AlbâniaAlemanhaInglaterraArméniaPaís bascoBielorússiaBulgáriaCatalunhaCroáciaDinamarcaEspanhaEstóniaFinlândiaFrançaGalizaPaís de GalesGeórgiaGréciaHungriaIrlandaIslândiaItáliaImpério romanoLetóniaLituâniaMacedóniaMaltaNoruegaPaíses BaixosPolóniaPortugalRoméniaRússiaSérviaEslováquiaEslovéniaSuéciaChéquiaUcrânia
Se atingir este quadro diretamente, clicar nesta ligação para revelar os menus.
Busca personalizada

As fortificações de Rodes

[Assunto precedente] [Assunto ascendente] [Página inicial] [Grécia] [Via Gallica]
Rubricas[Fotos] [Apresentação] [Localização] [Visitas] [Cultura] [Informações práticas] [Outros assuntos]Página editada

FotografiasFotografias

As fortificações de Rodes vistas desde o porto. Clicar para ampliar a imagem.Uma porta das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.A Porta Amboise das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.

ApresentaçãoApresentação

Apresentação geralGeneralidades
As fortificações de Rodes vistas do céu. Clicar para ampliar a imagem.Os Cavaleiros, após a sua instalação à Rodes em 1306, completaram as fortificações bizantinas existentes, quase inalteradas desde séculos: um muralha de 8 à 10 m de parte superior para uma espessura de cerca de 2 m, que era suficiente para afastar um exército de sede. Torres elevados colocados ao longo dos muros permitia efectivamente observar os arredores.

SituaçãoSituação

Mapa das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.

VisitasVisitas

As fortificações de Rodes
Bandeira de aproximadamente MaltaBandeira de aproximadamente Malta
O canhão Saint-Gilles de Rodes, derretido por volta de 1507. Clicar para ampliar a imagem.A fortificação da cidade de Rodes foi baseada nos métodos tradicionais de construção dos Cavaleiros de Saint-Jean-d' Acre, tendo conta da criação e a utilização de armas à ponta da arte militar. Durante estes dois cem anos de presença dos Cavaleiros, a evolução das técnicas guerreiro, o emprego da pó e o advento das armas à fogos dão forma às fortificações. A fortificação beneficia de toda a panóplia da época em matéria de arquitectura militar: embrasures para a artilharia, canonnières embutidos, bastiões éperon, et cetera. um duplo fosso, entre a torre da Espanha e a porta de Koskinou, reforça ainda fortifications.

O sistema de defesa tornou-se muito complexo, compreendendo onze portas fortemente fortificadas com chicanas complexas e ponte levadiça, de numerosos bastiões maciços, e as cortinas com ameias, às vezes duplas ou triplos, protegidas por largos fossos. O conjunto é fornecido inúmeros mortíferos, de aberturas e bocas à canhão cujos ângulos de TIR cruzados, sabiamente calculados, permitiam proibir aos assaltantes eventuais qualquer abordagem dos muralhas pelos fossos.

O conjunto do recinto fortificado forma um retângulo de 800 de cada 1000 m para um perímetro de 4 Km.

As fortificações de Rodes dispunha de poucas portas devido à situação da cidade à extremidade do norte da ilha, e porque o resto da ilha era povoado ligeiramente. Três portas satisfaziam às necessidades essenciais: a Porta Santa Catarina que dava acessos ao porto de comércio da cidade; a Porta São João que era o ponto de chegada da estrada que ligar Rodes àLindos e às aldeias da costa é; a Porta Amboise que dava acessos à costa ocidental. Três portas menores acrescentavam-se: a Porta Santo-Atanásio sobre o lado do sul dos muralhas foi fechada durante séculos; a Porta dos Moinhos que dava diretamente acessos aos moinhos situados no porto; a Porta São Paulo que dava acessos ao porto de Mandraki.

Leve Canhões das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.A arquitectura das portas da cidade é de inspiração gótico provençal, recordando a de Villeneuve-lès-Avignon.

As fortificações de Rodes podem ser classificadas em três grupos:

  • as construída até primeira à metade do XVe século quando os assaltantes faziam uso de máquinas de sede que eram apenas diferente das utilizada pelos Romanos: catapultas, carneiros, torres de assalto. Assim, as torres construídos após a sede de 1440 eram torres independentes frequentemente ligar remparts por uma ponte estreita, que permitia isolar a torre se fosse tomada, e não perder a seção remparts. Um largo fosso escavado na frente dos muros impedia aproximar torres de sede destes muros. Os defensores podiam fazer chover uma chuva de flechas, de fogo grégeois ou de óleo bouillante sobre os assaltantes reunidos à base dos muros.
  • aquelas construídos entre 1453 (Queda de Constantinopla) e 1480 (primeira sede de Rodes pelos Otomanos); estas fortificações tomaram em conta a importância da utilização dos canhões pelos Otomanos para abrir brechas nos muralhas de Constantinopla. A introdução dos canhões alterou a natureza das fortificações e as sedes. Muralhas de 2 m de espessura não podiam mais opôr-se a um disparo aplicado uma mesma lugar. Pelo contrário, as torres livres de elevada dimensão não podiam absorver o retrocesso de canhões que poderiam replicar aos canhões assiégeants. As elevadas torres foram encurtadas a nível dos muros e apoiadas firmemente sobre estes muros de modo que o retrocesso de canhões montados sobre as torres seja absorvido pela massa dos muros.
  • Bolas de pedra perto das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.aquelas construídos entre as duas sedes de Rodes (o segundo teve lugar em 1522); eram fortificações à ponta da técnica capazes de opôr-se aos canhões otomanos mais potentes. Após a sede de 1480, a espessura dos muros foi levada de 2 m à cerca de 3,80 m pela adição de camadas suplementares de alvenarias sobre a face interna. Contudo os Otomanos tinham desenvolvido, partir dos anos 1500, canhões potentes, muito eficaz na conquista de cidades da Europa do sudeste; alguns destes canhões tinham barris de 5 m de longo que podiam tirar bolas de pedra mais de 250 Kg: mesmo muros de 3,80 m de espessura não podiam opôr-se à tais impactos. Um segundo muro foi construído à 5 m de trás o muro existente, e o intervalo entre os dois muros foi preenchido com gravou ainda disponível em abundância após o grande tremor de terra de 1481. Os muros atingiram então uma espessura de 12 o Sr.
    • Uma outra melhoria importante das fortificações foi a introdução do bastião. Um bastião dispõe habitualmente duas faces salientes e duas faces laterais; as faces laterais permitem um TIR ao canhão paralelo aos muros para destruir os assaltantes que atacam um muro. Os bastiões frequentemente eram construídos de modo que um bastião pudesse proteger os bastiões adjacentes.

    As fortificações tiveram na frente de sedes importantes da Sultão do Egipto (1444) e Mehmet II (1480). Após a sede de 1480, a Ordem atingiu uma tal reputação que recebeu de numerosos dons que foram utilizados para melhorar de maneira substancial as fortificações da cidade. A influência das fortificações de Rodes, de cidade “franque” muito tempo conhecida inexpugnável exerceu-se em toda a bacia oriental do Mar Mediterrâneo no fim da Idade $média.

    Os Turcos conservaram e, à sua torre, alteraram fortifications há grosas torres rondas chamados “koulé”, mas o conjunto guarda todo do mesmo modo o seu caráter medieval.

    O conjunto, restaurado ao XXe século, forma uma mais dos grandes lugares fortes medievais da Europa.

MuralhasOs muralhas

Remparts existiam já antes da chegada dos Cavaleiros, mas estes primeiros remparts, elevados, finos (2 m de espessura com um parapeito de 45 cm), furados de portas protegidas por torres retangulares, não eram mais suficientes para opôr-se guerriers do Império Ottoman.

Sobre as fundações do recinto bizantino, os Cavaleiros reconstruíram quase inteiramente os muralhas e não cessaram de alterar-o e de reforçar-o do XIVe século ao XVIe século e até 1522, sob os grandes mestres sucessivos Giovanni Battista degl' Orsini (1467-1476), Pierre de Aubusson (1476-1505), Émery Amboise (1505-1512), Fabrizio del Carretto (1513-1521) e Philippe Villiers do Adam (1521-1522).

Armas de Pierre de Aubusson, com chapéu de cardeal, em frente do porto, sobre as fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Reencontra-se sobre os muralhas numerosos escudos que testemunham da contribuição do papa e os grandes mestres ao reparar e a consolidação dos muralhas e o fosso. Pierre de Aubusson, que se tornou Mestre da Ordem em 1476 se distinguiu particularmente na consolidação e o reforço do recinto, mais de cinquenta escudos engastados no enfeite externo do muralha é a prova das suas atividades.

Após uma primeira sede dos Turcos otomanos em 1480, e um pequeno sismo em 1481, os estragos causados obrigaram os Cavaleiros a consolidar uma vez mais os seus muros de defesa. A espessura remparts atingiu então 5,30 m, corredores internos foram criados para mais livre circulação assiégés, o número de portas foi reduzido, e cada uma foi reforçada de duas torres.

Certos bastiões e muralhas, nas suas partes superiores, comportam espécies de glacis ou panos cortados de modo que as bolas não o golpeiem de cheio chicote mas sejam amortecidas e desviadas da sua trajectória… Atribui-se a realização, uma vez mais, à Pierre de Aubusson…

Os muralhas das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Os muralhas forma um recinto de 4 Km longos e de uma espessura de 5,30 m (indo até à 12 m). Ao início do XVIe século, no setor da Porta Amboise, construído ao ângulo do norte oeste em 1512, a cortina atingiu 12 metros de espessura, e servia de plataforma de artilharia com um novo parapeito com ameias largo de 4 metros e furado de bocas à fogo, facilitando os tiros sobre os assaltantes.

Os muralhas de Rodes fotografados por Lucien Roy por volta de 1911. Clicar para ampliar a imagem.Aquando da segunda sede turca, a defesa das diferentes seções dos muralhas ou “alamedas”, de várias centena de metros, era colocada sob a responsabilidade das diferentes “línguas” dos Cavaleiros (as línguas que designam os sete prioratos nacionais que compõem a Ordem dos Cavaleiros). Assim encontra-se sucessivamente “pelas alamedas” à a da França (Galía), à a Alemanha (Germanía), o o Auvergne (Ovérni), à Espanha (Ispanía), a Inglaterra (Anglía), Provença (Provingía) e a Itália (Italía).

Os Turcos tiveram êxito a sua entrada na cidade, após uma longa sede, atacando-se à alameda da língua de Aragon, situados entre as torres da Espanha e Santa Maria, lugar residida fracos apesar das múltiplas consolidações das últimas décadas.

Muralhas das fortificações de Rodes entre Porta dos Canhões e leva Amboise. Clicar para ampliar a imagem.

Torre de ângulo fortifications de Rodes, fotografa Lucien Roy por volta de 1911. Clicar para ampliar a imagem.Muralha das fortificações de Rodes, fotografa Lucien Roy por volta de 1911. Clicar para ampliar a imagem.Muralhas das fortificações de Rodes, fotografa Lucien Roy por volta de 1911. Clicar para ampliar a imagem.
Muralhas das fortificações de Rodes, fotografa Lucien Roy por volta de 1911. Clicar para ampliar a imagem.Muralhas das fortificações de Rodes, fotografa Lucien Roy por volta de 1911. Clicar para ampliar a imagem.Caminho de ronda das fortificações de Rodes, fotografa Lucien Roy por volta de 1911. Clicar para ampliar a imagem.
Muralhas das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Muralhas das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.As fortificações de Rodes vistas do porto. Clicar para ampliar a imagem.
As fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.
JardimOs fossos

O recinto de fortificação é limitado sobre a parte do norte pelo mar, noutro lugar imenso por um fosso em parte escavado no balanço, de uma amplitude de 30 à 45 metros, de uma profundidade que varia entre 15 e 20 metros, nos quais vê-se mesmo centena talvez dos milhares de bolas de pedra tiradas pelos Otomanos aquando da sede de 1522.

Após uma primeira sede dos Turcos em 1480, Émery Amboise, temendo novos ataques, continuou os trabalhos. O fosso externo foi alargado até à 20 m, e escavado de uma profundidade que vai por lugar até a 23 o Sr. abriu um segundo fosso ao longo das partes mais fracas.

Fosso das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Fossos das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Fossos das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.
Retrato de Plilippe Villiers do Adam. Clicar para ampliar a imagem.O empresário que organizou estes trabalhos foi Villiers do Isle Adam que devia tornar-se último o Grande Mestre da Ordem à Rodes em 1521.

É necessário observar que os fossos, ou aduelas secas, nunca não receberam água porque eram mais elevados único o nível do mar.

Os fossos hoje têm-se tornado de magníficos jardins plantados de hibiscos, de louro-rosas e de buganvílias, onde pode-se deambular.

Estes fossos de 2500 m de longo são a todo o momento acessíveis desde a porta de Acandia ou desde a torre São Pedro.

Fosso das fortificações de Rodes, fotografa Lucien Roy por volta de 1911. Clicar para ampliar a imagem.Fosso das fortificações de Rodes, fotografa Lucien Roy por volta de 1911. Clicar para ampliar a imagem.Fosso das fortificações de Rodes, fotografa Lucien Roy por volta de 1911. Clicar para ampliar a imagem.
Fosso à porta Amboise das fortificações de Rodes, fotografa Lucien Roy por volta de 1911. Clicar para ampliar a imagem.Fosso das fortificações de Rodes, fotografa Lucien Roy por volta de 1911. Clicar para ampliar a imagem.Fosso das fortificações de Rodes, fotografa Lucien Roy por volta de 1911. Clicar para ampliar a imagem.
MuralhasAs fortificações do mar

Porta de cidadeA Porta Santa Catarina
A Porta Santa Catarina dava acessos à cidade fortificada desde o porto de comércio.

Ir à Porta Santa Catarina.

Porta de cidadeA Porta do Arsenal
Desde o lugar de Symi, a Porta do Arsenal (píli Tarsana), ou píli Navarhíou, conduzido ao Port de Comércio. É hoje, uma abertura moderna no muralha que permite aos automóveis atingir a cidade moderna.
Leve do Arsenal fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Leve do Arsenal fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Leve do Arsenal fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.
Torre de guetA Torre de Naillac
A Torre de Naillac é situada ao norte do Port de comércio que protegia.
MuralhasA Alameda da Língua de Castela

A alameda da língua de Castela ligar a Porta dos Moinhos àPorta São Paulo, contornando o Port de comércio.
Porta de cidadeA Porta São Paulo
Leva São Paulo fortifications de Rodes, bas-relief que representa São João. Clicar para ampliar a imagem.A Porta São Paulo, ao norte da citadela, é enquadrada por um muro de fraca altura e encontrada flanqueada por uma torre elevada do mesmo nome.

Leve São Paulo fortifications de Rodes - Bas-relief que representa o santo. Clicar para ampliar a imagem.A Torre São Paulo, antiga torre do Trébuc, alterou de nome por volta de 1477 quando foi alterada Grande Soberana pela Pedra de Aubusson houve bas-relief que representa santo Paul.

A Porta São Paulo foi danificada gravemente por bombardeamentos ingleses durante a Segunda Guerra mundial.

Esta porta dava acessos ao Port de Mandraki e a Torre de Naillac destruído ao XIXe século. Os Cavaleiros tinham o seu arsenal entre a Porta São Paulo e a Porta Santa Catarina: o arsenal tinha assim um acesso direto ao porto.
Leve São Paulo fortifications de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Leve São Paulo fortifications de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Leve São Paulo fortifications de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.
Leve São Paulo fortifications de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Leve São Paulo fortifications de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Leve São Paulo fortifications de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.
Torre de guetA Torre São Nicolau
A Torre São Nicolau foi transformada num pequeno o forte, Forte São Nicolau, Grande Soberana pela Pedra de Aubusson que construiu um bastião em redor de ela após a primeira sede de Rodes.

Ir Forte ao São Nicolau.

Porta de cidadeA Porta da Liberdade
A Porta dos Cavaleiros, que tem-se tornado Porta da Liberdade (Pilí Elefterias), foi furada em 1924 no recinto medieval pelos Italianos, considerados pelos Gregos como liberatória da ilha. A Porta da Liberdade é situada à extremidade do molhe do Port de Mandraki.
Leve da Liberdade fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Leve da Liberdade fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.
TorreA Torre São Pedro
A Torre São Pedro que se encontra sobre a face ocidental da Porta da Liberdade, constituia um das obras defensivas que protegiam o lado nordeste da cidade.

Os Cavaleiros, após ter conquistado Rodes em 1308, restauraram os muralhas por cerca de modificações menores: durante o magistère Grandes Soberanos do Heredia (1377-96) e Naillac (1396-1421) os muralhas foram reconstruídos quase inteiramente e de novo alterados e reforçados na segunda metade do XVe século.

A torre dedicada à santo Pedra pertence à esta época: foi construída Grande Soberano pelo Zacosta de 1461 à 1464 durante pontificat do papa Pie II, cujo escudo pode ser visto sobre a torre. Além da construção de novas fortificações, os Grandes Mestres colocaram sobre os muralhas bas-reliefs dos anjos vigias da cidade.

Torre Saint-Pierre fortifications de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Bas-reliefs perto da Torre Saint-Pierre fortifications de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Bas-reliefs perto da Torre Saint-Pierre fortifications de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.
TorreA Torre de Pagnac
MuralhasA Alameda da Língua da França

Terrapleno perto da Porta Amboise das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.A alameda da língua da França estendia-se desde a Porta São Paulo até à Porta Amboise.
Porta de cidadeA Porta Santo António
Leva Santo-Antoine das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.A Porta Santo António (píli Agiou Andoniou) era a antiga porta do oeste de Rodes: desde a rua Orphée, rua comercial perto do Palácio dos Grandes Mestres, permitia sair do lado da campanha.

A Porta Santo António, superada de duas torretas, tornou-se, após a refundição das fortificações, a quarta e última porta da Porta Amboise.

Porta de cidadeA Porta Amboise
Fosso leva Amboise das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.A Porta Amboise é mais impressionante das portas de Rodes de um ponto de vista militar.

Ir à Porta Amboise.

Porta de cidadeA Porta dos Canhões
As fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Ao ângulo sudoeste do palácio, a Porta dos Canhões permitia aceder ao caminho de ronda via uma ponte levadiça.

Leve Canhões das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Hoje a visita remparts começa à Porta dos Canhões para terminar-se à Porta São João.

Acesso aos muralhas Porta dos Canhões das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Muralhas Porta dos Canhões das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Leve Canhões das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.
A Porta dos Canhões das fortificações de Rodes fotografada por Lucien Roy por volta de 1911. Clicar para ampliar a imagem.A Porta dos Canhões das fortificações de Rodes fotografada por Lucien Roy por volta de 1911. Clicar para ampliar a imagem.
MuralhasA Alameda da Língua da Alemanha

Fossos das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.O posto de combate dos Cavaleiros alemães, alameda da Língua da Alemanha (Germanía), estendia-se desde a Porta Amboise até ao Bastião São Jorge.
Vista leva Amboise desde Porta dos Canhões das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Fosso entre porta Amboise e bastião Santo-Georges das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Fosso para porta Amboise das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.
BastiãoO Bastião São Jorge
A Porta Amboise foi reforçada pelo bastião São Jorge, em espora, no qual tivesse arranjado-se lojas à munições. O bastião dispunha de baterias de canhões a nível do solo para golpear os assaltantes à curta distância.

O bastião São Jorge foi uma mais das impressionantes adições realizadas após a sede de 1480: foi construído com a ajuda de Basilio della Scola, um arquitecto de Vicenza perto de Veneza.

Bas-relief representa santo Georges que derruba o dragão e abaixo, as armas do Grande Soberano Antoine Fluvian que enquadram as do papa Martin V e as da Ordem.

O bastião Santo-Georges das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Bastião Santo-Georges das fortificações de Rodes visto do Sul. Clicar para ampliar a imagem.Interior do bastião Santo-Georges das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.
Muralhas para o bastião Santo-Georges das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Bastião Santo-Georges das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.
MuralhasA Alameda da Língua Auvergne

Torre da Espanha fortifications de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Os Cavaleiros da Língua Auvergne (Ovérni) defendiam remparts desde o bastião São Jorge até à torre da Espanha, alameda da língua Auvergne.
TorreA Torre da Espanha
Torre da Espanha fortifications de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.De plano circular e situado ao oeste da citadela, a Torre da Espanha é cercada terre-plein fornecido canonnières baixos onde podia-se atingir facilmente os assaltantes no fosso.
Torre da Espanha fortifications de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Torre da Espanha fortifications de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Torre da Espanha fortifications de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.
MuralhasO Terrapleno da Espanha
Terrapleno da Espanha das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Terrapleno da Espanha das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.
MuralhasA Alameda da Língua de Aragon

Alameda de Aragon das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.A Alameda da Espanha (Ispanía), ou Alameda de Aragon, efetua da torre da Espanha àtorre Santa Maria. Antes da sede de 1480, a alameda de Aragon era a alameda da Inglaterra: as alamedas da Inglaterra e de Aragon foram invertidas depois de 1480 para ter conta dos pesos respectivos destas nações.
TorreA Torre Santa Maria
Muralhas alameda da Inglaterra das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Situada perto da Porta Santo-Atanásio e datada de 1441, a Torre Santa Maria é reforçada por um bastião fornecido embrasures para os tiros de artilharia.
Torre Sainte-Marie fortifications de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Torre Sainte-Marie fortifications de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Torre Sainte-Marie fortifications de Rodes, armas. Clicar para ampliar a imagem.
Porta de cidadeA Porta Santo-Atanásio
Leva Santo-Atanásio das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.A Porta Santo-Atanásio (Aghiou Athanasiou) encontra-se ao sudoeste do recinto.

Leva Santo-Atanásio das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.

A Porta Santo-Atanásio foi fechada pelo Grande Soberano Pierre de Aubusson em 1501, e aquilo explica porque não mostra o mesmo nível de fortificação que a Porta Amboise: a Torre Santa Maria, a torre ronda que controlava o acesso à Porta Santo-Atanásio, foi construídas em 1441 pelo Grande Soberano Jean de Lastic. O dia de Natal 1522, após a capitulação da cidade o 20 de dezembro, a sultão Soliman fez a sua entrada por esta porta que foi aberta para a ocasião. A sultão fechou novamente a porta e permaneceu fechada até 1922 quando foi reaberta para o 400ème aniversário deste acontecimento e ficada aberta desde então.
Leva Santo-Atanásio das fortificações de Rodes, armas de Pierre de Aubusson. Clicar para ampliar a imagem.Armas de Pierre de Aubusson sobre a Porta Santo-Atanásio, com um grifo e um leão que olha como apoios.

Abaixo, uma parte da legenda, datada de 1486, é legível:

DIVUS F [RA] PETRUS DAUBUSSON RHODIORUM MAGNUS MAGISTER

Leva Santo-Atanásio das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Leva Santo-Atanásio das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.
MuralhasO Terrapleno da Inglaterra
Terrapleno da Inglaterra perto da Porta Santo-Atanásio das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.O terrapleno da Inglaterra perto da Porta Santo-Atanásio foi construído após a primeira sede ottoman.

Os Cavaleiros haver por uma passagem subterrânea que podia ser destruída facilmente no caso o inimigo investisse o muralha. O desenvolvimento destas novas fortificações conduziu à uma mudança nas técnicas de sede. Os canhões desta época que não tira cargas explosivas, mas apenas pesadas bolas de pedra, causavam poucos prejuízos sobre estes novos bastiões. A única maneira de danificar-o seriamente era colocar à sua base explosivos, e assim os Otomanos escavaram túneis neste objectivo. A guerra de sede tornou-se um negócio sapeurs.

MuralhasA Alameda da Língua da Inglaterra

A alameda da língua da Inglaterra (Anglía) efetuava da Torre Santa Maria àPorta São João.
Caminho de ronda entre torre da Espanha e Porta São João fortifications de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.O caminho de ronda sobre a Alameda da Língua da Inglaterra perto da Porta São João fortifications de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.O falsa de trás o terrapleno da Inglaterra das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.
Porta de cidadeA Porta São João ou Porta de Koskinou
Leve São João fortifications de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.A Porta São João (píli Agíou Ioánou), chamada também Porta de Koskinou (píli Koskinoú) ou ainda a Porta Vermelha, é situadas ao Sul da citadela.
Ponte entre terre-plein da Inglaterra e rempart perto Porta São João fortifications de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Leve São João externo fortifications de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Leve São João interno fortifications de Rodes. Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).
Leva São João fortifications de Rodes, de porta interna, bas-relief que representa São João. Clicar para ampliar a imagem.A Porta São João é ornada bas-relief que representa este santo.

Leve São João fortifications de Rodes - Brasão de Pedra de Aubusson. Clicar para ampliar a imagem.A porta externa São João foi construída Grande Soberana pela Pedra de Aubusson para proteger fortifications anteriores construídos pelo Grande Soberano Fluvian, Milly e Zacosta.

Dentro pode-se ver um pavimento que data da primeira fase de construção dos muralhas.

Se pode-se verem as armas de Pierre de Aubusson, dispostas ao tempo onde não era ainda cardeal.

Em 1912, os bandos italianos fizeram a sua entrada em Rodes por esta porta: o quadro retangular vazio à esquerda da porta acolhia uma inscrição que celebra o acontecimento.
Leve São João fortifications de Rodes, de porta externa. Clicar para ampliar a imagem.Falso de trás terre-plein da Inglaterra perto Porta São João fortifications de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.
MuralhasA Alameda da Língua de Provença

Fossa entre torre da Itália e Porta São João fortifications de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.A Alameda da Língua de Provença (Provingia), setor de defesa dos Cavaleiros da língua de Provença, ligar a Porta São João àTorre da Itália.
TorreA Torre da Itália
A Torre (ou fortin) da Itália era protegida enorme terre-plein circular de 15 m de diâmetro, que constituia uma temível defesa. Canhoneiras eram arranjadas à base para permitir aos defensores bater os fossos. Bolas de canhão, ainda fixadas çà e lá em muraille, a nível da torre da Itália e a sua cortina, testemunham da violência do segundo ataque turco (1522), quando os homens Soliman o Magnífico apreendeu-se da cidade após seis meses de uma sede titanesca. Sobre o terrapleno, vê-se as armas Fabrizio del Caretto. Sob a proteção da torre abria-se a porta da Itália que foi murada após a sede de 1480.
Porta de cidadeA Porta Karetou
Porta de Acandia das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.A Porta Karetou (Carretto).
BastiãoO Bastião Carretto
Leva Karetou, bastião del Carretto das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Durante a sede de 1480, os Otomanos chegaram a abrir uma brecha na parte sudestes dos muralhas, seguidamente lançaram um assalto à arma branca: três cem janissaires (a elite dos bandos otomanos) tiveram êxito a penetrar na cidade, mas os Cavaleiros, sob o comando do Grande Soberano Pierre de Aubusson e protegidos pelas suas armaduras, dizimaram o gordo do exército otomano e afastaram os assaltantes. Foi o final episódio da sede: as perdas otomanas foram assim pesadas que a sede foi levantada.
Fabrizio del Carretto, retrato. Clicar para ampliar a imagem.O Grande Soberano Fabrizio del Carretto deu o seu nome enorme ao bastião circular que foi construído à lugar da brecha.
Bastião del Carretto das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Bastião del Carretto das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Bastião del Carretto das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.
Porta de cidadeA Porta de Acandia
Porta de Acandia das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.A Porta de Acandia (píli Akantias) (Acandia é o terceiro porto de Rodes onde molham gordos os navios de cruzeiro), é situado ao sudeste dos muralhas.
MuralhasA Alameda da Língua da Itália

Os muralhas das fortificações de Rodes, entre a Porta de Acandia e a Porta dos Moinhos, fotografados por Lucien Roy por volta de 1911. Clicar para ampliar a imagem.A Alameda da Língua da Itália partia da Torre da Itália, e terminava-se ligeiramente mais ao norte à Porta dos Moinhos, após ter contornado um momento a baía de Akandia.
Porta de cidadeA Porta dos Moinhos
Leve Moinhos das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.De acordo com certas fontes, a Porta dos Moinhos (píli Milon) era realmente a Porta Santa Catarina, de abrir sobre a paróquia da igreja arruinada Santa Catarina e o hospício Santa Catarina; a porta dava acessos ao Port de comércio desde o bairro hebreu. Particularmente não era fortificada porque o porto era protegido por outras fortificações.
Torre de guetA Torre Santo-Anjo
A Torre Santo-Anjo, ou Torre dos Moinhos (pirgos Mílon), ou ainda Torre da França, é situadas à extremidade do sul do molhe natural do porto de comércio, que era destinada de proteger.

Foi reforçada pelo Grande Soberano Pierre de Aubusson que dispôs à sua cimeira o escudo da França.

A Torre Santo-Anjo é chamada geralmente Torre dos Moinhos porque o molhe onde é situada acolhia treze moinhos dos quais permanece apenas três.

Torre Santo-Anjo fortifications de Rodes, fotografa Lucien Roy por volta de 1911. Clicar para ampliar a imagem.O Forte São Nicolau fortifications de Rodes fotografado por Lucien Roy por volta de 1911. Clicar para ampliar a imagem.Torre Santo-Anjo fortifications de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.
Porta de cidadeA Porta Santa Maria
A Porta Santa Maria (píli Panagias).
Leva Sainte-Marie das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.Leva Sainte-Marie das fortificações de Rodes. Clicar para ampliar a imagem.

InformaçõesInformações práticas

Generalidades
GR - 851 00 Ródos (Nissí Ródos)

Telefone: 00 30 22410 23.255

Horas de visitaHoras de visita
Muralhas ocidentais e do sul: os muralhas são visitables sobre cerca dos 2/3 dos 4 Km à datas e horas fixas. A sua visita apresenta o duplo interesse de oferecer vistas inéditas para a cintura externa da cidade desde um ponto elevado, bem como para o interior, com descobertas de cursos insuspeitas desde as pistas.

Pode-se começar a visita dos muralhas emprestando às escadas à esquerda do tribunal em frente do Palácio dos Grandes Mestres. Permite examinar as obras, reforçadas de bastiões entre a Porta Amboise e a Porta São João, oferecendo vistas charmantes sobre os fossos florescidos e sobre a cidade turca hérissée minarets.

Tarifa de entrada: 4 €.

Visita guiada de terça-feira a sábado à 14:45: 6 €.

Outros assuntosOutros assuntos

Filiação do assunto
Assuntos mais detalhados
Mapa interativo das fortificações de Rodes
A porta Santa Catarina à Rodes
A torre de Naillac à Rodes
A porta Amboise à Rodes
O forte São Nicolau à Rodes
Assuntos próximos
Mapa interativo da cidade medieval de Rodes
Imagem satélite da cidade medieval de Rodes
O Collachium de Rodes
As fortificações de Rodes
Assuntos mais largos
Página inicial
Mapa interativo da cidade de Rodes, Rodes
A cidade antiga de Rodes
O porto de Mandraki à Rodes
O porto de comércio de Rodes
O porto de Acandia à Rodes
A cidade medieval de Rodes
O bairro hebreu de Rodes
O bairro turco de Rodes
A cidade moderna de Rodes
Assunto precedente ] [ Assunto ascendente ]
Recomendar esta página :
Recomendar este sítio :
Busca personalizada
Se atingir este quadro diretamente, clicar nesta ligação para revelar os menus.