AlbâniaAlemanhaInglaterraArméniaPaís bascoBielorússiaBulgáriaCatalunhaCroáciaDinamarcaEspanhaEstóniaFinlândiaFrançaGalizaPaís de GalesGeórgiaGréciaHungriaIrlandaIslândiaItáliaImpério romanoLetóniaLituâniaMacedóniaMaltaNoruegaPaíses BaixosPolóniaPortugalRoméniaRússiaSérviaEslováquiaEslovéniaSuéciaChéquiaUcrânia
Se atingir este quadro directamente, clicar nesta relação para indicar as ementas.
Investigação personalizada

A cidade de Bunyola em Maiorca - A finca Raixa

[Tópico anterior] [Tópico superior] [Próximo tópico] [Minorca] [Maiorca] [Ibiza] [Formentera] [Cabrera] [Acolhimento] [Site Home] [Via Gallica]
Rubricas[Fotografias] [Apresentação] [Situação] [Visitas] [Cultura] [Informações práticas] [Outros assuntos]Página editada

ApresentaçãoApresentação

Apresentação geralApresentação geral
A finca Raixa em Maiorca - Laranjal - Clicar para ampliar a imagemA finca Raixa em Maiorca - O solar - Clicar para ampliar a imagemA finca La Raixa (pronunciar “raïsha”) protege uma antiga casa maiorquino e um dos mais bonitos jardins da ilha de Maiorca. Representa um pedaço da história da ilha de Maiorca, que se estende do século XV ao século XIX.

A finca Raixa em Maiorca - A lógia do solar - Clicar para ampliar a imagemA residência é um velho palácio árabe renovado ao século XVIII.

Após a reconquista de Maiorca pelos catalães ao século XIII, o domínio de Raixa (possessió de Raixa) conheceu vários proprietários, como os Zaforteza-Tagamanent, até seu a aquisição pela família Despuig.

Restauração mais importante da casa foi efetuada pelo cardeal Antoni Despuig i Dameto (1745-1813), filhos do terceiro Conde de Montenegro, que transformou a alvenaria num magnífico palácio clássico de estilo italiano que protege ao rés-do-chão uma importante colecção de obras de arte.

SituaçãoSituação

A finca Raixa em Maiorca - O tanque - Clicar para ampliar a imagemA finca Raixa encontra-se à saída da pequena cidade de Bunyola, à cerca de quilómetros indo para Palma de Maiorca.

Côordenadas geográficas: 39° 40' 50" N ; 2° 40' 23" E

VisitasVisitas

Sa Finca La Raixa
A finca Raixa em Maiorca - O portal de entrada do domínio - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)A finca Raixa em Maiorca - Laranjal - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)O domínio está aberto ao público que pode visitar os exteriores do solar, os jardins de acessos e os jardins baixos, o pátio interno, a capela, a lógia e o grande tanque.
O Domínio
A finca Raixa em Maiorca - Laranjal - Clicar para ampliar a imagemO domínio de Raixa cobre 520.000 m² (52 hectares). As construções ocupam 4.500 m² e o resto é ocupado por diversos jardins, das zonas agrícolas e as bosques.

A finca Raixa em Maiorca - O domínio - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)O centro do domínio é um grupo de casas, que sempre são mencionadas ao plural porque compreendem várias construções. Os “cases de possessió” incluem diferentes tipos de construções de acordo com o seu lugar geográfico e a sua especialização de produção. Há a casa principal e os bairros dos trabalhadores agrícolas e, ao lado de estes, uma série de construções auxiliares diretamente ligadas à utilização agrícola do domínio: estábulos, moinho à óleo de azeitonas, lojas de óleo, de despensa, et cetera.

A finca Raixa em Maiorca - O domínio - Clicar para ampliar a imagemA finca Raixa em Maiorca - Laranjal - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)A finca Raixa em Maiorca - O domínio - Clicar para ampliar a imagem
SolarO Solar
A finca Raixa em Maiorca - A entrada do solar - Clicar para ampliar a imagemA finca Raixa em Maiorca - O solar - Clicar para ampliar a imagemA finca Raixa em Maiorca - O solar - Clicar para ampliar a imagem
A finca Raixa em Maiorca - O solar - Clicar para ampliar a imagemA finca Raixa em Maiorca - O solar - Clicar para ampliar a imagemA finca Raixa em Maiorca - O solar - Clicar para ampliar a imagem
O Rés-do-chãoO Primeiro AndarO Segundo Andar
1 - Portal forá; 2 - Clastra principal; 5 - Sala; 6 - Capela; 8 - Salão de entrada; 9 - Sala de jantar dos Mestres; 10 - Cozinha dos Mestres; 11 - Câmara a deitar do cardeal; 14 - Arquivos; 15 - Bairros dos empregados; 16 - Loja; 17 - Estábulo; 18 - Equipamento dos animais; 19 - Granja; 20 - Guarda-comer; 21 - Cozinha dos empregados; 22 - Pocilga (soue); 23 - Galinheiro; 24 - Loja à instrumentos; 25 - Hangar à tanques; 26 - Clastra de trabalho; 27 - Moinho à óleo; 28 - Loja à óleo; 30 - Dormitório dos empregados; 31 - Loja; 32 - Grande bacia
A finca Raixa em Maiorca - O plano do rés-do-chão do solar - Clicar para ampliar a imagemA finca Raixa em Maiorca - O plano do 1 andar do solar - Clicar para ampliar a imagemA finca Raixa em Maiorca - O plano do 2nd dispõe em andares do solar - Clicar para ampliar a imagem
A Clastra
Parte mais típica dos solares de domínio agrícola é “clastra”, um pátio que comunica com as diversas construções que compõem o conjunto arquitectural. Geralmente, o “clastras” esticam a ser fechado sobre três ou quatro lados com o acesso através de um grande portal abobadado, conhecido sob o nome “portal de forà”, que efetue ao salão de entrada.

A “Clastra” de Raixa tem um caráter rural marcado e sua característica mais notável é o pórtico que foi construído ao início do século XVI. “Clastra” permite aceder à Casa dos Mestres, aos bairros dos trabalhadores agrícolas e as construções auxiliares mais importantes.

A finca Raixa em Maiorca - O clastra ou pátio interno - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)A finca Raixa em Maiorca - O clastra ou pátio interno - Clicar para ampliar a imagemA finca Raixa em Maiorca - O clastra ou pátio interno - Clicar para ampliar a imagem
CasaA Casa dos Mestres (Casa dels Senyors)
A finca Raixa em Maiorca - A sala de jantar dos Mestres - Clicar para ampliar a imagemÀ Maiorca, as peças habitadas pelos proprietários, quando residiam ao domínio, eram nomeadas “cases dels senyors”. A Casa do Soberanos é situada ao primeiro andar e separada dos bairros dos empregados, mas ligar todas as às construções do domínio através “clastra”. A Casa dels Senyors ocupa as asas do norte, é e do sul da construção.

A Casa dos Mestres sofreu diversas transformações durante os séculos, a decoração e o móvel adaptado aos estilos do momento. Contudo, tais solares nunca atingiram o luxo e o refinamento dos “pátios” de Palma, em especial os possuídas elevada pela nobreza.

A finca Raixa em Maiorca - A cozinha dos Mestres - Clicar para ampliar a imagemEmbora a disposição altere durante os anos, durante do período mais grande esplendor de Raixa, ao século XVIII, a casa compreendia diversas salas e câmaras a deitar, uma sala de jantar principal, uma sala de jantar dos empregados e uma cozinha ao primeiro andar para a família do proprietário (“cuina dels senyors”).

A finca Raixa em Maiorca - A cozinha dos Mestres - Clicar para ampliar a imagemO salão de entrada da “casa dels senyors” conduzia à diversos espaços domésticos, como a cozinha, os armários à louça e a diversa guarda-comer. Servia igualmente de acessos aos bairros privados da família.

LógiaA Lógia
A vista sobre os jardins baixos desde a lógia ao italiana é magnífica.
A finca Raixa em Maiorca - A lógia do solar - Clicar para ampliar a imagemA finca Raixa em Maiorca - A lógia do solar - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)
A finca Raixa em Maiorca - A lógia do solar - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)A finca Raixa em Maiorca - A lógia do solar - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)A finca Raixa em Maiorca - A lógia do solar - Clicar para ampliar a imagem
Os Bairros dos Empregados
Os bairros dos empregados e de trabalhadores, bem como os ateliers, ocupavam a asa ocidental da construção. O rés-do-chão compreendia uma cozinha para os empregados e os trabalhadores de domínio (“cuina dels amos”). Os empregados eram habitados ao subsolo.
As Construções Agrícolas
A finca Raixa em Maiorca - O moinho à óleo (autor Chixoy) - Clicar para ampliar a imagemA finca Raixa em Maiorca - O moinho à óleo - Clicar para ampliar a imagem
Jardim de prazerOs Jardins
Raixa deve a sua fama aos seus notáveis jardins. Ao século XVIII Raixa compreendia já setores arranjados em parque, mas os famosos jardins do domínio datam do século XIX.

Após um projeto muito ambicioso concebido pelo arquitecto espanhol Eusébio Maria de Ibarreche, o cardeal Despuig comprometeu o arquitecto italiano Giovanni Lazzarini, que elaborou em 1802 um projeto de grande escala para uma série de jardins de estilo neoclássico. As restrições financeiras e a falta de água fizeram que nem um nem o outro destes projetos não foi empreendidos.

Finalmente foi decidido, em 1807, optar por um plano mais modesto, baseado em uma reinterpretação do projeto elaborado pelo italiano Lazzarini, sob a direção do construtor principal Tomàs Abrines.

Os jardins foram arranjados em três grandes fases. Durante a primeira fase a grande bacia foi construída, e os jardins de Apollo e os jardins baixos, perto da fachada do Sul do solar, foram arranjados igualmente.

Atrasado, os trabalhos começaram na parte superior dos jardins, conhecida sob o nome do “Sa Muntanyeta” que desembaraçam a terra para o leste e erguer dos grupos de imitações de ruínas e de estruturas pitorescas que são típicas dos jardins românticos.

Durante a terceira fase, o domínio recebeu uma nova aleia de acessos e os jardins altos foram prolongados para abranger inteiramente o lado do sul da colina.

Pequenas adições foram realizadas atrasado pelos Condes sucessivos de Montenegro e o último proprietário de Raixa, Antoni Jaume Nadal. Os jardins são divididos em jardins de acessos, jardins baixos e jardins altos.

Jardim de prazerOs Jardins de Acessos
A finca Raixa em Maiorca - Finca Raixa em Maiorca - Clicar para ampliar a imagemA finca Raixa em Maiorca - Os jardins de acessos - Clicar para ampliar a imagemOs jardins de acessos são cobertos por um grande terraço-mirante que é acessível via um portal de estilo medieval com torres com ameias.

A finca Raixa em Maiorca - Os jardins de acessos - Clicar para ampliar a imagem

A finca Raixa em Maiorca - Os jardins de acessos - Clicar para ampliar a imagemA finca Raixa em Maiorca - Os jardins de acessos - Clicar para ampliar a imagemA finca Raixa em Maiorca - Os jardins de acessos - Clicar para ampliar a imagem
Jardim de prazerOs Jardins Baixos
A finca Raixa em Maiorca - Finca Raixa em Maiorca - Clicar para ampliar a imagemOs jardins baixos foram os primeiros a ser arranjados; são centrados na lógia à dez arcas da fachada e misturados uma variedade de árvores à folha persistente (ciprestes et cetera) com elementos vegetais geométricos.
A finca Raixa em Maiorca - Os jardins baixos - Clicar para ampliar a imagemA finca Raixa em Maiorca - Os jardins baixos - Clicar para ampliar a imagemA finca Raixa em Maiorca - Os jardins baixos - Clicar para ampliar a imagem
Jardim de prazerOs Jardins Altos
A finca Raixa em Maiorca - Escada barroca da finca Raixa - Clicar para ampliar a imagemOs jardins altos são construídos sobre uma colina. Os sete primeiros terraços são servidos por uma escada monumental que efetua ao grande lago (96 x 18 metros), à “Casa das Bonecas” e à “Casa dos Banhos”.

A escada barroca, pelo menos grandiosa, limitada de numerosas estátuas e visível no meio de uma luxuriante vegetação, foi reproduzida numerosos em quadros de pintores maiorquinos.

A finca Raixa em Maiorca - Os jardins altos ao início do século XX - Clicar para ampliar a imagemA finca Raixa em Maiorca - Os jardins altos durante a restauração - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)A finca Raixa em Maiorca - Uma escada dos jardins altos - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)
Sa Muntanyeta
A finca Raixa em Maiorca - A capela - Clicar para ampliar a imagemA finca Raixa em Maiorca - O pavilhão mauresque - Clicar para ampliar a imagemParte mais elevada, nomeada Sa Muntanyeta compreende um caminho o longo do qual o visitante encontro das construções românticas: uma gruta, um ponto de vista da parte superior de um pavilhão, uma capela e um templo neoclássico que coroa a cimeira.
BaciaO Tanque
A finca Raixa em Maiorca - A bacia - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)Em 1753, o Conde Ramon Despuig i Cotoner tinha comprometido o engenheiro militar Francisco Ricaud de Tirgalle para construir uma enorme cisterna (aljibe) de 100 m de comprimento a fim de aumentar a disponibilidade de água do domínio. Ao século XIX a grande bacia foi construída partir deste aljibe.

O domínio de Raixa é regado pelo riacho “Font des Coster”, mas este riacho não fornecia bastante água para estender as vinhas e os olivais a fim de tornar domínio o rentável. Em 1807, o riacho “des Polls” foi alugados ao domínio vizinho de Pastorix e a sua água foi conduzida à Raixa por uma canalização de três quilómetros de comprimento.

A finca Raixa em Maiorca - A bacia - Clicar para ampliar a imagemA finca Raixa em Maiorca - O tanque - Clicar para ampliar a imagemA finca Raixa em Maiorca - O tanque - Clicar para ampliar a imagem
A finca Raixa em Maiorca - A bacia - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)A finca Raixa em Maiorca - A bacia - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)A finca Raixa em Maiorca - A bacia - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)

ConhecimentosHistória, geografia, artes, tradições, flora…

HistóriaHistória
As Origens do Domínio de Raixa
Existe numerosas hipóteses relativas às origens do domínio de Raixa, mas a explicação mais provável é que, durante a dominação árabe da ilha, estas terras faziam parte de um grande domínio, ou “alquería”, conhecidos sob o nome de Biniatzar, que é hoje o nome de um domínio vizinho.
A água é um recurso raro à Maiorca, e constituiu, ao longo de toda a história da ilha, um fator-chave na escolha dos estabelecimentos humanos. Também, os melhores domínios agrícolas da ilha são situados perto dos poços ou as fontes. A finca Raixa é um bom exemplo: devido à abundância de água - da qual testemunha ainda hoje a sua grande bacia - e da fertilidade das terras deste lugar privilegiado situado aos pés da Serra de Tramuntana, os mouros fundaram a exploração agrícola de Araixa, onde provem o nome atual da finca Raixa.

O domínio permaneceu sob dominação árabe durante 300 anos.

Os Primeiros Proprietários
Ao século XIII, após a reconquista cristã de Maiorca (1229-1231), o rei Jaume I, diz Jaume o Conquistador, compartilhou a ilha entre os seus partidários e favoreceu a sua repopulação. As terras onde encontra-se hoje a finca Raixa foram atribuídas, bem como de outras terras, ao segundo tio Jaume I, Nunyo Sanç que, por sua vez, dividiu-o entre os seus diversos vassalos. O domínio de Araixa foi dado ao Conde de Ampúries, Dom Ponce Hugo, o 11 de maio de 1234.

Os primeiros dados históricos relativos a Raixa datam do fim do século XV, quando o domínio pertencia ao Safortesa-Tagamanents, uma família nobre maiorquino que desde é apagada. Não se sabe à qual assemelhava-se a construção medieval, mas cerca de trabalhos importantes efectuados desde 1512 confirmam a simplicidade da residência de origem.

A partir o XVI do século houve, elevada na nobreza, um longo processo de acumulação das terras, que resultou na criação de prósperos latifundia, que, à Maiorca, são nomeados “possessões” (possesió). Raixa ficou uma destas “possessões”. Mas, durante do XVI do século, os proprietários de Raixa foram implicados na revolta do Germanies de Mallorca (Confrarias de Maiorca), uma luta entre artesões rebelles e os defensores da coroa, que se desenrolou entre 1521 e 1523; o domínio e as suas construções foram atacados e incendiados. Raixa foi reconstruído mas, ao século seguinte, a família conheceu um sério declínio e foi forçada vender os seus bens ao primeiro Conde de Montenegro e Montoro, Ramon Despuig i Rocaberti (1633-1681), o 18 de Junho de 1660.

A Família Despuig
A finca Raixa em Maiorca - As armas da família Despuig - Clicar para ampliar a imagemA família de Despuig comprou o domínio de Raixa devido à sua produtividade, particularmente no que diz respeito ao óleo de azeitona. Durante o período do primeiro Conde de Montenegro, as construções agrícolas foram melhoradas, oliveiras foram plantadas, o moinho à óleo de azeitonas foi aumentado e outro moinho foi construído.

Ao século XVIII fica-o foi aumentado durante diversos trabalhos. Os documentos de época mostram que era um solar rural equipado bem e decorado à alteração, de acordo com gostos barrocos. A existência de dois pomares de aprovação, conhecidos sob os nomes de “Hort de les Llimoneres” (o Jardim dos Limoeiros) e de “Hort de la Gruta” (o Jardim da Gruta) confirma que tais domínios maiorquinos eram não somente centros agrícolas mas igualmente das residências temporárias onde os proprietários podiam gozar da natureza.

A família Despuig é família mais representativa e mais importante para a história do domínio de Raixa que possuiu durante vários séculos. Dos membros desta família, o personagem mais importante é Antoni Despuig.

O Cardeal Despuig
A finca Raixa em Maiorca - A estátua do cardeal Despuig nos jardins de acessos - Clicar para ampliar a imagemAntoni Despuig i Dameto (1745-1813) era o terceiro das oito crianças, e o segundo filho, do terceiro Conde de Montenegro e quinto Conde de Montoro. Estudou as Humanidades ao colégio jesuíta Monti-Sion e a filosofia ao Estudi General Lul·lià em Palma, seguidamente começou uma carreira eclesiástico.

A finca Raixa em Maiorca - Mapa de Maiorca do cardeal Despuig (1785) - Clicar para ampliar a imagemAntoni Despuig era um erudito, de uma curiosidade enciclopédica, e um homem iluminado do seu tempo. De 1774 à 1782, fez diversas viagens na Itália. Em 1785, realizou um famoso mapa de Maiorca, dedicado à princesa da Áustria María Luisa de Parma.

Em 1795, Antoni Despuig foi nomeados arcebispo de Valença, seguidamente de Sevilha.

A finca Raixa em Maiorca - Brasões de armas do cardeal Despuig (autor Marcus Marguillier) - Clicar para ampliar a imagem em Flickr (novo guia)Já durante os anos 1790, Antoni Despuig escrevia ao seu irmão Joan, o proprietário de Raixa, relativos à transformação do domínio no estilo de uma vila italiana. Na época de tais casas de campo tinham habitualmente jardins e um museu privado como fonte de orgulho e de prazer para os seus proprietários.

Com a ajuda de Gabino Hamilton, um antiquário escocês, Antoni Despuig descobriu numerosas esculturas. Em 1796, estas esculturas foram expedidos à Raixa e formados a base da sua colecção de antiguidades e de arte. As impressões recolhidas na Itália não abandonaram por Antoni Despuig após o seu regresso na residência familiar maiorquino: em 1797 transformou velho o domínio agrário num palácio de estilo italiano cercado de jardins.

Em 1803, o papa Pie VII nomeou-o cardeal. Durante a sua estada à Roma, este homem muito cultivado percorreu a Toscana e outros regiões da Itália, entrou em contato com artistas da capital italiana, e desenvolveu o seu interesse para as antiguidades e as colecções.

Para além das colecções que trouxe da Itália, o cardeal Despuig enriquece o seu museu de Raixa dos objectos descobertos aquando das escavações que fez fazer na região de Raixa; tratava-se principalmente de vestígios da época romana.

A Herança do Cardeal Despuig
A finca Raixa em Maiorca - As colecções de arte do cardeal Despuig ao início do século XX - Clicar para ampliar a imagemAntoni Despuig era um coletor famoso e um benfeitor das artes. Além das colecções de antiguidades, enriqueceu o museu de Raixa com obras de arte das escolas italianas e espanholas. No mesmo tempo acumulou uma biblioteca considerável, com mais de doze mil volumes, bem como colecções importantes de peças de moeda e de gravuras.

No seu testamento, o cardeal designou o seu irmão Joan como legatário dos seus bens e pediu-lhe que termine os trabalhos que tivesse começado à Raixa, em especial o museu e a biblioteca. Cerca de meses após a morte Antoni Despuig, o seu irmão, o Conde, morreu igualmente por sua vez. O herdeiro do domínio foi filho mais idoso do Conde, Ramon, que com o seu irmão, Joan Despuig Safortesa, fez grandes esforços de fazer sonhos do seu tio uma realidade.

A finca Raixa em Maiorca - O solar de Raixa ao início do século XX - Clicar para ampliar a imagemEm 1906, a finca Raixa foi comprada pela família Jaume; Don Antoni Jaume pôs em venda as peças do museu. Em 1918, o município Palma, apoiado por diversos instituições culturais da ilha, pediu ao ministro da Instrução pública e as Bonitas Artes, que os legados Despuig foi conservados na ilha de Maiorca, como tivesse-o pedido o cardeal no seu testamento. As obras do museu Despuig foram compradas pelo município Palma de Maiorca e podidas atualmente ser vistas ao castelo de Bellver perto Palma.

A Finca Raixa ao Século XX
A finca Raixa em Maiorca - Uma toutinegra-de-cabeça-preta nos jardins do Raixa - Clicar para ampliar a imagemO valor patrimonial do Raixa conduziu o Governo autónomo das Ilhas Baleares de proteger-o classificando-o efectivamente de Interesse Cultural (BIC) em 1993.

A finca Raixa foi adquirido em Janeiro de 2002 pelo ministério espanhol do Ambiente e o Conselho de Maiorca, para fazer a sede dos Parques Nacionais e um importante centro internacional do ambiente.

O solar começou a ser restaurado em 2003; em 2008, a restauração da construção principal era terminados. A segunda fase, que cobre os jardins e as construções agrícolas, começou em 2009. Os jardins continuarão poder ser visitados após a sua restauração.

LiteraturaLiteratura
Raixa viu a filmagem de três filmes, dos quais “Assassinato ao sol” (Evil Under the Sun), de acordo com a novela “As Férias de Poirot” de Agatha Christie, filme britânico realizado por Guy Hamilton, saído na França o 21 de abril de 1982, com Peter Ustinov no papel de Poirot, de James Mason, de Maggie Smith, Jane Birkin e Diana Rigg (Senhora Peel de “Os Vingadores”). O filme, suposto desenrolar-se na Croácia, foi girado à Raixa e - para as cenas de bordo de mar - à Enseada do Monge (Caló d'en Monjo), cerca de 1,5 km ao sudoeste de Peguera (Paguera), e Cala en Feliu sobre a península de Formentor, bem como sobre a ilha de Sa Dragonera.

InformaçõesInformações práticas

Horas de visitaHoras de visita
A finca Raixa em Maiorca - O portal do domínio - Clicar para ampliar a imagem
Visitas:

O solar foi aberto à visita ao fim de 2009, mas, em 2011 e 2012, os jardins sempre eram fechados à visita, por razões de acessibilidade.

Horários: sábado e Domingo de 10:00 à 14:00 sobre encontros: de segunda-feira a sexta-feira.

Entrada gratuita.

Telefone: 00 34.871.947 320

Estrada de Palma à Sóller, km 12,2.

Pelo autocarro de Sóller à Palma, é necessário prever 40 Mn de marcha desde a paragem Bunyola; com possibilidade, pode-se pedir ao motorista a paragem à curva Caubet (Hospital Joan March); a finca Raixa não é enquanto que à 10 Mn à pé.

Sítio sobre a Tela: www.raixa.org

Outros assuntosOutros assuntos

Filiação do assunto
Baleares > Maiorca > Condado da Serra de Tramuntana > Bunyola > Finca Raixa
Assuntos mais detalhados
Assuntos próximos
A cidade de Bunyola em Maiorca - Os jardins de Alfàbia
A cidade de Bunyola em Maiorca - A finca Raixa
A aldeia de Orient em Maiorca
Assuntos mais largos
Página inicial
A cidade de Sóller em Maiorca
A cidade de Escorca em Maiorca
A cidade de Andratx em Maiorca
A cidade de Banyalbufar em Maiorca
A cidade de Bunyola em Maiorca
A cidade de Deià em Maiorca
A cidade de Fornalutx em Maiorca
A cidade de Pollença em Maiorca
A cidade de Valldemossa em Maiorca
A cidade de Esporles em Maiorca
A cidade de Estellencs em Maiorca
A cidade de Calvià em Maiorca
Tópico anterior ] [ Tópico superior ] [ Próximo tópico ]
Recomendar esta página :
Recomendar este sítio :
Investigação personalizada
Se atingir este quadro directamente, clicar nesta relação para indicar as ementas.