AlbâniaAlemanhaInglaterraArméniaPaís bascoBielorússiaBulgáriaCatalunhaCroáciaDinamarcaEspanhaEstóniaFinlândiaFrançaGalizaPaís de GalesGeórgiaGréciaHungriaIrlandaIslândiaItáliaImpério romanoLetóniaLituâniaMacedóniaMaltaNoruegaPaíses BaixosPolóniaPortugalRoméniaRússiaSérviaEslováquiaEslovéniaSuéciaChéquiaUcrânia
Se atingir este quadro diretamente, clicar nesta ligação para revelar os menus.
Busca personalizada

Rodes na literatura

[Assunto precedente] [Assunto ascendente] [Página inicial] [Grécia] [Via Gallica]
Rubricas[Fotos] [Apresentação] [Localização] [Visitas] [Cultura] [Informações práticas] [Outros assuntos]Página editada

ApresentaçãoApresentação

Apresentação geralGeneralidades
A Rodes - Revista dos Dois Mundos, volume 5,1844 - CH. Cottu
Vínhamos chegar na frente de Rodes, com o propósito de uma margem dourada pelos raios de um esplêndido sol. Ao norte, entre palmas e cúpulas turcas superadas do crescente, flutuavam os pavilhões dos cônsuis; no Sul estendia-se a cidade, perdida muito inteira entre os ciprestes, as tamareiras, e dominada por uma colina verdejante. Frégate a Pérola molhou na frente da torre que se cria à extremidade do molhe. Cedo um barco destacou-se de terra, conduzia-nos dois Europeus: um, o Sr. Drovetti, geria o consulado da França; o outro, o Sr. Gandon, era oficial da saúde. Este pediu onde vinha a fragata; à resposta que lhe foi feita que a construção deixava Smyrne, deu a livre prática, e o Sr. Drovetti ofereceu dirigir-nos através da cidade. Uma hora atrasado, montados numa canoa, vogávamos rapidamente para a mole.

O grande porto, de forma quadrada, é fechado do lado da terra por elevados muralhas; o molhe, com uma bateria de canhões, protege-o do lado do mar; a abertura é defendida por uma torre superada de pequenos clochetons e de uma vigia onde colocava-se anteriormente a sentinela. Nada de mais graciosos, mais delgado e extremamente contudo que esta construção, onde confunde-se dura a arquitectura gótico com a elegância grade levadiça. Esta torre recordava-nos uma lembrança héroïsme cavalheiresca: é lá que, o dia de Natal 1522, quando Rodes capitulou, retirou-se vinte cavaleiros franceses resolvidos a morrerem. O Pacha vencedor tinha tomado possessão do palácio do grande-soberano, a frota muçulmana cobria o porto, e os religiosos escapados à morte esperavam ao bordo do mar os navios que deviam transportar-o na Europa. Antes da sua partida, assistiram ao último assalto entregue contra a torre que defendiam os seus intrépides companheiros. Quando a noite veio, transferem os galères turcos deslizar silenciosos perto da margem; escalas foram elaboradas contra estes mercados sobre os quais flutuava na sombra o estandarte da cruz; queixas, urros retentirent, seguidamente todo calou-se, e à levantar do dia, um rabo de cavalo à extremidade de uma pique substituia a bandeira de São João. Os Turcos, que se recordam ainda vagamente da sede, sabem que este bastião isolado custou-lhes caro levar; também chamaram-o a Torre dos Cavaleiros, como para conservar num só um monumento a memória de vários anos de combates. A entrada da torre é guardada severamente, e os muros são branqueados mais frequentemente que os outros fortifications: os muçulmanos acreditam fazer ilusão aos estrangeiros, e abusam-se talvez eles mesmos, encobrindo sob a pintura as feridas dos seus edifícios, que reparam nunca.

Mal desembarcados, fizemos pedir ao governador a permissão que visite a torre. Guarda veio abrir-nos a porta, os meus companheiros precipitaram-se na escada, e o barulho dos nossos sabres sobre os ladrilhos sonoros pareceu-me a repercussão das pesadas espadas de ferro dos corajosos cavaleiros. Da plataforma, domina-se a cidade, cercada de largos fossos onde plantas vigorosas crescem no meio de bolas turcas arranjadas em pirâmides. Para pouco que isola-se e que esquece-se, acredita-se-se transportado na frente de um das nossas velhas cidades da Europa à ogivas e cheias curvaturas. Reencontra-se o aspecto dos nossos antigos solares nestas sombrias casas construídas de pedras de dimensão, mâchicoulis a parte superior, em penetrações de estreitas janelas e agentes de escudos. Torretas redondas ou quadradas emergem de todos os lados; algumas são superadas do telhado em ponta da Idade $média, mas a maior parte, bem como as casas, terminam-se em terraço, onde a noite as mulheres reunem-se para gozar da beleza das noites orientais. O molhe é limitado de cafés com camas de madeiras ao livre ar sobre as quais os Turcos de um lado, os Gregos do outro, permanecem vastos uma parte do dia. Na frente estes eternos de fumadores, sobre as águas devagar agitadas do porto, equilibram-se ligeiros Levant, encarregados de frutos, de legumes e de melancias, que os marinheiros descarregam e vendem sobre o cais. Em redor dos marinheiros detecta-se mulheres ocultas, vestidos de túnicas de todas as cores, os pés em botins de marroquino; negros à face esmagada, a cabeça coberta de um pedaço de tecido escarlate; crianças quase nuas; judeus aos pingamentos desvanecidos, deslizando na multidão sem estar a tocar ninguém; gregos faladores à mina descarada; soldados obstruídos terrível no uniforme moderno, e de ricos Turcos que passam gravemente talheres longos pelisses às mangas que caem.

Deixamos a fortaleza, impacientes de percorrer a velha cidade que vínhamos contemplar à voo de pássaro. A porta da cidade abre-se entre duas grosas torres à extremidade do molhe; quando passamos sob a abóbada, as sentinelas, sentados à sombra, tinham posto os seus fuziis entre o muralha e acariciavam pacificamente os seus pés com as mãos. A estreia escoicinha que encontra-se deste lado é-se a dos Cavaleiros: este nome é sem dúvida um destas insígnias que a tradição coloca sobre as ruínas, porque esta rua da qual todos os viajantes falam preferivelmente aos outro, onde vêem apenas um montão de casas turcas ou judaicas, é, como a cidade própria, apenas uma sequência de habitações da Idade $média, à entradas baixas, superada de escudos a maior parte às armas da França. Revivo lá armoiries que assim tristemente tivesse pisado aos pés à Malta, na igreja São João, onde eram gastas pela fricção dos sapatos. À Rodes, cortados no mármore branco e conservados por este céu charmant que respeitou Parthénon e as estátuas da Grécia, estes escudos destacam-se intactos em todo o orgulho das divisas sobre pretos os muralhas dos edifícios.

A rua dos Cavaleiros é montueuse, abandona, preenchida de ervas e pedras rolantes; os nossos passos ressoavam distante como sobre os ladrilhos de uma catacumba. Çà e lá abre-se um arco de abóbada de pedras de dimensão servindo de entrada à outra rua preta, estreita, profunda, que vê-se serpentear na sombra com os seus portais esculpidos e os seus escudos. Nenhum barulho fazia-se entender. Cerca de janelas grelhadas eram equipadas de flores; as nossas fendas de vozes, as nossas surpresas, faziam aparecer cabeças de mulheres ou de crianças; pequenas mãos afastavam com precaução as plantas entrelaçadas às advocacias; mais jovens as raparigas, à vista dos uniformes estrangeiros, permaneciam um momento surpreendidas, tapa-o entre aberto, mostravam os seus grandes olhos deleitados, os seus cabelos pretos encarregados de sequins de ouro; seguidamente, encontrando um dos nossos olhares corajosos, cirzem na folha como pássaros. As velhas mulheres traziam a sua vela sobre o rosto; turcos, senhores atuais destes solares franceses, deixavam tranquilamente recair as invejas após ter reconhecido a causa de barulho que perturbava o eterno silêncio deste claustro.

Estas habitações assemelham-se à fortalezas; qualquer é preto e quadrado desde a base até ao cume. Torretas, sinal de elevada nobreza entre este povo de nobres, criam-se aos ângulos de cerca de casas; mortíferas defendem as portas, mâchicoulis abrem-se sob os terraços. Quando mergulhava os olhos no interior, via um tribunal húmido, pavimentado de largos ladrilhos divididos, entre qual a erva crescia espessa e direito, como se desde anos, talvez desde a morte ou a fuga do mestre, ninguém tivesse-o pisado.

Um destes cursos golpeou-me: tínhamos permanecido de examinar um escudo francês dourado pelos séculos como todos os mármores desta terra das bonitas ruínas; a armas de brasão eram de azul- à dez pesados de ouro; a orgulhosa divisa da casa de Rieux: À qualquer discordância Rieux! encerrava o ecu; abaixo estendia-se o portal, embelezado de arabescos cortados no granito. Empurrei tábuas que renderam; imediatamente um vento fresco mim soprou ao rosto. Penetrei no tribunal, do qual um figueira venerável obstruia a entrada das espumas aveludados ornava os muros, janelas sem vertentes abria-me çà e lá, por toda a parte acima as curvaturas brilhava o escudo. Entrei seguidamente vasta numa sala, onde o sol fazia irrupção pelos vões; uma poeira de átomos revoluteava nos seus raios, plantas vivaces escalavam ao longo das vigas esculpidas, nenhum vestígio revelava a passagem do homem, e esta habitação, anteriormente estada de penitência sob um grande mestre austero, asilo dos prazeres talvez sob um chefe mais indulgente, era silencioso como um túmulo: o escudo único parecia viver e esperar. Tal é o interior da maior parte das casas da rua dos Cavaleiros. As fachadas, conservadas bem, têm todos os armas de brasão, entre as quais reconheci o escudo do Beaumanoir, de azul- à onze bilhetes de dinheiro, com a divisa: Gosto que de me gosta, e este charmante ainda: Que não fará para ela! que soube atrasado ser a do Salvaing Dauphiné.

Saindo destas ruínas, encontrei-me de repente face à face com um dervixe. Levava um pingamento cinzento; os seus pés nus tramavam de sujos babouches, a sua cabeça desaparecia num feltro na forma de pão de açúcar, as suas mãos equilibravam um rosário à grãos vermelhos que fazia deslizar entre os seus dedos por passatempo e não para solicitar como fazem os cristãos: afastou-se sem estar a ver-me, bem como um homem ébrio. Reencontrei os meus companheiros na igreja São João, que rende-o efectivamente, pela beleza e pela riqueza, à sua irmã de Malta. Contudo esta pobre construção, sem esculturas, sem túmulos que falam da glória passada, produz sobre a alma uma impressão mais viva que magnífico o basílica, profanado também pela conquista. Quando os cavaleiros estabelecidos à Malta afastaram o último esforço do ódio dos Turcos, fizeram vir da Itália dos pintores e os arquitectos para construir uma igreja magnífica; não tinham mais nada a temer, e o tempo era seu. À Rodes, como os judeus após a servidão, as monges tomaram a pá de pedreiro de uma mão e glaive do outro; mas o dia do descanso onde templo seria um elevado ao Senhor veio nunca para os hospitalares. Sempre foi necessário correr aos muralhas; também puderam criar apenas um edifício mais ou menos semelhante de forma e de arquitectura o seu limpos fiquem. Nada distingue-o fora que a larga e elevada fachada furada de uma vasta janela onde precipita-se o vento nas noites de inverno. O interior está vazio. A igreja parece abandonada, mesmo pelos Turcos. Ao barulho dos nossos passos, dos pombos azuis soltaram-se através das janelas quebradas. Cerca de versículos do Alcorão serpenteiam sobre os muralhas, e a tribuna do muphti cria-se em redor de esteiras estendidas no coro, onde crendo ajoelham-se girados para o oriente. As pedras do solo parecem ter sido levantadas; sem dúvida houve estas riquezas que acreditavam enterrados com os cadáveres dos cavaleiros; de qualquer tempo os Turcos pensaram que os túmulos das monges cristãs ocultavam tesouros que procuravam-se pela magia. Os seus contos, que dizem assim fielmente ainda os costumes deste povo criança e crédula, falam incessantemente de grandes montões de ouro e de pedras preciosas escondidos nos túmulos por feiticeiros e guardados por medonhos génios. Os cavaleiros de São João, como os seus irmãos do Templo, aparecendo infidèles às vezes com a lança, cavaleiros sem piedade, às vezes sob os vestuários do padre, deviam fazer no espírito dos Trigos mouriscos uma curiosidade superstitieuse e esta ideia de potência occulte que une-se maus aos espíritos. Também, não apenas à Rodes, mas anteriormente à Jerusalém, os Árabes vencedores escavaram os sepulcros dos templiers e os hospitalares, cujas cinzas lançaram ao vento.

O 30 de outubro de 1522, durante a sede, dois meses antes da tomada do lugar, no intervalo de um destes descansos que os Turcos esgotados deixavam aos cristãos, uma cena terrível passava-se neste lugar, hoje assim désert. As colunas e os muros eram tensos de pretas; o grande-soberano, aleijado, permanecia sentados sobre o seu trono; os elevados dignitários da ordem cercavam Villiers da Ilha-Adam. Todos tinham-se de pé a espada à mão em estalas superadas do seu escudo e a sua bandeira; vários bancos vazios indicavam o número de cavaleiros mortos sobre os muralhas; um pano preto cobria a estala que levava as insígnias da grande chancelaria da ordem. O escudo do hospitalar que tinha direito de sentar-se sobre esta sede era invertido em sinal de infâmia, e a sua bandeira arrastava sobre o solo. Todos os religiosos, a maior parte feridos, pressionavam-se sob a nave, os olhares girados para a pálida figura de um cavaleiro à joelhos perto de uma cerveja aberta. Este cavaleiro, armado de todas as peças, tinha a cabeça rasée e os braços vinculados de trás a costas; na frente de ele, sobre almofadas, eram as insígnias da sua dignidade, gisaient mais distante das esporas de ouro quebradas e uma espada quebrada. O negro escravo, carrasco do chiourme, tinha-se ao lado de este homem yatagan sobre o ombro. Um sino tilintou, e o grande-capelão, depositante a sua espada nua sobre o altar, começou o serviço das mortes; imediatamente os irmãos entoaram os cantos lúgubres. Após o Evangelho, quando o padre descobriu o cálice e verteu a água e o vinho, o grande-soberano avançou-se do lado do sobre o qual todos os olhos eram dirigidos, e diz-lhe: - André Amaral; pilar da língua de Castela (1), grande-chanceler de São João de Jerusalém, na frente de Deus, junto de que vai preceder-nos num momento, reconhece-se culpados de félonie e traição para com os vossos irmãos de Rodes?

O miserável tremeu sob a voz que interrogava-o; pareceu lutar cerca de momentos, seguidamente, curvando o frente:

- É inocente, balbuciei; e estas palavras, que ressoavam no silêncio, foram entendidas de todos. Um segundo chocalhar de armaduras ressoa sob as abóbadas.

- Almirante, retomou a Ilha-Adam, à sair desta igreja, vocês será conduzido à porta de Oriente, onde, posterior tem-nos degradado-se, terá o punho cortado e a cabeça cortada como os traidores. Antes de morrer, André, ousarão juntar-se à mim para receber o corpo do nosso Senhor Jésus Cristo?

Todas as cabeças inclinaram-se a fim de ouvir a resposta do condenado; este levantou-se, um raio de esperança iluminou o seu rosto, mas de repente, como fulminado à vista do santo cálice, recaiu sobre os ladrilhos. - Único Deus julga-vos por conseguinte, e que seja-vos misericordioso! murmurou o grande-soberano. - - Amen! responderam os cavaleiros. O serviço continuou. Quando o capelão deu a sua bênção, o escravo fez levantar o chanceler, um arauto pendurou um piedoso o ecu de Amaral a ponta em parte superior. Então André procurou na multidão um amigo, um cúmplice talvez; mas vive apenas faces de guerreiros inflexíveis. Cedo após montou esta rua dos Cavaleiros que tentamos descrever, passaram na frente da sua casa, e vivem os seus armas de brasão cobertos de um crepe. O chegado sobre os muralhas, arauto retirou-lhe a sua couraça, mostrou-o ao povo gritando: Isto é a couraça do traidor e de félon Amaral! E quebrou-o à golpes de massa; seguidamente contou-o-se o cavaleiro seus cuissards, as suas braçadeiras, todos os vestuários, e o que tivesse vendido os seus irmãos para sorri-lo de uma rapariga do profeta, coberto do casaque de um escravo remador, montou sobre o cadafalso, onde o negro, após ter-lhe cortado a mão, cortou-lhe a cabeça, que foi exposta sobre uma pique à vista do infiéis.

As ruínas do palácio do grandes-soberano estão na parte superior da rua dos Cavaleiros, perto das fortificações. Este castelo, que dominava anteriormente a cidade, o mar e as campanhas, é mais apenas um montão de restos do meio do qual criam-se muros flanqueados de torretas cujos restos obstruem os cursos e as salas; restos de galerias, arcadas que você hera entrelaça e apoia-as ainda, servem de abrigo à tristes pássaros que se escapam gritando e se mergulhem de novo nos seus sombrios covis logo que o viajante afast-se-ar.

Deixando estas ruínas, seguimos uma pista escura que efetua ao bairro turco, e chegamos primeiro sobre o lugar sendo um dos seus lados é limitado por um pesado edifício, ao qual estão unidas antigas lembranças. Esta construção era um destas pousadas onde os religiosos da mesma língua, nos primeiros tempos da ordem, vinham comer juntos. Atrasado, quando grandes senhores comprometeram-se na ordem, quando os hospitalares, tornados guerreiros intrépidos, gostaram melhor de pourfendre o infiel que de tratar dos feridos nos hospitais, a velha disciplina afrouxou-se, e as pousadas foram abandonadas aos pobres cavaleiros, enquanto os seus irmãos mais ricos viviam nas suas casas. Várias pousadas existem sobre os diferentes lugares de Rodes; eram ao número de oito, e outrora destinadas às oito línguas que compunham esta ordem, comparadas frequentemente pelos historiadores das cruzadas um novo castiçal à oito ramos que queimam na frente do Senhor.

O oficial da saúde veio cedo aa nós juntar-se; queria acompanhar-nos no bairro turco. O Sr. Gandon é um destes Franceses que encontra-se semeados todos os cantos do globo, e que conservam preciosamente a alegria da velha pátria. Tinha obtido de Reschid-Pacha, do qual era secretário, um lugar no serviço sanitário que a Porta criou sobre o pedido potências européias. Esta nova instituição não se estabeleceu em Levant sem uma viva oposição, e o divã ele mesmo nunca compreendeu a necessidade. Premunir-se contra a peste, prever que deve chegar de felizes ou desastrosos, é positivamente contrários à este dogma da fatalidade que permite ao islamita esperar os acontecimentos com assim profunda impassibilidade. Também a maior parte dos Turcos é persuadida que procurar preservar-se das más exalações que sopram de acordo com a vontade de Deus, é tentar o céu, e querer deleitar o fruto da árvore da vida e a morte. O serviço sanitário oferece por conseguinte em Oriente uma carreira dos mais precários, e o já Sr. Gandon tinha-se pena de ter visto os seus honorários reduzidos de metade pelo partido fanático ao qual Mahmoud assim muito tempo tem sido forçado obedecer. Este partido intrigava então para fazer desaparecer as quarentena; via nesta instituição uma sequência do sistema de imitações e de reformas cristãs que a sultão tivesse adoptado contra o desejo mais da grande parte do império. O uniforme dos bandos, os novos exercícios aos quais os soldados são obrigados, o esquecimento das antiguidades tradições do serralho, todas as tentativas por último Mahmoud para fazer penetrar nesta nação imóvel das ideias de ordem e de administração foi olhado pelos espíritos religiosos na Turquia como a ruína das crenças muçulmanas. Sem dúvida a luta da infeliz sultão no círculo fatal que o espírito islâmico traçava em redor ele inspirou na Europa vivas simpatias: estes ensaios adulavam demasiado os desejos universais de modo que não se apresentasse sob a mais luminosidade aspecto o ensaio e erro m do bárbaro; mas as esperanças desmaiam-se logo que passar-se cerca de dias no meio de este tribo patriarcal, e que viu-o-se preguiçoso, desprezando o trabalho nas suas cidades, verdadeiras tendas plantadas ao bordo do mar. Pode-se então impedir-se duvidar apenas a civilização moderna dissipa-se nunca este torpor desastroso que a terra em flores e o céu mais suave sempre fizeram de pesar sobre a Turquia. Se excluir-se as elevadas classes, o Osmanli vive de nada; enervado pelo calor, come pouco: a água pura, cerca de legumes frescos, frutos, pastelarias, um carneiro coze entre piedosos os dias de festa é suficiente às suas necessidades; um tapete estendido à terra, sob uma árvore perto de uma fonte, a sua pipa que fuma com lentidão, do café preparado sobre uma pedra, o céu que olha e onde a sua alma perde-se; aos seus pés o mar magnífico que acredita ser a barreira colocada por Deus para separar que crê infiel, a oração três vezes o dia, a vontade parada bem ir ao Mecque antes de morrer; o sono, ou estas conversas de Oriente que mergulham o espírito no mundo dos prazeres e os houris: aí está ainda hoje a vida do Turco, e esta vida alterará nunca? Vê o império que se desaba e curva a cabeça: talvez à hora suprema terá um destes despertadores terríveis que fazem que o toda uma povo sacrifica-se uma última batalha; ou, vencido de antemão, não ignorando mesmo o seu futuro, apresentar-se-á sem murmúrio à ordem de Allah; o pai de família selará os seus burros e os seus camelos, as pequenas crianças nos braços das mulheres ocultas colocar-se-ão sobre as albardas de viagem, e a grande caravana, retomando o caminho do deserto, perder-se-á cedo nestas solidões desconhecidas onde vieram as nações árabes, e onde retornam como para reavivar-se quando são esgotadas.

Saímos da cidade pela porta de Oriente, junto da qual Amaral foi decapitado. Cedo vimos elaborar-se na campanha dos milhares de pedras direitas e planas, algumas encarregadas de versículos do Alcorão e um turbante grosseiramente esculpido. Lá foram enterrados à pressa os cem oitenta mil homens que custou a conquista de Rodes Soliman. No meio dos túmulos que cercam a cidade, pressées umas contra os outros, as pequenas cúpulas arredondam-se à sombra de um ramo de velhos plátanos; lá descansam os chefes perto os seus janissaires. De cactos à flores recortar, das amoreiras selvagens, crescem sob as folhas protetoras destas bonitas árvores. , Ao longo dos fossos, do olho vê fujir até ao horizonte este exército fúnebre, que parece ameaçar ainda murailles sulcados pelas bolas, e onde brilha de distância distancia o escudo de São João. Sobre os parapeitos descansam enormes almofarizes de bronze e canhões à largas bocas; os varredoiros, refouloirs, são apoiados contra as peças. Grandes pássaros de presa aplanam sobre as torretas, burros pastam em liberdade nas aduelas, e o solo é coberto de uma poeira escaldante que a brisa leve com as cinzas mais de um sepulcro entre aberto durante a noite por cães esfomeados. Nunca acumulação similar de chefes e de soldados confundidos pá-misturar olhares assim tinha golpeado os meus. Os campos de batalha que tivesse percorrido até então levavam rindo de colheitas ou de verdes prados; mas lá, em redor da cidade, não se altera nada: na frente do mar que levou-o à margem, todos são estendidos ao lugar onde combateram; a terra não foi escavada pelo arado, e quando, de acordo com a crença muçulmana, Asraël, o anjo da morte, passagem em revista, nas noites de trovoada, os lúgubres batalhões, cada um encontra-se ao seu posto perto dos mesmos muralhas, sempre de pé.

Estas primeiras corridas tinham feito apenas de aumentar a nossa curiosidade. Também aceitaram com ardor a oferta do Sr. Drovetti, que propôs-nos que vá no bairro judaico visitar um rico negociante israelita que conhecia. Após ter seguido um caminho que girava através dos túmulos, retornamos na cidade por uma nova porta que defende um corps-de-garde. Os soldados tinham suspendido os seus fuziis ao atormentar e faziam a sesta. Logo que estivermos na rua, todas as crianças do Israel derreteram sobre nós, esticando a mão; as jovens raparigas nós sorriam perto velhas de matronas que se iam embora a sua roca na frente das casas; de grandes jovens pessoas, as pernas nuas, vestidos de um tecido moreno apertado por uma cintura na qual passava a manga de um tinteiro de metal, vieram engrossar o nosso cortejo, que se avançou no meio das contínuas genuflexões dos homens e os gritos de surpresa das mulheres.

O Sr. Drovetti tinha despachado em correio um pequeno coxo, que reapareceu cedo acompanhamento de um bonito velho à barba branca. Este Israelita era coberto rico pelisse, e levado um turbante preto. Os seus filhos andavam de trás ele. Avançou-se para o comandante da fragata e cumprimentou-o profundamente, ou antes adorou-o, curvando a cabeça e levando a mão ao seu coração e os seus lábios. O mercador fez-nos então passar através de várias ruas incluindo as casas, embora similares às da rua dos Cavaleiros, distinguiam-se pela profusão de flores que ornavam as janelas, os terraços, e que lhes davam um ar de festa. Os escudos eram também mais raros, e em certas lugares as construções modernas tinham-se sentado sobre velhos fundamentos.

O chegado à porta da sua residência, mestre afastou da mão a multidão, que queria introduzir-se após nós, e não deixou entrar único nos seus parentes, que tiraram sua babouches e seguiram-nos bonita numa sala apoiada por pilares antigos. Perto das janelas à rede metálica de madeiras envernizada era um longo estrado à plano esculpido, coberto de um tapete de Persa e colchões de seda. O Sr. Drovetti, que parecia conhecer todos os rebaixos da casa, abriu um armário de ébano onde de raros manuscritos hebreus eram arranjados. Ao mesmo tempo os filhos do velho tiraram de uma grande mala de madeiras de cedro das velas de linho bordadas de ouro, as faixas, as túnicas de seda de cores incontestáveis, que exalavam um perfume de jasmim e de rosa: cedo a sala foi mais apenas um vazar de tecidos preciosos. Após ter-nos feito de examinar estes maravilhosos tecidos, andando-o conduziu-nos numa galeria que dava sobre um jardim; treille espesso estendia de toda parte sob as vigas os seus ramos, encarregados de folhas húmidas e racimos pendentes. O mestre fez sentar o comandante sobre um sofá, enquanto pequenas crianças faziam-nos sinal que diverte com-se nnós em colocar, à maneira oriental, sobre quadrados de seda vermelha.

Transportado abruptamente na casa do rico israelita, que não vê único turbans, pelisses, almofadas e flores, recordava-me as torres feudais, manoirs que cercavam um momento anteriormente, e esta cidade francesa da Idade $média onde lia divisas gothiques sobre nobres escudos; emprestava a orelha à conversação, e entendia nomear Constantinopla, o Taurus, Chipre, o monte Carmel, Jerusalém, todas as regiões das quais falam incessantemente Mil e umas Noites, e que podia, para assim dizer, ver desta galeria onde era sentada em Pacha e extremamente à minha vontade. Então pedi-me qualquer parte inferior se não sonhasse, e se, como este bom levarfardo que teme Deus, mas que gosta do vinho, cerca de génio não me tivesse transportado margens bretonas em um destes quiosques árabes cuja descrição encantava-me anteriormente.

De repente uma porta abriu-se, e três jovens raparigas pareceram: uma levava frutos num cesto cercado de folha, o outro das pastelarias sobre um roupa branco, e o terceiro uma bandeja de dinheiro gravada agente de compotas, licores e vidros de água. Aproximaram-se de nós, e cada uma, após um salvação tímido, apresentou-nos rafrescos. Mais idosa destas charmantes criaturas não tinha vinte anos; eram vestidos de um pingamento estreito em seda riscada de ouro e laçada sobre a dianteira da garganta; excesso esta túnica, pelisse à mangas largas aumentadas até ao cotovelo descia perto dos quadris; os seus longos cabelos pretos caíam em tranças semeados de lantejoulas de ouro, e os seus pés brancos muito nus eram calçados de patins de madeiras à tacões elevados.

Quando mais jovem destas graciosas fadas veio à mim e inclinou o seu corpo delgado para apresentar-me a bandeja, permaneci a colher giratória entre os lábios, perturbado na frente de estas despesas rosto Rachel que fazia sonhar aos todos os amores da Bíblia. A bonita judaica ficou então vermelha como uma granada, sorri e deixou-me ver pequenos dentes brancos; os seus olhos pretos aveludados, limitados de grandes pestanas, lançaram como uma chama. Vendo por último que não movia, a bonita criança rejeitou a cabeça lado, e pronunciou muito elevado cerca de palavras numa língua estrangeira. O velho, as mulheres, qualquer Israel por último partiu de uma fenda de rir, mim falidos estrangular-me; mas replaçant a colher giratória sobre a bandeja, interroguei inferior o olhar que tivesse-me encantado: este olhar estava sem cólera, nõ sese lia único a castidade e a inocência. Os filhos do mercador serviram-nos seguidamente o café e de longas pipas de madeiras de cerejeira e jasmim à extremidades de ambarino; as raparigas permaneceram sob a vinha perto da sua mãe; os homens, no que diz respeito a nós, cercavam o pai de família.

Tempo a conversação continuava através do Sr. Gandon, o Sr. Drovetti deu-me detalhes sobre os Judeus, estes apostou do Oriente que ainda são reduzidos ao estado abjection no qual representam-nos -o as legendas da antiguidade sociedade cristã. Os Judeus estão grande número à Rodes, onde, como todas as nas cidades turcas, habitam um bairro separado do qual não podem cruzar o recinto após deitá-lo do sol; todos são mercadores e fazem negócios com uma avidez insaciável, desde o armador de navios e o mestre de cem camelos até ao vendedor de perfumes avariés. Vão e vêm nas campanhas, sobre o cais, nos vazares, cansam-se nunca e tornam ao cristão ou o muçulmano qualquer espécie de serviços. Uma construção deixou cair a âncora, vê-se imediatamente montar à escala longas figuras magricelas, a cabeça coberta de um farrapo à maneira de turbante: são os Judeus; inclinam-se na frente dos oficiais, os marinheiros e as espumas; à cada viajante oferecem qualquer parte inferior que pode desejar. Querem antiguidades eles tiram dos seus bolsos estatuetas quebradas, drogados, medalhas; querem tecidos? fazem montar uma mala preta e estendem tecidos de ouro e de dinheiro; gostam dos perfumes? levantam uma tampa secreta sob a qual detecta-se frascos de gasolinas, pastilhas do serralho, das extremidades de ambarino destinadas aos lábios das mulheres; procuram diamantes? conhecem o joalheiro; é-os necessário das provisões de mesa? entendem-se com o cozinheiro; são branqueadores, sapateiros: peçam o impossível, obter-o-á. Nunca, sobre um destas faces brancas como uma velha peça de moeda, não verá parecer a vermelhidão da vergonha; ofensas, violências, qualquer passa sem estar a deixar vestígios; o Judeu curva a cabeça sob o braço que se levanta, e retorna similar ao cão deitar na frente do seu mestre. Nunca os Israelitas não se revoltam no recinto dos muros, onde frequentemente são mais numerosos único os Turcos, que defendem aos cristãos de habitar os lugares fortes, mas que deixam o Judeu dormir os seus pés. Também, apesar da reprovação universal que açoita-o, apesar do despeito que segue-o por toda a parte e que faz que cristãos, islâmicos, acreditar-se-3&z sujados pelo seu contato; apesar de yatagan suspendido sobre o seu pescoço graniza, o Judeu espalha-se por toda a parte em Oriente; fiel à sua fé insultada, vinga-se do aflição e sofrimento m que faz-lhe-se sofrer rejeitando com desdém todos os cultos nascidos de ontem que homens sem missão tiraram santos livros ditados por Deus ele mesmo ao seu profeta sobre as coberturas fulminadas Sinaï.

À Rodes, os Judeus fazem o tráfego dos vinhos: vendem também esponjas que os mergulhadores encontram em grande quantidade sobre a costa; mas lá não se limitam as suas especulações, e através do câmbio, a corretagem, o contrabando, fazem em qualquer Levant um imenso comércio invisível. Estes mercadores de pastilhas e de babouches que vagueam nos vazares, ou que permanecem sentados sobre um mau tapete ao canto échoppe, têm fortunas que as multas e os confiscos não saberiam secar. Os Gregos, que exploram também o Oriente, não podem, independentemente da sua atividade, o seu endereço e o seu amor do lucro, lutar contra os Judeus, que parecem, como a imã, atrair à eles o metal. O Grego é falador, desencoraja-se facilmente e disputa tanto para um parágrafo que para um saco de piastras; o judeu infiltra-se nos negócios como a água nos balanços, com paciência, sem barulho sem fenda, com excepção dos principais negociantes, que, demasiado conhecidos dos Turcos, podem esperar no enganar, os Israelitas esconde todas as riquezas: talheres de trapos, têm em público apenas uma miserável loja cujos objectos estendidos valem mal cerca de garrafas; mas que um Europeu apresenta-se, imediatamente elabora-se um pálido velho que, na sombra deste preto reduzido, parecia dormitar. Mostra sem estar a cansar-se todas as mercadorias, e se o viajante, que não encontra nada ao seu gosto, retira-se, o Judeu para-o pelo braço, fecha os olhos e levanta um dedo no ar, como para dizer: Chut, calam! Um homem silencioso sai de um antro escuro e vem sentar-se ao lugar do velho. Este dirige-os, efetua-os, por pistas e sombrias passagens, distante do bairro comercial. O chegado na frente de uma pobre casa, Judeu golpeia de maneira convinda; faz-se deslizar uma janelinha com precaução, a porta abre-se, está numa câmara baixa e sombria, na frente de uma mesa encarregada de instrumentos de aço, parcelas de dinheiro, de ouro em anéis, em pequenos lingotes que brilham sob vidros; num canto, perto de carvões acendidos, são caçarolas, fornalhas grosseiras; o guia deixa-vos para vigia a criança que abriu a porta; retorna cedo, e apresenta aos vossos olhos deslumbrados todas as maravilhosas jóias que colocava em sonho sobre o frente das sultanas. Onde fica este sórdido velho cujo bojo esconde tanto riquezas? Todos ignoram-o na cidade. A nossa conversa foi interrompida pelo toque de um pequeno pedaço de madeiras sobre as cordas de um bandolim. Um dos filhos do mercador, acocorado sobre os seus tacões, jogava o prelúdio de um ar selvagem que me pareceu cheio de harmonia logo que a sua mais jovem irmã, as mãos cruzadas sobre o seu seio, começasse a cantar de uma voz suave das palavras desconhecidas. Era uma oração, era um destes bonitos cânticos, lembranças do cativeiro? Ignoro-o; mas quer disposição de espírito, quer lamentação da pátria ausente, nunca acentos mais melancólicos assim tinham-me falado de exílio e vagas dores. Quando as últimas notas ressoaram, o meu entusiasmo traduziu-se em aplausos assim ruidosos, que intimidaram a bonita cantora, que desapareceu imediatamente. Deixamos então o Israelita, que pediu a permissão visitar a fragata: houve-se o dia seguinte com umas umas gordas provisões de mercadorias, e a bolsa dos nossos camaradas pagou largamente a hospitalidade que tivéssemos recebido.

O dia terminava: era tempos de retirar-se, se não quiséssemos permanecer na cidade, cujas portas fecham-se à deitar do sol. Dirigindo-nos à pressa do lado da campanha onde ficam perto do mar os cônsuis da Europa, observei, escondidos areia das ruas, enormes bolas de pedra, uns quebrados, os os outros intactos; a terra era juncada. Onde vêm estes bou1ets? É os projécteis lançados sobre a cidade? É muito provável. Bem antes da grande sede de Rodes, os Turcos tinham já uma artilharia formidável, e nas suas guerras contra o famoso Scanderbeg vê-o-se servir-se de canhões gigantescos. Conservam ainda aos Dardanelles, o castelo de Pouillerie, ao Smyrne, e muitos oficiais de marinha introduziram-se facilmente estes em abismos de bronze destinados a fazer mais barulho que de mal. Mas porque estas bolas permaneceram ao mesmo lugar onde desde mais de três cem anos parou-se o seu último salto? É uma nova prova dívida vaidade oriental que se agrada a deixar muito tempo como testemunhos da sua vitória dos panos de muros destruídos e os crânios secados que o vento equilibra sobre pretos os mercados do serralho? Não seria antes um efeito desta magnífica indolência que impede o Turco de nada alterar aos lugares dos quais torna-se mestre? Esta última hipótese poderia o mais exatamente possível bem-estar, porque, saberíamos demasiado repeti-lo, todo permaneceu de pé à Rodes: desde o dia onde o grande-soberano, com os seus irmãos, abandonou a ilha, o Turco demuliu nada, nada elevado; veio de sentar-se sobre os seus tapetes com a sua pipa que fuma desde séculos, e que fumará impassível sobre as ruínas do mundo.

Saímos da cidade por uma porta que dá sobre o pequeno porto; uma torre ronda e maciça defende a entrada. Foi enquanto que o colosso de Rodes nós retornou em memória: O Sr. Drovetti assegurou-nos que esta maravilha do mundo devia ser no grande porto entre dois bastiões que mostrou-nos. Esta opinião não satisfazia nenhum de nós, e, a tradição que não tem deixado nada certos a esse respeito, ficamos muito convencidos único o gigante tínhamos devido ser elevados sobre os balanços, muito aproximados um dos outro, que obstruem a entrada da segunda bacia. As embarcações antigas, que passavam, diz, entre as pernas da estátua, deviam ser extremamente de pequenas dimensões. Muito provavelmente o sacolève grego e as estreias galères venezianos, estreitos, ligeiros, com a ponta acerada e a vela facilmente coletada, dão-nos a imagem fiel, embarcações da antiguidade. Ultimamente, à Pompéia, examinando bas-reliefs de um túmulo, sobre qual lia-se esta com referência inscrição: Servilia amico animoe, vivo esculpido a alegoria que mostra a morte assim como o porto tranquilo onde descansa-se após a travessia da vida. Era um navio que lança a âncora perto da margem; a vela carguée, e os marinheiros apertavam-o: este barco tinha uma semelhança impressionante com o sacolève do Arquipélago. É por conseguinte bastante natural trazer os trirèmes às modestas proporções das construções cujos frescos e esculturas de Roma oferecem-nos o modelo.

O Sr. Drovetti, conduzindo-nos em ele, fez-nos contornar a ponta de areia branca que forma a extremidade da ilha para o leste. Sobre esta língua de terra estéril cria-se um espesso ramo de palmas que cobrem o túmulo venerado de um santon. Perto do santo muçulmano são protegidos os sepulcros do Pachas que a Porta exilava-se anteriormente à Rodes, quando não pedia a sua cabeça. Ligeiramente começa mais distante o bairro honesto, habitado por cerca de famílias de origem europeia, cônsuis, pacientes das diferentes escalas que vêm respirar o ar mais puro qualquer Levant, e por último por Gregos marinheiros, cabaretiers, população variável e sempre movimento. Outros Gregos, espalhados na ilha, cultivam as terras que alugam-lhes os Turcos e os Judeus. Firman da grande-senhor proibição aos cristãos o direito de comprar propriedades no império; às vezes os cristãos subtraem-se à esta defesa fazendo comprar pelas suas mulheres, consideradas como riscaram ou escravos, os bens que querem adquirir. É graças à este estratagema que os Francos chegam a possuir na Turquia casas de campanha. O Judeu, olhado pelos Turcos como um animal domestica, é livrado desta lei, que tem sido renovada recentemente pelo divã. Esta medida parece primeiro selvagem e impolítico, dado que impede ricos estrangeiros estabelecer-se em campos abandonados que fariam reviver; é contudo apenas a consequência natural do despovoamento e a miséria profunda onde são mergulhadas todas as províncias do império. A maior parte dos Turcos deseja vender as suas terras de três e quatro milhas de extensão que não sabem e não podem cultivar: que os cristãos obtêm a liberdade de adquirir, e sem abalos, sem perturbações, a superfície deste magnífico país será transformados, o sangue jovem e ativo da Europa afluirá nas veias deste paralítico, que espera para levantar-se apenas ser-lo estrábico do dedo de Deus; mas então também a população muçulmana desaparecerá enterrada sob a invasão cristã.

Os Gregos de Rodes, como todos os da Turquia, têm uma existência muito suave, e contudo, quer recordar da sua antiga glória, quer de antes turbulência natural, as ilhas apenas suportam com impaciência a dominação da sultão. Colocaram a sua esperança no reino da Grécia, sem estar a pensar que esta liberdade que chamam encarre-o-gado imediatamente de pesados impostos, o serviço de terra e de mar, e reti-lhes -rado a tranquilidade da qual gozam sob o regime turco. À Deus agrada apenas nós condenavam nos Gregos de Oriente este sentimento da independência, se dever excitar-o vencer ou perecer como os seus irmãos de Hydra e de Missolonghi, e se, a sua emissão realizada, não se tiverem pena de sacrifícios que deve provocar! Contudo, quando vê-se estes felizes escravos, mutáveis, cúpidos, indisciplinados, inimigos de qualquer que fere os seus hábitos, incapazes de afeições e de devoções duradouras, comparando incessantemente os dias passados ao tempo presente, não se pode impedir-se temer que uma vez livre também no deserto, lamentem os frutos das matérias férteis planícies do Egipto.

É no bairro habitado pelos Gregos nas cidades de Oriente que encontram-se as tabernas, cujas salas são frequentemente manchados de sangue por assassinatos, sequências das rixas e a embriaguez. É lá apenas também que vela a polícia turca, representada por um gordo cadi que fuma, sentada num canto e cercado de cerca de Albaneses maltrapilhos. Perto do mar passeiam-se a noite bonitos os Gregos de Ionie e das ilhas voluptuosos que enviavam à Atenas estes cortesãs para os quais Périclès chorava na frente do aréopage. Numerosas canoas, onde criam-se cantos e acordos de guitarra, derivam sobre as ondas adormecidas; danças formam-se sobre a praia, todo é tumulto, amor, agitação, tempo os cães urram no bairro turco, enterrado até ao dia mais profundo no silêncio.

A noite tinha vindo, era necessário voltar à bordo; deixando-nos, o Sr. Gandon propôs para o dia seguinte uma corrida velho ao Rodes, restos de uma cidade antiga, diz-nos, bonitos dias da Grécia. Estas ruínas são situadas à quatro milhas no interior da ilha. O Sr. Gandon recomendou-nos levar chapéus de palha, e munir-nos de uma pequena garrafa para a viagem. Ao ponto do dia a sua casa era sitiada, toda a população grega gritava e gesticulava na rua, os motoristas de mulos disputavam-se para o salário; servindo colocavam tapetes sobre as albardas das montagens; por último, à força de promessas e ameaças, a ordem restabelece-se, cada um içou-se sobre o seu animal, e a nossa caravana saiu da cidade, precedida de guias que mostravam o caminho.

Vínhamos comprometer-se num duro caminho que girava o flanco de uma montanha quase suspendida sobre o mar, quando um cão lançou-se sobre mim; prendi-lhe com correias um golpe de chicote. Demonio! gritou-me de trás uma voz estentóreo; voltei-me, e apercebido gorda uma monge vestido de um hábito cinzento à largo capuz, a cabeça penteada de um chapéu à três chifres, uma carnívora sobre o ombro, uma pêra à pó sob o braço esquerdo, o saco à chumbo passado na sua cintura de corda, e um canardière à mão.

- Per Bacco! gritou-se, onde vai, o meu pai, assim em bonita tripulação? O reverendo pôs o seu fuzil em face, piscou do olho, e sorri olhando-me. Apresentei a minha garrafa à monge, que tomou-o com calma, e tornou-me -o um momento após, vazio e o gargalo invertido; Seguidamente deu-me a sua bênção, assobiou o seu cão, e desapareceu na montanha. - Qual é este cupão religioso? pediu ao Sr. Gandon. - É, respondeu-me, uma monge italiana estabelecida à Rodes por muito tempo. Outro irmão e toma-lhe cuidado de uma pequena capela católica onde, na época das grandes festas, um padre austríaco das ilhas vizinhas vem celebrar a missa. Este dois religiosos; pobres como Trabalho, vivem da caridade dos cristãos e a caça de irmão Paolo, que a partir da manhã vaguea nas urzes; é conhecido por toda a parte, cada um faz-lhe bom rosto, e preenche de boa vontade vastos os bolsos do seu hábito. - Não tem por conseguinte padres que ficam à Rodes? Não, fazem apenas passar, às vezes um, às vezes o outro; baptizam, confessam, dão o comunhão, seguidamente partem novamente.

Estas palavras fizeram-me fazer um triste regresso para o passado. Anteriormente, sob o reino de Louis XIV, a França era a rainha das nações cristãs em Oriente; todas as ilhas tinham padres franceses. A revolução tem muito varrido. Mantendo os lazaristes reconstroem os nossos antigos mosteiros; mas outras potências disputam hoje a influência religiosa à França, que compreende ligeiramente atrasado quanto a ação do clero poderia ser-lhe útil em Oriente. Sem estar a falar da Inglaterra nem da Rússia, cuja insaciável ambição esconde-se apenas, a Áustria, mais cauteleuse, trabalha na sombra reunir em redor de ela os diferentes comunhões católicos do Oriente. Prossegue silenciosamente a sua obra sem estar a fazer desfile, como a França, da mais menor medida útil, e sem estar a ser obstruída pelos espíritos superficiais que professam uma desconfiança sistemática contra a religião. A Áustria é demasiado hábil para tentar uma propaganda romana no meio de Gregos cujo despeito obstiné para os Latinos é-lhe conhecido; satisfaz-se de enviar nas ilhas e na Ásia dos padres que apoia generosamente. Os pobres eclesiásticos franceses pelo contrário são esquecidos demasiado frequentemente. Procura-se evidentemente remediar à este deplorável estado de coisas mas permanece ainda muito fazer para reatar em Levant as antiguidades tradições francesas. Sem razão ou à razão, o nosso país é olhado agora, pelas populações cristãs de Oriente como a potência mais desprovida de sentimentos religiosos. Este espírito irréligion e de exagerção política que acusa-nos-se é a escolho onde vem frequentemente encalhar a propaganda das sãs ideias francesas no estrangeiro, e é ainda a causa que retem povos levados de resto a seguir o impulso da nossa civilização. Os outros estados europeus não temem de tornar-se ridículos proclamando-se os defensores da sua fé; entram na estrada que a França não teria devido deixar. Os Russos cismáticos chamam à eles os Gregos, a Áustria católica adere os católicos dispersados, a Inglaterra por último vem enviar um bispo e missionários protestantes à Jerusalém. Não há lá para nós um exemplo e uma lição?

Seguíamos um caminho penoso praticado entre enormes blocos de balanços suspendidos sobre as nossas cabeças; na frente de nós branqueava o mar ainda encarregado dos vapores da manhã; cedo as tonalidades vivas do dia nascente montaram no céu e dissiparam a bruma; o Sporades saiu das ondas assim como os ninhos de hortaliça, e o canal Samos traçou uma barreira étincelante entre Nycère e a costa da Ásia. Os vales de Rodes, perdidos até então sombria numa obscuridade, abriram-se à luz e mostraram as suas profundidades, os seus rodeios e as suas florestas. Ruínas pareceram distante sobre os cabos magricelas; velhas torres feudais cercados de palmas coroaram as alturas, e quando chegamos à cimeira da montanha, um sol esplêndido iluminava esta magnífica paisagem.

O médico da fragata, que examinava desde cerca de tempos os balanços dispersos em redor de ele, fez-nos então observar que estas pedras eram apenas um montão de mariscos marinhos incrustados numa areia fina. Nenhum tentou-nos explicar este fenómeno à maneira expeditiva de Voltaire, que, na frente das provas evidentes da passagem das águas sobre as cristas Auvergne, assegura único milhares de peregrinos se encontrou sobre estas alturas, onde deixaram as suas cascas. Cada um tornou-se ao testemunho dos olhos e tocar, e confessou que o mar tivesse devido cobrir esta montanha em um destes cataclismos do qual as tradições dos povos guardaram a lembrança. Aquando das terríveis convulsões que precederam a formação completa do globo, o fogo contido na seus entranhas procurou violentamente saídas. Em certas lugares, abriu-se de largos vomitoires: noutro lugar, quer que a resistência era mais viva, quer que o fogo teve menos energia, este-o escondido não fez único levantar-se em montanhas; mas haver lugares onde a luta foi mais terrível, onde o solo é rachado e rasgado como à prazer. Assim, no arquipélago grego, estreitos canais separam únicos de grandes ilhas. O Mar Mediterrâneo deve ser apenas a imensa cratera de um vulcão que forças ocasionalmente encontra ainda para lançar cerca de balanços, como Délos e as suas irmãs na antiguidade, e hoje em dia esta ilha que saiu uma manhã dos mares de Sicília, desapareceu uma noite, e foi reencontrada pela sonda à quatro braças sob a água. Seja como for, que Rodes saltou de um golpe de tridente, ou que, de acordo com a crença cristã, foi submergida como o resto do mundo no dilúvio universal, é indubitável que à uma época recuada as vagas rolaram sobre os balanços da ilha. Quando o tamanco do mulo ressoa sobre estes blocos de formação assim esquisita, entre as gargantas deste pavoroso se caminho suspendido sobre o abismo, não se pode sem estar a bulir levantar os olhos para estas massas rochosas que parecem perto se desabar mais menor ao choque. Também o viajante respira à vontade logo que, inclinado sobre as orelhas da sua montagem, desce para a planície em flores que se estende na frente de ele como uma terra prometida.

Um tempo de galope sobre a praia conduziu-nos num vale que conserva vestígios antiga de uma estrada traçada pelos cavaleiros. À extremidade de uma meia hora de degrau, vimos aparecer através das árvores as torretas de um solar feudal, com o seu escudo mutilado ao portal. Turco, senhor do lugar, vivia um único neste castelo degradado, cujo fez-nos ver as salas, inteiramente démeublées. Sobre o pavimento apodrecido secavam cebolas, abóboras e pepinos; o homenzinho convidou os visitantes a provar. Dois maus capote estendidos num canto serviam-lhe de cama. Quando um de nós parava-se na frente de cerca de esculturas, o Turco aproximava-se imediatamente, e o opaco da mão, levantava a cabeça, fechava os olhos, seguidamente fazia devagar bater a sua língua, pantomina suprema por meio da qual qualquer muçulmano tira-se de negócio nas ocasiões difíceis.

Após ter bebido um pouco de água e ter fumado a pipa da hospitalidade, deixamos este pobre solitários para continuar a nossa viagem através de uma campanha fértil, plantada de palmas e tamareiras. Antigos solares criavam-se todas as nas direções; a maior parte parecia abandonada; cerca, a planície era coberta de murtas, louros e oliveiras entrelaçadas como serpentes. Outros castelos, habitados por Francos ou famílias gregas, apresentavam-se cercados de grandes vinhas, à sombra das quais jogavam crianças. A estrada serpenteava entre duas sebes de amoras selvagens, de figueiras e de cactos; a água murmurava em aquedutos e desabafava-se em coberturas de dinheiro nas lugares onde o canal era quebrado. Às vezes na cama de uma torrente secada era necessário traçar-se uma passagem entre os louros recortar; às vezes pequenos campos cultivados, onde precipitavam-se ninhadas de pássaros saqueadores, traziam-nos perto do mar; seguidamente o caminho mergulhava-se de novo abruptamente no interior no meio das madeiras, as flores e mais rico a natureza. Se o aspecto da cidade tivesse-me surpreendido, se esta grande ruína gótico protegida das palmas da Síria, sob um céu de azul-, no meio do Arquipélago, tivesse apresentado ao meu espírito a mistura das lembranças da Idade $média e que riem a mitologia grega, a nossa excursão nas terras pareceu-me a realização mágica dos cantos do Arioste, que coloca os seus castels sobre margens encantadas.

É necessário ser viajante, exilado do seu país, para efectivamente compreender o encanto melancólico que se apreende da alma, quando, sob um céu estrangeiro, na frente de uma vegetação desconhecida, encontra de repente velhos restos que vos falam dos vossos pais e desta glória francesa transplantada por toda a parte. Todos os lugares onde o espírito guerreiro da Europa deixou vestígios da sua passagem, o povo que domina todos os outro, o ao qual o pastor, o chamelier, o cicérone, atribuem as partes superiores feitas de armas e a ocupação das fortalezas sobre as cristas selvagens, é o povo francês, que terminou por dar pelo seu nome às populações espalhadas em Oriente. Vão à Grécia, falar-vos -á-se de cavaleiros honestos, duques de Atenas e de Corinto; forcem os Dardanelles. verá no serralho o trono Baudouin, imperador de Constantinopla; feitos a peregrinação de Jerusalém, uma monge descrever-vos -á o campo de Godefroy de Caldo, cuja espora calçará de ouro sobre a pedra do santo sepulcro; vão no deserto, o Árabe dir-vos -á Ptolémaïs, São João de Acre; passem no Egipto, o último dos mamelucks contar-vos -á a grande conquista francesa; sigam por último a nossa louco caravana nos vales de Rodes, e sobre cada portal de solar, sobre o ladrilho mesmo dos castelos arruinados, por toda a parte verá o escudo da França e lerá as suas velhas divisas. Sei efectivamente que esta longa corrida através do mundo não não alargou as nossas fronteiras: assemelhou-se à passagem de uma torrente que ultrapassa e retorna na sua cama; mas as crianças, as jovens mulheres, os velhos, não encantam menos a história do povo francês como um poema maravilhoso. Por toda a parte este grande cavaleiro errant golpeou do seu machado de armas os muralhas das cidades, por toda a parte descansou-se ao bordo dos lagos, venceu os gigantes; único deleita-lhe o coração das bonitas sultanas, que, por amor, se fazem cristão; com ele medem-se mais famosos os guerreiros; é ele único que nos ferros, sobre as margens do Nilo, se mostra assim grande que os Trigos mouriscos oferecem-lhe o turbante dos califas e dizem: Nunca não se viu o mais orgulhosa cristão! É ainda por último ele que lhes apareceu ontem, e que os dervixes prosternados chamaram a sultão de fogo.

Três horas após a nossa partida da cidade, a extremidade de uma planície de murtas e de urzes, as ruínas do velho Rodes pareceram à cimeira de uma montanha. Cada um lançou-se ao galope, mas o caminho que era necessário seguir ficou cedo assim duro, que preferimos lançar-se à partes inferiores dos nossos animais para escalar à pé a colina. Fiz parada à metade estrada perto de uma cabana de madeiras perdida na folha; dois jovens rapazes com um escravo preto cortavam piedosos na frente de um venerável Turco à longa barba que fumava a sua pipa acocorada sob uma árvore. Acima a minha cabeça, os meus companheiros tinham-se parado numa madeira sycomores e de pinhos; agrupados perto dos mulos sobre um balanço, faziam-me sinal acelerar-me e mostravam as garrafas e as provisões que retiravam de um cesto. Esta vista tornou-me a coragem, e após um último esforço cheguei em um destas solidões de que gostavam os eremitas: o céu, o mar, a água que murmura, a planície que foge no remoto, nada faltava à paisagem. Os nossos guias tinham estendido os tapetes perto de uma fonte que caía da montanha numa bacia de mármore; serviram-nos seguidamente o pão e a carne sobre largas folhas, mergulharam o vinho na água, e todos, apoiados os cotovelos de trás os mulos que agitavam as suas cabeças encarregadas de guizos, começamos alegremente a refeição.

No momento em que levava o meu vidro aos meus lábios, vivo avançar-se o Turco à barba branca perto que vinha passar; os seus dois filhos seguiam-no bem como o escravo, que levava fogo num potenciômetro de terra e xícaras à café num cesto. O bonito velho, sem estar a mostrar a mais menor hesitação, sentou-se sobre o meu tapete, pôs a mão sobre o seu coração, inclinou ligeiramente a cabeça e pronunciou lentamente cerca de palavras guturais que o Sr. Gandon nós traduziu assim: - É os bem-vindos sobre o meu domínio, e que Allah dá-vos a saúde! Todas as mãos colocaram imediatamente na frente do muçulmano pão, torta, das aves de capoeira, mas recusou; então apresentei-lhe o meu vidro dizendo: Bebam o vinho dos cristãos que torna coração o feliz e faz gostar das obras de Allah. Afastou devagar o meu braço e respondeu: - Devo jejuar até à noite, e o profeta defendeu o vinho que crê. - Dado que Deus pôs a vinha sobre a terra, não é de modo que o homem prove o sumo? - Deus, retomou o Turco com calma, colocou o racimo nos países da Europa, e não defendeu o vinho aos cristãos; mas em Oriente, em vez da vinha, Allah faz amadurecer as laranjas, os limões e as melancias, que são pequenas fontes de frescor sob o nosso sol de fogo; Allah não quis que tenhamos o vinho, fonte de calor para os vossos frios climas.

O velho encheu a sua pipa que esticou ao negro; este pôs um pequeno carvão sobre o tabaco, aspirou cerca de lufadas para acender-o, e, limpando a extremidade de ambarino com a sua mão, ofereceu-o ao seu mestre, que, após ter-o guardado cerca de momentos, apresentou-me -o em sinal de amizade. O escravo reuniu seguidamente pedras planas, cobriu-o de cinzas quentes e preparou o café, que os filhos do velho serviram-nos. Esta montanha arborizada, estes campos magníficos, os castels disseminação nas madeiras de oliveiras a que nós autoridades do olhar, pertenciam à este Turco. Devoto muçulmano, tinha apenas um desejo, as de ir ao Mecque com as suas crianças e poder ceindre o turbante verde, marca distintiva dos que realizaram a santa peregrinação. Propôs vender-nos este rico domínio para oito mil piastras, mais ou menos mil ecus. Este homem não plantava nada, não colhia, não trabalhava nunca. Acompanhamento das suas crianças, o verão montava sobre a colina e construia uma cabine sob despesas sombras perto de um riacho; as suas camas, como os da patriarca, alimentavam-no do produto da sua caça; quando as provisões faltavam, abatiam uma árvore; o escravo encarregava o seu burro e ia vender a madeira à cidade, onde trazia arroz, do tabaco e o café. As horas escaldantes do dia passavam-se no clímax da oração ou a contemplação do maravilhoso espetáculo que apresentam os vales silenciosos, o mar que se quebra à praia, e as ilhas agrupadas ao horizonte como navios surpreendidos pela calma. O inverno, desciam na planície e protegiam-se sob cerca de ruína feudal. Vendo-me deitado sobre tapetes na frente de desta solidão se rindo, assim embalsamada, perto de esta feliz família que ia, bem como uma ninhada, pôr-se, de acordo com as estações, sobre cada ramo em flores, pedi-me se este povo patriarcal não tivesse a sua melhor parte sobre a terra. A Europa, trabalhadora incansável, e o Oriente prosternado frente o seu Deus, recordava-me Marta e Marie; as duas irmãs do Evangelho, e contra a minha vontade surpreendia-me desejar estas existências calmas que é apenas uma aspiração contínua para as regiões misteriosas onde a alma deve perder-se numa felicidade sem mistura.

Permanecia-nos escalar um terço da montanha; mas quando foi necessário afastar-se despesas sombras da fonte, os meus companheiros não puderam decidir-se deixar lá a sua pipa, nem deixar o oásis de hortaliça que convidava-o ao sono; fecharam os olhos, desejaram-me bom viagem, e mim partidos único. Não havia nenhum caminho traçado; os meus pés embaraçavam-se nas amoras e os louros, do meio dos quais criavam-se ébéniers, cedros e figueiras, cujos pássaros disputavam-se os frutos. Ocasionalmente, apoiado contra um tronco de árvore, olhava de trás, e a paisagem que se desenvolvia dava-me forças; às vezes, nas pedras e os restos que os meus passos faziam rolar, procurava avidamente vestígios do génio grego. Penetrei por último velho no Rodes pela brecha de um muralha, tão cansado, mas quase também orgulhoso que o primeiro que houve assalto. Estava sobre uma bandeja coberta de panos de muros e de torres em ruínas; árvores cresciam entre estes de restos onde obstinava-me sempre a procurar vestígios da antiguidade. Cedo descobri charmante uma capela gótico quase toda de pé. Esta vista dissipou as minhas dúvidas: o velho Rodes não pertencia à Grécia, encontrava-me no meio de um edifício da Idade $média, mas cujas proporções e dependências eram bem diferentemente consideráveis que as graciosos dos castelos que tivéssemos visto sobre a estrada.

Fui sentar-me sobre a parte superior da capela, ao abrigo de uma figueira que tivesse furado a abóbada, e interroguei estas grandes pedras mutiladas. Não havia à enganar-se, esta altura fortificada perto do mar, com uma capela fechada nos muralhas, era um destes commanderies que os hospitalares tivessem multiplicado na Europa. Em redor estes de edifícios, que tinham ao mesmo tempo do mosteiro, a citadela e o castelo senhorial, agrupavam-se vassaux da ordem que cultiva as terras. À Rodes, os commanderies podiam ser apenas fortalezas que protegem as campanhas contra os Turcos que desembarcavam sobre a costa, devastavam o país à pressa e fujiam com o seu espólio: os cavaleiros gastavam de represálias, e sua galères, incessantemente em corrida, aproximavam-se de terra ao favor das trevas, lançavam a âncora basicamente das enseadas, e levavam a desolação todas as nas partes do império. Foram estas corridas terríveis dos cristãos sobre o litoral e até sob os muros de Constantinopla que determinaram Soliman a retirar Rodes ao hospitalares, que possuiam-o desde dois cem anos. Já Mahomet II tinha empurrado todas as forças muçulmanas contra os seus muralhas, único ponto do Oriente onde flutuava o estandarte da cruz. Perto de sucumbir, a ordem foi socorrida cavalheiresca pela Alma IV, Conde Savoie, que forçou os Turcos a levantar a sede. Desde este tempo, Alma tomou as armas de Rodes com estas quatro cartas para divisa: F.E.R.T. Fortitudine ejus Rhodum tenuit.

Atrasado, quando Soliman enviou os seus janissaires e o seu Pachas com a ordem de trazer ao serralho as chaves da cidade ou as suas cabeças condenadas, a Europa permaneceu surda ao grito sublime da agonia do hospitalares; impotentemente os irmãos percorreram os reinos, impotentemente as poetas cantaram nos cursos galantes na frente das senhoras e o nobre, os episódios de este Iliade cristão; os dias de fé e de cavalheirismo não eram mais: a Inglaterra ficava protestante; François 1 e Charles-Quint disputava-se a Itália; o papa tinha o capacete em cabeça; a ordem abandonada sucumbiu e foi-se enlanguescer à Malta até ao dia onde abandonado outra vez, foi caçado do seu último refúgio pela Inglaterra, que pôde inscrever na frente do palácio de Lavalette esta inscrição duas vezes mentiroso: Esta ilha foi dada à invencível Inglaterra pela Europa grata.

Nada perturbava meu sonhar. O calor era excessivo: as ilhas, os balanços da Anatólia nadavam em vapores ardentes, nenhuma respiração passava no ar embrasé; era a hora do meio do dia onde neste país inundado de luz o sol faz enlanguescer esta-o escondido, o homem, as flores, os animais, e até à vaga que expira à margem. Era único, os olhares unidos sobre o mar da Síria, azul muito inteiro como a vasta cúpula do céu; nenhuma nuvem flutuava no espaço, nenhuma vela parecia ao horizonte; a onda e o éter, oceanos rivais, livres como ao primeiro dia, estendiam-se na imensidade. Para o oeste, uma sombra cobria as ondas, a sombra do monte IDA; à lastro cintilava Chipre; na frente de mim fujia a cadeia do Taurus com as suas coberturas cobertas de neves eternas, e ali, por último, se tivesse tido asas, mim teria estado pouco horas descansar-me sob os cedros do Líbano. Que grandes lembranças, de reinos destruídos pressionavam-se em redor de mim: a Ásia, a antiga Grécia, Roma, Bizâncio, Veneza! Mais perto de mim, descobria a cidade de Rodes, e esta Torre dos Cavaleiros cujos mercados parecem reclamar velho étendard que guardaram os últimos. Apenas surpreende-se-se se pensar então com cerca de lamentação à destruição destas ordens monásticos e militares fundadas anteriormente para fazer a guerra aos islamitas, e destruídas sem ter estado a poder estado de conciliar a sua missão com as exigências de um outro tempo. A polícia dos mares, que levanta demasiado frequentemente irritantes debates entre as potências marítimas, não teria sido colocada bem entre as mãos de uma ordem que, como o de Rodes, escapava à influência de um estado qualquer recebendo no seu seio cavaleiros de todas as nações? Quais serviços não tornariam à Europa um posto da guarda ativo e désintéressée, que poria a sua glória a defender a segurança dos mares? Hoje o Mar Mediterrâneo, o Oceano, é coberto de citadelas flutuantes na frente das quais fogem écumeurs de mar; mas os navios franceses, ingleses, americanos, não têm e não podem ter a missão especial de prosseguir-o. Cada estado, durante a paz, envia as suas embarcações proteger os seus cidadãos em país estrangeiro, iniciar tratados de comércio, percorrer as suas pescarias e os seus balcões e dar socorros às construções comerciais; é necessário que uma ofensa específica foi feita ao pavilhão de uma potência de modo que o navio de guerra abandone a sua estação. Procura então através das solidões do Oceano o pirata, que escapa-lhe quase sempre, porque o oficial apenas um tempo limitou para o seu cruzeiro e que negócios mais graves, negociações começadas, perturbações nos lugares demasiado abruptamente abandonados, recorda-o imperiosamente ao ponto de estação. Uma marinha fundada no objectivo especial de proteger, contra os escravos e forbans, os interesses comuns das nações, não poderia assegurar mais completamente a segurança dos mares?

Após ter sonhado para Rodes o regresso de um glorioso passado, mim pus adiar o meu pensamento sem tristeza sobre o estado atual desta ilha, anteriormente assim perfeito. Os cavaleiros tinham feito o porto de Rodes o seu arsenal marítimo. Lá criavam-se vastos os ateliers dos galères e os hangares modestos dos navios comerciais, que sob a égide da religião se entregavam a um comércio muito vasto. Após a conquista, os Turcos, apoiados ainda pelo espírito fanático e guerrier que fez muito tempo a sua força, utilizaram as bonitas florestas de carvalhos e de pinhos que cobriam as montanhas da ilha. Galères construídos à Rodes foram engrossar as frotas muçulmanas, ou saíram em corrida contra os cristãos. A população grega própria aproveitou primeiro dos recursos imensos que oferecia a exploração deste prodigioso império, então em qualquer seu esplendor. Os dócis ao seu génio nacional, que desde não se desmentiu, Gregos tornaram-se os fatores da Ásia, das cidades da Síria e do Egipto; as suas pequenas construções cobriram o Arquipélago, e ao mesmo tempo que preenchiam-se o Pireu e os outros portos da Grécia apresentada, os sacolèves chegavam em multidão à Rodes, que se tornou como o armazém das diferentes escalas Levant.

Fora de esta navegação geral que procurava grandes benefícios aos armadores, as principais exportações de Rodes consistiam a partir-na hora em vinhos do país, em madeiras de construção. _ as laranja, os limão, os figo, as amêndoa, qualquer este todos os fruto que antiguidade ir procurar Rodes, e que ser sempre rebatizar, ser expedir Smyrne, Beirute, por toda a parte onde afluir veneziano. Ricos Turcos, Pachas exilados, alugavam as suas terras aos agricultores gregos, que vendiam à cidade os grãos que os seus compatriotas sabiam dirigir para as regiões onde a escassez fazia-se sentir. Mantendo todo é alterado, e não se saberia estabelecer por números o resultado de um comércio que se revela em nenhuma parte. O porto militar é désert, as vagas vêm morrer ao longo das greves sobre as quais não permanece mais vestígios de ateliers; as areias áridas estendem-se ao pé dos muralhas; cerca de barcos de pescadores soprados sobre a praia, as suas redes estendidas ao sol, dos marinheiros deitados à sombra bordages, um silêncio eterno este silêncio de morte qu pesa sobre toda a Turquia: tal é o aspecto deste lugar assim animado anteriormente, e que ressoaria cedo dos gritos dos Marín, se um governo inteligente pudesse pôr à lucro os elementos de prosperidade deste bonito país.

Se não haja nada a dizer do comércio atual de Rodes, pode-se ignorar pelo menos os recursos apenas presente esta terra fértil, da qual as colheitas, anteriormente assim abundantes, não se é suficiente mais alimentar vinte e cinco mil habitantes. Às produções mais importantes são os vinhos. Embora precisamente considerados, não dão contudo lugar à exportações consideráveis. Os vinhos Levant são suaves ou capitosos, e não podem servir ao uso comum dos Francos; o de Rodes único, mitigado com a água como os da França, substituiria avantajadamente, sobretudo pelo preço, os vinhos da Europa. A vinha cresce sem esforços e não exige único um ligeiro trabalho; mas se for cultivada melhor, e se aos princípios mais simples da fabricação forem conhecidos ignorants vendangeurs, Rodes forneceria vinhos preciosos, tão procurados que os seus frutos saborosos, que neste momento são os únicos mais ou menos produtos enviados pela ilha sobre as costas vizinhas.

Ocasionalmente chega um navio que vem procurar madeiras de construção para o arsenal de Constantinopla. Então o governador aluga Gregos que vão abater sem escolhas no interior as árvores ainda de pé; mas como os Turcos não prevêem nada e nunca no futuro pensam, ninguém não supervisiona os trabalhadores, que devastam as colinas charmantes cujos carvalhos e abetos teriam um valor incalculável para as pequenas marinhas do Sporades e Cyclades, onde o solo é desflorestado completamente.

A ilha é preenchida de oliveiras, árvores à mástique e de terebintina; os seus vales profundos, as vertentes das montanhas, são cobertos destes arbustos de que a ausência do mestre ou a sua pobreza impedem tratar. Cerca de Gregos possuem grosseiras prensas onde lançam pá-misturar as azeitonas boas e desvanecidas que pilham, como os pássaros, nos campos abandonados. O óleo espesso é consumido pelos habitantes, e não sai apenas de Rodes. Todas as ilhas, todas as margens de Oriente possuem assim florestas de oliveiras, que crescem e morrem aleatoriamente nas campanhas despovoadas. O mástique serve principalmente a perfumar um licor extremamente agradável ao qual dá o seu nome, e que os Gregos e os judeus entregam aos Turcos.

Em resumo, as exportações de Rodes consistem em madeiras de construção, frutos secos, azeitonas, de esponjas extremamente bonitos, que se encontram ao redor a ilha. As importações reduzem-se aos grãos necessários para a população, que não sabe tirar do seu território o trigo e o milho, que haver com facilidade. Um cerca de trinta de barcos é suficiente à este comércio: os Gregos únicos navegam, vão e vêm, partem com cerca de caixas e trazem um fraco carregamento de grãos; mas estes barcos que saem tristemente do porto e que retornam encalhar-se sobre as areias não podem chamar-se uma marinha, este trocados miseráveis feitos por marinheiros ladrões não saberiam usurpar o nome de operações comerciais. Não permanece nada à Rodes da potência da ilha afortunada que, com os seus galères, se opunha aos sucessores Alexandre e os bárbaros; não tem mais vestígios desta prosperidade de dois séculos que se protegia sob o orgulhoso estandarte da cruz. A ilha é agora apenas um savana magnífico onde a natureza verte em liberdade todos os tesouros de uma selvagem vegetação que o homem vem nunca nem dirigir nem forçar; pálida na lâmpada que vela durante a noite sobre a torre dos Árabes, os navegadores não vêem hoje que um ponto de reconhecimento para evitar esta terra onde por muito tempo germinam apenas flores inúteis. Contudo os barcos à vapor austríacos que vão Smyrne à Beirute fazem agora escala à Rodes, e vários navios comerciais haver a sua quarentena antes de tornar-se no Norte. Talvez esta nova navegação dará mais movimento à ilha, talvez os passageiros, os viajantes dos navios, os capitães de construções, encontrará a vender e comprar neste porto silencioso. É necessário esperar-o; mas um abalo violento poder único tirar esta ilha da letargia profunda onde é mergulhada, como todo o império.

Grandes gritos arrancaram-me à minha contemplação e recordaram-me para os meus companheiros de viagem. Estava atrasado, e da parte superior da montanha vimos o sol apagar-se nas ondas; o Sporades pareceu danificar-se com ele, os vales escureceram-se, e a noite caiu suavemente, trazendo com ela uma calma profunda. O dia seguinte, a fragata a Pérola estava sob velas para Atenas.


(1) a ordem de Rodes era dividida em oito línguas, que tinham cada uma um chefe ou pilar nomeado synode assembleia estes pilares, o grande-soberano à sua cabeça, formada elevados os dignitários de São João. Eis os nomes das diferentes línguas com a carga do seu pilar, cujas atribuições eram hereditárias em cada língua: Provença; o pilar era grande-commandeur da ordem. - Auvergne: o seu pilar tinha o título de grande-marechal e encomendava os bandos de terra. - França: o pilar era grande-hospitalar, encarregado dos hospitais. Nos primeiros tempos, quando as funções dos irmãos limitavam-se aliviar os pacientes e os peregrinos, título de grande-hospitalar era mais santa e mais nobre. - Itália: o pilar desta língua era grande-almirante dos galères; encomendava o porto, formava os chiourmes e montava a frota nas expedições importantes. - Arragon; o pilar era conservador ou mercador de panos; tomava cuidado dos vestuários. Na sequência, foi encarregado das armas e os arsenais. - Alemanha: o pilar era bailli ou grande-justicier. - Castela: o seu pilar tinha os selos da religião e levava o título de grande-chanceler. Os cavaleiros portugueses pertenciam à esta língua, e aquilo explica porque o Português André Amaral tinha podido ser nomeado pilar de Castela. - Inglaterra: o pilar tomava o nome de grand-turcopolier ou comandante da cavalaria. Após a cisão religiosa entre a igreja da Inglaterra e o comunhão romano sob Henri VIII, esta língua foi riscada do quadro, e nobre os ingleses católicos que vieram ainda cruzar-se tiveram escolha da sua incorporação.

Outros assuntosOutros assuntos

Filiação do assunto
Assuntos mais detalhados
Assuntos próximos
A história de Rodes na Antiguidade
A história de Rodes no Império bizantino
A história de Rodes ao tempo dos Cavaleiros
A história de Rodes sob o jugo ottoman
A história moderna de Rodes
Rodes na literatura
Assuntos mais largos
Página inicial
Mapa interativo da Rodes
Informações turísticas sobre Rodes
A geografia de Rodes
A história de Rodes
A cidade de Rodes, Rodes
A costa ocidental de Rodes
A costa oriental de Rodes
A costa meridional de Rodes
A flora e a fauna de Rodes
Assunto precedente ] [ Assunto ascendente ]
Recomendar esta página :
Recomendar este sítio :
Busca personalizada
Se atingir este quadro diretamente, clicar nesta ligação para revelar os menus.