AlbâniaAlemanhaInglaterraArméniaPaís bascoBielorússiaBulgáriaCatalunhaCroáciaDinamarcaEspanhaEstóniaFinlândiaFrançaGalizaPaís de GalesGeórgiaGréciaHungriaIrlandaIslândiaItáliaImpério romanoLetóniaLituâniaMacedóniaMaltaNoruegaPaíses BaixosPolóniaPortugalRoméniaRússiaSérviaEslováquiaEslovéniaSuéciaChéquiaUcrânia
Se atingir este quadro diretamente, clicar nesta ligação para revelar os menus.
Busca personalizada

A cidade de Binissalem em Maiorca

[Assunto precedente] [Assunto ascendente] [Assunto seguinte] [Minorca] [Maiorca] [Ibiza] [Formentera] [Cabrera] [Página inicial] [Ilhas Baleares] [Via Gallica]
Rubricas[Fotografias] [Apresentação] [Situação] [Visitas] [Cultura] [Informações práticas] [Outros assuntos]Página editada

ApresentaçãoApresentação

Apresentação geralApresentação geral
Binissalem é uma pequena cidade agrícola - essencialmente vitícola - do oeste da planície de Maiorca, ainda que a cidade faz administrativamente parte do condado do Raiguer. A cidade conta cerca de 7500 habitantes, os “Binissalamers”, que guardou o seu modo de vida tradicional, porque a cidade é influenciada pouco pelo turismo (a praia o mais parentes possível é à 30 Km). Contudo muitos habitantes trabalham em Palma, distante apenas de 25 Km.
EtimologiaEtimologia e toponímia
A cidade de Binissalem em Maiorca - Escudo da cidadeO topônimo Binissalem proviria do árabe “Bin Selim” (“o filho de Selim”); este nome é fixado desde o século XVI. Do século XIII ao século XVI, a localidade era nomeada Robines, que designa ainda hoje o centro da cidade de Binissalem (cf. Nossa Senhora de Robines).

O santo padroeiro de Binissalem é São Tiago, festejado o 25 de Julho; o escudo da cidade leva uma “concha de Santiago” (vieira), símbolo de Santiago Maior.

Em espanhol castelhano, Binissalem é ortografado Binisalem.

SituaçãoSituação

A cidade de Binissalem em Maiorca - Situação Binissalem à Maiorca (autor Joan o Sr. Boràs). Clicar para ampliar a imagem.A cidade de Binissalem é situada, no centro da ilha, sobre a antiguidade estrada que ligar as duas principais colónias romanas de Maiorca, Pollentia ao nordeste e Palmera ao sudoeste. Binissalem encontra-se sobre a estrada Ma-13A, hoje duplicada pela auto-estrada Ma-13; a cidade está por conseguinte ligeiramente ao desvio da onda de circulação que ligar Palma (à 26 Km) à Alcúdia (à 33 Km), que lhe assegura certa tranquilidade. Binissalem é apenas à 7,5 km de Inca, a capital do Raiguer.

A comuna di Binissalem confina as comunas de Alaró, Consell, Inca, Lloseta e Sencelles.

A região de Binissalem, situada ao pé da Serra de Tramuntana, é bastante plana e pouco elevada (139 m de altitude em média); mais a elevada cimeira é o Penyal des Bous (rochedo dos bois), entre Alaró e Binissalem, com 408 m de altitude.

VisitasVisitas

AldeiaA Aldeia de Binissalem
A cidade de Binissalem em Maiorca - A pedra Binissalem. Clicar para ampliar a imagem.Binissalem conheceu uma grande prosperidade do século XVII até ao início do século XIX, graças seu a produção vinícola; desta época a cidade conserva um grande número de hotéis específicos que ricos os proprietários terrestres tivesse-se feito de construir em cidade, além do que os solares que possuiam sobre as suas terras. Estes ficam são construído com a pedra branca da região de Binissalem (Pedra de Binissalem), cujas carreiras de calcário quase também tivessem considerado que o seu vinhedo.

Binissalem é a cidade de Maiorca que conta mais de hotéis específicos, após a capital, Palma. Estas casas de mestre encontram-se no centro da cidade - hoje restaurado - em redor da imponente igreja paroquial de Nossa Senhora de Robines, tão feita desta mesma pedra branca. Estão lado a lado às vezes construções mais modernas, quebrando o estilo arquitectural do centro da cidade.

Conhecidos destes hotéis específicos são Can Gelabert de la Portella e Can Sabater. Mas os outros merecem o golpe de olho: Ca n'Antic, Can Beltran, Can Corneta, Can Bugle, Can n'Enric Sureda, Can Ferrar, Can Garover, Can Garriga (com longa uma fachada barroca), Cal General Morante (pórtico barroco à colunas octogonales), Can Marc (fachada barroca), Can Novell, Can Tiró de ses Bolles, que possui uma fachada de estilo maneiristo…

Merecem igualmente a visita a Praça de Pou Bo (a Boa Fonte) com a sua antiguidade poço, que era, a causa, o centro da aldeia, já mencionada em documentos que datam de 1341, bem como a magnífica porta de Cas Capità Bissó.

Para este património arquitectural, o centro histórico de Binissalem foi declarado, em 1983, sítio de interesse histórico e artístico, que assegura-lhe uma proteção especial.

IgrejaA Igreja de Nossa Senhora de Robines (Església de Nostra Senyora de Robines / Iglesia de Nuestra Señora de Robines)
A cidade de Binissalem em Maiorca - Igreja de Nossa Senhora de Binissalem (autor Pla). Clicar para ampliar a imagem.A construção da primeira igreja de Nossa Senhora de Robines sobe ao século XIII (1248); foi construída - como frequentemente - sobre uma antiga mesquita; a igreja foi transformada do fim do século XVI ao início do século XVII, conservando ao mesmo tempo o seu estilo gótico. O seu campanário, de estilo neogótico, foi terminado apenas em 1908; este campanário é o emblema da cidade Binissalem, visível de longe desde a planície. Nostra Senyora de Robines deve o seu nome antigo ao nome da aldeia, Robines.

Dentro, o mestre-altar é de estilo barroco, com retábulos do século XVII. O órgão foi construído em 1854 por Antoni Portell; à direita do portal, em Capella de la Puríssima, encontra-se uma escultura de madeira policroma da Mare de Déu Morta (a Mãe de Deus morta).

CasaA Casa Can Sabater
Can Sabater é uma casa de mestre, datando do século XV e renovado ao século XVIII, que foi atrasado a residência secundária de um médico e escritor catalão famoso, Llorenç Villalonga (1897 - 1980). O escritor, partidário da Falange havia os verões houve a guerra civil; é aqui que escreveu um das suas novelas mais famosa “Bearn o La sala de les nines”. Em 1996, o solar, conservado bem, foi adquirido pelo Conselho de Maiorca e transformado em casa-museu Llorenç Villalonga (Casa Museu Llorenç Villalonga).

A visita de Can Sabater permite descobrir a vida diária de um destas residências de mestres, com o forno à pão, os tanques à vinho do século XVIII, a adega destinada à pisada aos pés das uvas, as cavalariças…; o móvel provem da família Villalonga. Concertos são organizados no jardim em verão.

Endereço: Carrer de Bonaire, de 25

Horários: de segunda-feira a sábado, de 10:00 à 14:00; aberto também de 16:00 à 18:00, a terça-feira e a quinta-feira.

Tarifa de entrada: gratuito

Telefone: 00 34 971 886 014

Sítio sobre a Tela: www.cmvillalonga.org

CasaA Casa Can Gelabert de la Portella
A Can Gelabert é um solar maiorquino típico com um pátio e peças decoradas de frescos no estilo de Pompeu. O escritor maiorquino Llorenç Moyà Gilabert (1916-1980), nasceu e viveu nesta residência. A construção, largamente transformada entre os séculos XVII e XIX, conserva um impressionante arco gótico.

A construção pertence doravante ao município e acolhe uma sala de exposições temporárias, um centro de saúde e a biblioteca. O pátio tornou-se uma área de jogos para as crianças.

Casal de Cultura Can Gelabert

Endereço: Carrer de la Portella s/n

Horários: de segunda-feira a sexta-feira, de 15:00 à 21:00; o sábado, de 17:00 à 19:45.

Tarifa de entrada: gratuito

Telefone : 00 34 971 886 531

DespensaA Adega Ferrer (Celler Ferrer)
Várias adegas de Binissalem - e das outras aldeias dos arredores - podem ser visitados, com ou sem encontros. Visitado é o porão José Ferrer, fundado por José Ferrer em 1931, cujas vinhas sempre são exploradas pela família Ferrer. Os seus vinhos são considerados como entre melhor de Maiorca.

A bodega Franja Roja da família Ferrer é situado à porta do sul Binissalem, Carrer del Conquistador, 103, perto da estrada de Palma à Alcúdia.

Horários da loja: de segunda-feira a sexta-feira, de 9:00 à 19:00; o sábado, de 10:00 à 14:00

Pode-se provar antes de comprar (8 à 10 € a garrafa para fermentados o comum).

Para a visita guiada, é preferível telefonar de antemão. Telefone: 00 34 971 511 050

Tarifa da visita guiada: 5,50 €

Sítio sobre a Tela: www.vinosferrer.com

ConhecimentosHistória, geografia, artes, tradições, flora…

HistóriaHistória
Ao momento da distribuição das terras, após a reconquista, o firme mouriscos Robines, Beni Salam, Beni Rasjell e outros foram atribuída ao visconde do Béarn. A aldeia nomeou-se primeiro Robines, mas Beni Salam tomou da importância e deu o seu nome à localidade.
EconomiaEconomia
ViticulturaA Viticultura
A região de Binissalem beneficia de excelentes condições para a cultura da vinha; situa-se sobre uma bandeja, à altitudes compreendidas entre 125 m e 300 m, e é protegida em inverno contra os ventos frios e húmidos do norte Serra d'Alfàbia. Os solos são ligeiros e pobres em nutrimentos, com camadas de calcário sobre argila, que contribui para a retenção de água subterrânea. O clima é um clima marítimo mediterrânico, com verões quentes e invernos curtos e suaves. Um calor excessivo em verão é o principal problema ao qual os viticultores devem fazer face. As precipitações produzem-se principalmente em Outono sob forma de trovoadas violentas.

A cultura da vinha começou na época do Império romano; ao primeiro século antes de JC, Plínio comparava os vinhos de Maiorca aos melhores vinhos da Itália. Durante a ocupação muçulmana, e apesar da proibição do Alcorão, a cultura da vinha continuou, e, quando o rei Jaume I conquistou a ilha em 1230, o Mouro Beni Abet ofereceu-lhe uvas de excelente qualidade. Ao século XIV a produção de vinho era já considerável.

A produção aumentou ainda na segunda metade do século XIX, posterior o vinhedo francês devastar, em 1862, a filoxera americana, e que a França devia importar vinho da Espanha e da Itália para satisfazer o seu pedido interno. A exportação de vinho de Maiorca atingiu o seu máximo em 1890, com 300000 hectolitros; havia então cerca de 27000 ha de vinhas à Maiorca. Mas, em 1891, a filoxera atingiu a ilha de Maiorca, destruiu as vinhas e foi uma das principais causas da emigração entre 1891 e 1895. Durante a primeira metade do século XX, a superfície vitícola total variava entre 5000 e 8500 ha, com a introdução de pés de vinha americanos resistentes à filoxera, levando garfos de videiras europeus. A cultura da vinha tinha deixado o lugar à cultura da amendoeira.

A cidade de Binissalem em Maiorca - Mapa da estrada do vinho. Clicar para ampliar a imagem.A viticultura reencontrou da vigor apenas na segunda metade do século XX com o pedido turístico para vinhos de qualidade. Em 1991, a região Binissalem foi a primeira região de Maiorca obter a Denominação de Origem (“Denominació d'origen”), antes do “D.O. Pla i Llevant” da região de Porreres. A “D.O. Binissalem” cobre a comuna de Binissalem, com uma superfície de 400 ha de vinhas, mas cobre também as comunas de Santa Maria del Camí, Sencelles, Consell e Santa Eugènia.

A videira vermelha local, o Manto Negro, representa cerca de 50% das uvas vermelhas plantadas, os outros Cabernet Sauvignon, o Callet, o Tempranillo, o Monastrell, o Syrah e o Merlot. A videira branca local, Moll (igualmente conhecido sob o nome de Prensal Branco) representa cerca de 70% das uvas brancas plantadas, os outros o Macabeo, o Parellada, o Chardonnay e o Moscatel.

TradiçãoTradições
A Festa da Vindima (Festa del Vermar ou Sa Vermada) desenrola-se o último Domingo de Setembro. Um prato típico de Binissalem, “Fideus des Vermar” - um guisado à base de carne de cordeiro, macarronetes, óleo de azeitona e de vinho tinto et cetera. - é preparado à esta ocasião; a festa dá lugar à danças, desfiles e cerca de libações…

InformaçõesInformações práticas

TremTransportes ferroviários
A estação de Binissalem é servida por serviços frequentes de Palma à Inca, continuando para o Sa Pobla ou Manacor.

Do mesmo modo, os autocarros que ligar Palma à Inca param-se em Binissalem, duas estações, sobre a Carretera de Palma.

MercadoMercado
O mercado semanal tem lugar sexta-feira de manhã.
HotelHotéis
O Hotel Scott's
Embora Binissalem não seja um destino turístico, a cidade conta um dos melhores hotéis de encanto de Maiorca: o hotel Scott' s.
O hotel Scott's é situado ao centro de Binissalem, sobre a Praça da Igreja, num antigo solar degradado, datando de 1783, que foi restaurado magnificamente em 1995. O hotel Scott' s é uns oásis de luxo. As 18 câmaras têm todos os decoração refinada e diferente, uma excelente colchoaria, dos travesseiros de penugem de ganso e dos tapetes persas; o hotel dispõe uma pequena piscina romano e um pátio muito florescido.

Endereço: Plaça de l'Església, 12

Telefone: 00 34 626 486 644 (em 2013, o hotel Scott' s devia vender-se e não aceitava mais reservas).

Sítio sobre a Tela: www.scottshotel.com

Outros assuntosOutros assuntos

Filiação do assunto
Baleares > Maiorca > Condado do Raiguer > Binissalem
Assuntos mais detalhados
Assuntos próximos
A cidade de Alcúdia em Maiorca
A cidade de Selva em Maiorca
A cidade de Campanet em Maiorca
A cidade de Búger em Maiorca
A cidade de Sa Pobla em Maiorca
A cidade de Inca em Maiorca
A cidade de Binissalem em Maiorca
A cidade de Alaró em Maiorca
Assuntos mais largos
Página inicial
Mapa interativo da ilha de Maiorca
A ilha de Maiorca nas Baleares - Brochura do OET
A ilha de Maiorca nas Baleares - Brochura dos passeios
A ilha de Maiorca nas Baleares - Brochura das estradas do artesanato
A ilha de Maiorca nas Baleares - Brochura gastronomia
A ilha de Maiorca nas Baleares - Mapa dos transportes em comum
A ilha de Maiorca nas Baleares - A história
O condado de Palma de Maiorca em Maiorca
O condado da Serra de Tramuntana em Maiorca
O condado do Raiguer em Maiorca
O condado da Planície de Maiorca (Pla de Mallorca/Llanura de Mallorca)
O condado do Levante (Llevant/Levante) em Maiorca
O condado do Meio-dia (Migjorn) em Maiorca
Assunto precedente ] [ Assunto ascendente ] [ Assunto seguinte ]
Recomendar esta página :
Recomendar este sítio :
Busca personalizada
Se atingir este quadro directamente, clicar nesta ligação para revelar os menus.