bascoBielorússiaBulgáriaCatalunhaCroáciaDinamarcaEspanhaEstóniaFinlândiaFrançaGalizaPaís de GalesGeórgiaGréciaHungriaIrlandaIslândiaItáliaImpério romanoLetóniaLituâniaMacedóniaMaltaNoruegaPaíses BaixosPolóniaPortugalRoméniaRússiaSérviaEslováquiaEslovéniaSuéciaChéquiaUcrânia
Se atingir este quadro diretamente, clicar nesta ligação para revelar os menus.
Busca personalizada

A história de Rodes na Antiguidade

[Assunto ascendente] [Assunto seguinte] [Página inicial] [Grécia] [Via Gallica]
Rubricas[Fotos] [Apresentação] [Localização] [Visitas] [Cultura] [Informações práticas] [Outros assuntos]Página editada

ApresentaçãoApresentação

Rodes à época mycénienne
(- 1600 à -1150)
A Rodes é invadida por volta de 1400 antes de J. - C. Achéens há então a civilização Mycénienne. Os escritos antigos dizem que a cidade de Lindos forneceu sete navios Achéens que partia para Troie.
Rodes à época minoenne
(- 1600 à -1150)
Rodes está seguidamente na zona de influência da civilização da Creta minoenne.
Rodes à época dorienne
(- 1100 à -334)
Peça de ouro, Helios o avers, rosa ao inverter, 350-340 antes de JC. Clicar para ampliar a imagem.Peça de Rodes, Lindus. Clicar para ampliar a imagem.
Colonização dorienne (- 1100)
Templo de Athéna Lindia à Lindos. Clicar para ampliar a imagem.Ao IIe milenário, para 1.100 antes de J. - C., o Doriens apreendeu-se da ilha sob a condução de Tlépolème o Héraclide, houve três cidades: o branco Camiros ao oeste, Ialyssos ao norte sobre mar Egeu e Lindos ao leste sobre a costa mediterrânica da ilha. Ambas as são mencionados por Homère (Poeta, fim do VIIIe século) no Catálogo das embarcações (Iliade, II, 653-656):
“Os de Lindos, Iélyse e branco o Camire”.

O Doriens faz o centro de um comércio marítimo perfeito cujas colónias são dispersadas em toda a bacia egeia; a ilha conhece então um período de prosperidade.

Camiros é a estreia golpear a sua moeda.

O hexapole do Doride (para -1000)
Templo de Athéna Lindia à Lindos. Clicar para ampliar a imagem.De acordo com Hérodote, para -1000 antes de J. - C., as três cidades de Camiros, de Ialyssos e de Lindos formaram, com as de Cos, Cnide e Halicarnasse (sobre a costa de Cárie), o Hexapole Dorienne.

A partir o VIIIe do século antes de J. - C., o comércio e a produção artística desenvolvem-se à Rodes, que mantem relações com, por um lado o Médio Oriente, e por outro lado com o Sótão e a Creta. Rodes parece ser uma das primeiras regiões do Hellade a ter adoptado o alfabeto.

Ao VIIe século antes de J. - C., as três cidades faziam o comércio com o Médio Oriente e o Egipto, construiam colónias nas ilhas vizinhas, sobre as costas da Ásia Menor e a mesmo Itália (à Nápoles).
O período clássico (- 500)
Vários séculos da história da ilha permanecem escuros.

Vida século antes de J. - C. governo dos Tiranos; o tirano Cléobule, um dos sete Sábios da Grécia.

Sítio de Camiros. Clicar para ampliar a imagem.No fim da Vida século e ao início século V antes de J. - C., Camiros está sob a dependência do Persa. A cidade reganha a sua autonomia no fim das Guerras Médiques, antes de juntar-se da misma maneira que a ilha, a Liga de Délos.

Século V antes de J. - C., as três cidades faziam parte da liga de Délos, uma confederação de Estados gregos com Atenas à sua cabeça (471-411). As três cidades liberaram-se de Atenas em 412 antes de J. - C.

Em 411 antes de J. - C., os Espartanos, partidos de Cnide, desembarcam à Camiros com 94 navios. De acordo com Thucydide, apreendem-se rapidamente da cidade, que não é fortificada e forçam os cidadãos a alterar de campo

Durante todo o século seguinte, a ilha foi implicada nas guerras intestinas gregas. O partido democrático era favorável aos Atenienses, o partido aristocrático aos Espartanos, como no resto da Grécia; de 412 à 370, houve cinco revoluções. Finalmente, os De Rodes tomam uma parte ativa à revolta dos insulanos contra Atenas, designada guerra social (357-355); os príncipes caria há; que não impediu cedo os aristocratas de Rodes de solicitar a ajuda de Atenas contra a Cárie.

A fundação da cidade de Rodes (- 408)
Acrópole de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Hábeis navegadores, os De Rodes fundaram numerosas colónias: Gagae e Corydalla em Lycie, Soli em Cilicie, congelou Sicília, Sybaris, Siris, Salapia, Parthenope na Itália, Rhode (surraram) na Espanha, sem estar a esquecer os seus balcões das ilhas Baléares.

Contudo tiveram apenas um papel secundário até ao momento onde, em 408 antes de J. - C., as três cidades doriennes decidiram conjuntamente, conservando ao mesmo tempo a sua autonomia, fundar um novo centro à extremidade nordeste da ilha que seria a sua capital: a cidade de Rodes, que não ia demorar a suplantar-o.

A cidade de Rodes foi construída sobre um plano regular de Hippodamos de Painço, o arquitecto dos muros do Pireu, uns mais dos grandes dos mais arquitectos da época. A sua forma era a de um anfiteatro que cria-se do mar para a acrópole situada ao sudoeste, com ruas largas e um sistema de evacuação das águas ainda utilizado hoje em dia; em parte superior, um teatro; inferior, dois excelentes portos.

Rodes no império Alexandre o Grande
(- 334)
Em 334 antes de J. - C., Rodes é integrado ao império Alexandre o Grande (336-323).

À morte Alexandre, em 323 antes de J. - C., os cidadãos de Rodes revoltaram-se contra Macédoniens e caçaram-o.

Rodes manteve então relações comerciais estreitas com o reino dos Ptolémées instalado no Egipto.

Em 305 antes de J. - C., o rei de Macedónia Antigonos I Monophtalmos (“o zarolho”) (306-301) confia ao seu filho Démétrios I Poliorcète (“o comprador de cidades”) (rei em 294) o comando de uma enorme frota e lança uma expedição contra o Egipto de Ptolémée I. os De Rodes recusa participar à esta expedição. A invasão salda-se por um malogro, Démétrios I não chega a forçar as defesas egípcias e deve renunciar. Tenta então destruir Rodes que recusou ajudar seu pai. Os De Rodes combateram com coragem; Camiros afasta os ataques, mas a sede de Rodes vai durar um ano (305-304) e terminar-se em 304 antes de J. - C. por um tratado de paz; Démétrios deve abandonar a sede da ilha.

Não somente a frota de comércio e guerra de Rodes ficou uma do principais do Mar Mediterrâneo, mas encontraram nas construções navais e a fabricação das armas e engenhos de guerra das indústrias lucrativas. Estenderam a sua suserania costa vizinha da Ásia Menor, designada Pérée, e as ilhas de Kasos, de Karpathos, Telos, Chalcé.

Rodes no regaço ateniense (- 300)
Os De Rodes terminam, para 300 frontear J. - C, por retornar definitivamente no regaço ateniense. A prosperidade e o poder político de Rodes foram dos seu sécs apogeu ao IIIe e IIe antes de J. - C.

Tornado rapidamente potente e próspero graças seu a comércio, Rodes torna-se um grande centro político, comercial, intelectual e religioso:

  • o seu governo parece ter sido ponderado bastante habilmente; dois prytanes anuais exerciam o poder executivo, assistidos de navarques ou almirantes; um Senado (Boulh) preparava as decisões apresentadas seguidamente à aprovação da assembleia do povo.
  • a sua escola de retórica, rebatizada em todos antigos, é frequentada por famosos oradores romanos e gregos. Eschine, deixando Atenas houve uma escola cuja voga foi considerável e persistente; à época romana ainda, vinha-se estudar a retórica à Rodes; Panaetius, Stratoclès, Andronicus, Eudemus, Hiéronyme, Pisandre, Simmias, Aristide sont des Rhodiens; Posidonius, Apollonius (ver Apollonios de Rodes) residiu muito tempo à Rodes.
  • Rodes torna-se a primeira escala comercial entre o Egipto, Phénicie e a Grécia. Bate a sua limpa moeda. Os De Rodes são, ao IIIe século antes de J. - C., os Marín mais famosos do mundo grego; derretem uma espécie de direito comercial e marítimo cujo fazem admitir as regras.
  • cultiva as artes e as cartas, e particularmente famosa para a escultura e a arte pictural, que ornamentam-se de construções, santuários e esculturas. Rodes atingiu o seu apogeu neste domínio com as pinturas de Protogénès (ao IVe século antes de J. - C.) e com as esculturas de Charès (ao IIIe século antes de J. - C.), autor do famoso Colosso (v. 303-291 antes de J. - C.). Ao IIe século antes de J. - C., os escultores de Rodes terminaram a famosa estátua do Laocoon e os seus filhos.
  • incentiva o atletismo.

Contudo, a riqueza e o luxo não apagavam as velhas qualidades de patriotismo, de labor e de seriedade.

Colosso de Rodes, gravura do 17.o século. Clicar para ampliar a imagem.Rodes fica famoso para o seu Colosso de Rodes (304-292), trabalha de Charès de Lindos, designado como uma das sete maravilhas do mundo. A maravilha permanece apenas de pé um sessentena de anos; em 226 antes de J. - C., um violento tremor de terra lança-o ao solo. Os restos permanecem sobre o lugar nove séculos, até ao dia onde os Árabes transportam-o sobre a costa da Ásia menor e vendem-o.

Se o Colosso estiver ruína, a cidade não o é menos, e numerosas cidades amigas enviam ajuda para reconstruir-o; cuidadosa a política externa efectuada por Rodes prova-se onerosa.

Apollonios de Rodes
Appolonius de Rodes, selo Grécia. Clicar para ampliar a imagem.Apollonios de Rodes, em grego Απολλώνιος, (Alexandria, 295-215 antes de J. - C.), poeta e gramático grego.

Discípulo de Callimaque de Cyrène, compõe uma longa epopeia, os Argonautiques, se afasta dos ensinos do seu mestre e tendente a aproximar-se da simplicidade homérique. Rejeitado por Callimaque, exila-se à Rodes onde derrete uma escola de retórica. Ao mesmo tempo, ele retrabalhado o seu poema. Retornado à Alexandria, conhece o sucesso e Ptolémée V Épiphane nomeia-o diretor da biblioteca de Alexandria, em sucessão de Ératosthène. Os Argonautiques eram apreciados muito dos Romanos, e sidos uma fonte de inspiração nomeadamente para Valerius Flaccus.

Rodes no Império Romano
Moeda de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Ásia menor para 188 antes de J. - C.. Clicar para ampliar a imagem.
A prosperidade de Rodes foi atingida ao IIe século antes da era cristã; tinha sido devida em parte à aliança egípcia e confirmada primeiro pela aliança romana, igualmente concluída contra o Séleucides e Macédoniens: no fim o IIe do século antes de J. - C., o Império romano começa a estender-se ao Leste do Mar Mediterrâneo; os De Rodes, fiéis aos seus princípios, adoptam uma atitude amigável ao seu respeito.

Dracma de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Ao tempo das conquistas da república romana em Oriente, a superioridade marítima e comercial nos mares da Grécia pertencia, sem contestação, à Rodes, combinada dos novos mestres do mundo. A moedagem de Rodes tomou um enorme desenvolvimento e teve durante dois séculos cerca da circulação mais vasta e mais geral. As peças de Rodes de esta idade são muito comuns, têm para tipo, de um lado a cabeça, vistas de face e radiadas, o Sol, de Deus protetor da ilha e autor mítico dos seus primeiros habitantes, do outro, o símbolo que fala da rosa.

Rodes vive uma época perfeito, a sua moeda tem cursos por toda a parte, o seu código do comércio marítimo faz a lei sobre os mares. Mas a aliança com Roma contribui, como para outras partes do mundo, para o enfraquecimento progressivo da ilha, que, partir o IIe do século após J. - C., torna-se uma província romana. Os Romanos, ao IIe século antes de J. - C., fazem de Délos um porto honesto, que faz concorrência aos De Rodes.

Em 189 antes de J. - C., os Romanos, vencedores de Antiochus, deram De Rodes à Cárie. Mas estes, que preocupam-se dos progressos de Roma, quiseram, para equilibrar a sua influência e a dos reis Pergame que assistia, entender-se com os reis de Macedónia. Após a queda de Persa, o Senado romano retomou-lhes a Cárie, que não lhes deixa único o Pérée, a península situado oposto da ilha. Na guerra contra Mithridate, os insulanos ficaram fiéis à aliança romana.

Em 164 antes de J. - C., Rodes assina um tratado de aliança com Roma. O comércio marítimo da ilha vai ser muito então perfeito até invasão à romana do Ierséculo após J. - C.

Em 48 antes de J. - C., os De Rodes tomaram com efeito partido para César contra Bombeado, general e homem político romano, e contra o Senado romano, e foi a causa da sua ruína.

Em 43 antes de J. - C., outro general romano, Cassius, um dos assassinos César, desfez-o em batalha naval, invade Rodes, massacrou os aliados César, apreendeu-se dos tesouros da cidade e barbeou os templos. Esta batalha quebrou o poder de Rodes, mas a cidade manteve ainda muito tempo o seu prestígio como sede do conhecimento.

Rodes aumentou-se nunca deste desastre. As suas escolas guardaram contudo a sua reputação. Tibère ao tempo da sua desgraça, residiu na ilha. Esta por último foi privada da sua autonomia por Claude que incorporou-o à província da Ásia (44) liberada outra vez, ela definitivamente foi anexada por Vespasien, em 70 após J. - C. sob Constantin, ela estêve unida à província das Ilhas e foi o capital duma divisão administrativa.

Aquando da divisão do império romano, em 395 após J. - C., Rodes e as outras ilhas “do Provincia Insularum” estão unidas ao império bizantino.

A cristianização de Rodes
No ano 57 após J. - C., Paul (à origem Saül) de Tarso, que tornar-se-á atrasado Saint Paul, visita Rodes há o Evangelho.

Outros assuntosOutros assuntos

Filiação do assunto
Assuntos mais detalhados
O colosso de Rodes
Assuntos próximos
A história de Rodes na Antiguidade
A história de Rodes no Império bizantino
A história de Rodes ao tempo dos Cavaleiros
A história de Rodes sob o jugo ottoman
A história moderna de Rodes
Rodes na literatura
Assuntos mais largos
Página inicial
Mapa interativo da Rodes
Informações turísticas sobre Rodes
A geografia de Rodes
A história de Rodes
A cidade de Rodes, Rodes
A costa ocidental de Rodes
A costa oriental de Rodes
A costa meridional de Rodes
A flora e a fauna de Rodes
Assunto ascendente ] [ Assunto seguinte ]
Recomendar esta página :
Recomendar este sítio :
Busca personalizada
Se atingir este quadro diretamente, clicar nesta ligação para revelar os menus.