AlbâniaAlemanhaInglaterraArméniaPaís bascoBielorússiaBulgáriaCatalunhaCroáciaDinamarcaEspanhaEstóniaFinlândiaFrançaGalizaPaís de GalesGeórgiaGréciaHungriaIrlandaIslândiaItáliaImpério romanoLetóniaLituâniaMacedóniaMaltaNoruegaPaíses BaixosPolóniaPortugalRoméniaRússiaSérviaEslováquiaEslovéniaSuéciaChéquiaUcrânia
Se atingir este quadro directamente, clicar nesta relação para indicar as ementas.
Investigação personalizada

O santuário de Cura de Randa em Maiorca

[Tópico superior] [Próximo tópico] [Minorca] [Maiorca] [Ibiza] [Formentera] [Cabrera] [Acolhimento] [Site Home] [Via Gallica]
Rubricas[Fotografias] [Apresentação] [Situação] [Visitas] [Cultura] [Informações práticas] [Outros assuntos]Página editada

ApresentaçãoApresentação

Apresentação geralApresentação geral
O santuário de Cura de Randa em Maiorca - A fachada da capela - Clicar para ampliar a imagemO santuário Nossa Senhora de Cura (Santuari de Nostra Senyora de Cura / Santuario de Nuestra Señora de Cura) é um conjunto religioso situado dentro das terras da ilha de Maiorca.

A lugar é famosa, e celebrada, por ter sido o lugar onde um os personagens mais emblemáticos de Maiorca, o escritor, teólogo e filósofo Ramon Llull, teria tido, em 1274, “uma iluminação”. O Beato Raimundo Lúlio, um dos pais da língua catalão houve seguidamente um retiro lá como um eremita e houve alguns dos seus livros mais famosos.

O santuário Cura é também um lugar de peregrinação onde é venerada a imagem da Virgem de Cura (Verge de Cura / Virgen de Cura); é mais importante lugar de peregrinação de Maiorca após o de Lluc.

EtimologiaEtimologia e toponímia
O santuário de Cura de Randa em Maiorca - A estátua de Raimundo Lúlio em inverno (autor Jaume Rosselló Mir) - Clicar para ampliar a imagem em Flickr (novo guia)Cura é o nome da parte superior Puig de Randa.

A palavra “Cura” significa “cura”: os médicos do passado, com efeito, tinham constatado que a atmosfera da cimeira do monte era muito favorável às pessoas doentes do aparelho respiratório bem como a cura dos reumatismos. De fato, este lugar permanentemente é varrido por um vento fresco que dissipa os miasmas, ainda que os nevoeiros não há raros.

De acordo com certas fontes, teria havido durante a ocupação mourisca, à cimeira Puig de Randa, um “hisn”, ou castelo, nomeado Al' Uyun Qastil (o castelo das fontes). Este castelo teria sido um dos castelos mouriscos que marcavam as delimitações territoriais das províncias muçulmanas, neste caso, a fronteira do “juz” de Muntuy.

SituaçãoSituação

O santuário de Cura de Randa em Maiorca - O portal de entrada do santuário - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)O santuário de Cura é situado à cimeira Puig de Randa à 543 m de altitude, quase ao centro da planície de Maiorca (Pla de Mallorca), entre as cidades de Algaida, à 9 Km, e de Llucmajor, à 10 Km. O santuário é visível desde todas as direções, mesmo de longe; o sítio oferece um excelente ponto de vista sobre uma grande parte da ilha de Maiorca, com excepção da parte noroeste dominada pela cadeia de montanhas da Serra de Tramuntana. Por bonito tempo, pode-se aperceber menos de 36 cidades ou aldeias desde os terraços do santuário.

O santuário encontra-se à 36 km ao leste da cidade de Palma, pela auto-estrada Ma-19A seguidamente a estrada Ma-6020 até Llucmajor e a estrada Ma-5010 até a Randa.

Desde Randa, a pequena estrada de 4 km (Carrer de Cura seguidamente Ma-5018), que monta em laços apertados até ao santuário Cura, passa primeiro pelo santuário de Gracià e pela ermida de Sant Honorat. O santuário dispõe de um vasto estacionamento na frente do portal. É também possível deixar o seu veículo à aldeia de Randa e montar à pé seguindo a estrada ou tomando numerosos os atalhos; a subida toma mais de uma hora de marcha.

Côordenadas geográficas: 39° 31' 37.3" N; 2° 55' 35.3" E

VisitasVisitas

O Santuário de Cura (Santuari de Cura / Santuario de Cura)
O santuário Cura é um conjunto religioso cercado de muros que ocupa a cimeira bastante plana Puig de Randa. Este conjunto compreende uma igreja do século XVII, um mosteiro, antiga “uma sala de gramática” transformada num pequeno museu, uma hospedaria, café-restaurante e uma loja de lembranças.

A maior parte das construções são simples e moderna: são a obra dos monges franciscanos que chegaram aqui em 1913 posterior o sítio tivesse permanecido abandonado durante décadas.

PortalO Portal de Entrada
O santuário de Cura de Randa em Maiorca - O portal de entrada do santuário - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)O portal de acessos ao santuário data do ano 1682; esta data pode ler-se ao lado de um pequeno escudo do Conselho do Reino, esculpido na pedra mesma. O estado atual deste portal maiorquino do século XVII é o resultado de uma restauração de 1916.

Acima do portal encontra-se um crescente de lua, representando o escudo da nobre família Llull.

O santuário de Cura de Randa em Maiorca - O portal de entrada do santuário - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)Ao centro do frontão, sob o escudo do Llull, encontra-se o escudo (deteriorado) da Ordem Franciscano da Penitência: a cruz e os dois braços, com as iniciaiss OPC (que significam Ordo Penitentiae Claustralis, Ordem claustro da Penitência), superados de uma coroa de espinha sobre fundo de ouro, com, abaixo, três pregos sobre fundo de ouro, símbolos da Paixão de Cristo.

Acima a verga, encontra-se a inscrição: “amable fill, saluda nostra Dona qui es salut e benedicció nostra” (Ramon Llull, Blanqu[erna], capítulo 61 parágrafo 7); “Filho bem-gostado, cumprimenta Notre Dame que é nosso salvação e a nossa bênção”. A citação é tirada de uma novela utopiste, “o Livre d'Evast e Blanquerna”, escrito em catalão por Llull em 1282.

Sobre a parte inferior do arco vê-se um escudo com as iniciaiss JHS, Jesus Salvador dos Homens (IESUS, HOMINUM SALVATOR), emblema da bandeira que arvorava nas suas missões São Bernardo de Siena. Outra inscrição: “Omnia in nomine Dni. [Domini] Jesu Christi facite” (I Cor. 10) (“que qualquer seja feito em nome do Nosso Senhor Jesus Cristo”).

PátioO Pátio do Santuário
O santuário de Cura de Randa em Maiorca - O pátio e a hospedaria do santuário - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)O santuário de Cura de Randa em Maiorca - O poço da cisterna (autor Frank Vincentz) - Clicar para ampliar a imagemAo centro do pátio do santuário encontra-se um poço cuja água é potável: o santuário fornecia-se apenas de água de chuva. A importância deste poço é mencionada num texto de 1564, onde é dito como, antes da construção da cisterna, os estudantes do Colégio Cura deviam ir procurar a água à Sant Honorat, que tinha uma repercussão negativa sobre os seus estudos. Quase toda a superfície atual do pátio encontra-se acima cisternas.

À esquerda do pátio encontra-se a hospedaria do santuário.

CapelaA Capela de Nossa Senhora de Cura (Capella de la Mare de Déu de Cura)
O santuário de Cura de Randa em Maiorca - A capela do santuário - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)O santuário de Cura de Randa em Maiorca - A fachada da capela - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)O santuário de Cura de Randa em Maiorca - O relógio de sol (autor Miguel Duran) - Clicar para ampliar a imagem em Flickr (novo guia)A capela de Nossa Senhora de Cura encontra-se sobre o lado esquerdo do mosteiro. Esta pequena capela é mais a antiga construção do santuário: as suas partes mais antigas datam do século XVII, mas contem inscrições diversas, que faz supôr que foi edificada pouco a pouco: na capela do Cristo, encontra-se datado do 4 de Agosto de 1662; sobre o relógio de sol, 1668; no meio da abóbada: 1680; sobre o frontispício do coro: 1710.

Fora, o edifício é caracterizado pela presença, sobre o lado do sul, de três contrafortes superados de uma cruz, e de um campanário integrado ao muro da fachada.

O santuário de Cura de Randa em Maiorca - O presépio da capela - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)Entrando na nave encontra-se, exatamente sobre a direita, um presépio. Este presépio é conservado durante todo o ano, de acordo com antiga uma tradição franciscano estendida em toda a ilha de Maiorca, em recordar do primeiro presépio vivo e a missa de Natal 1223 que São Francisco de Assis celebrou à Greccio, na Itália.

A nave estreita é coberta por uma abóbada em berço, abruptamente truncada de trás o coro, sem abside. Os bancos estão em marchetaria e apresentam os escudos da Ordem Franciscano da Penitência, o escudo Ramon Llull e o monograma Ave Maria.

O santuário de Cura de Randa em Maiorca - A nave da capela - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)O santuário de Cura de Randa em Maiorca - A nave da capela - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)O santuário de Cura de Randa em Maiorca - O altar da capela - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)
O santuário de Cura de Randa em Maiorca - A nave da capela - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)O santuário de Cura de Randa em Maiorca - A nave da capela - Clicar para ampliar a imagemO santuário de Cura de Randa em Maiorca - A nave da capela - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)
O santuário de Cura de Randa em Maiorca - Crucifix da capela - Clicar para ampliar a imagemÀ direita da capela encontra-se uma porta que efectua à reitoria dominado pela imagem da Virgem Cura, muito pequena estátua de 42 cm de altura grès Santanyí, realizada em estilo gótico e datando do início do século XVI, provavelmente dos anos 1509 à 1517. A Virgem é representada com o Menino Jesus numa mão e uma flor no outro.

Antes do presbitério passa-se na frente de uma cruz de madeira esculpida, datando do século XVII, provindo do coro da igreja do antigo mosteiro de São Domingos (Monestir de Sant Domènec) em Palma, destruída ao século XIX. Esta cruz foi conservada na mansão de Albenya até 1861, quando Josep Morell i Esteva, proprietário do domínio, fez dom ao Santuário de Cura.

As cerâmicas da galeria situada à direita da capela são reproduções de gravuras antigas, instaladas em 1977, que representam os sete mistérios do rosário franciscano (a Anunciação, a Visitação, a Natividade, a Adoração dos Magos, Jesus ao Templo, a Ressurreição e a Coroação da Virgem).

Na capela uma missa diária é celebrada 8:00, à 10:00 e 18:00; os Domingos e dias de festa de 9:00, de 12:00 e de 19:00

A festa solene de São Francisco tem lugar o 4 de Outubro.

MosteiroO Mosteiro Franciscano de Cura
O santuário de Cura de Randa em Maiorca - A entrada do mosteiro - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)O mosteiro de Franciscanos do Terceiro-Ordem o regular foi construído no meio do século XX, sobre os planos Josep Ferragut.

Acima do portal de pedra, pode-se admirar uma pequena estátua de pedra Ramon Llull, sob a qual encontra-se um pequeno escudo da ordem que mendiga, apresentando uma cruz e dois braços.

Embora a construção atual data dos anos 1950, a chegada à Cura de Franciscanos suba à agosto de 1913, quando foi instalado lá o noviciado provincial do Terceiro-Ordem o regular. Em 1906, o bispo de Maiorca, o capuchinho Pere Joan Campins, visitou o santuário degradado em companhia Antoni Gaudi e de Joan Rubio, com a intenção de restaurá-lo. O bispo confiou à Terço-Ordem regular de São Francisco a reabilitação do santuário, a fim de fazer reviver a tradição lúliana da montanha de Randa.

Atualmente quatro irmãos há, e, com a ajuda de cerca de empregados e de voluntários, administram o santuário.

Jardim de prazerO Jardim do Mosteiro
Sobre a esquerda do mosteiro de Franciscanos encontra-se um jardim fechado de arcadas. Ao centro do jardim cria-se uma estátua de São Francisco de Assis, na sua atitude acolhedora familiar. Muito simbólicamente, aos pés da estátua do santo protetor dos animais, gatos aleijados parecem procurar consolar.
O santuário de Cura de Randa em Maiorca - O jardim do mosteiro - Clicar para ampliar a imagemO santuário de Cura de Randa em Maiorca - O jardim do mosteiro - Clicar para ampliar a imagemO santuário de Cura de Randa em Maiorca - Estátua de São Francisco de Assis - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)
EscolaA Sala de Gramática (Aula de Gramàtica / Aula de Gramática)
O santuário de Cura de Randa em Maiorca - A entrada da sala de gramática - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)Esta sala, hoje transformada em museu, é a única sobrevivência da escola de gramática do século XVII. Pouco depois a morte Ramon Llull (1316), os seus discípulos utilizaram Puig de Randa para propagar o pensamento do seu mestre, mas é apenas em 1453 que o irmão franciscano catalão Pere Joan Llobet (? - 1460) fundou a escola lúliana à cimeira da montanha de Randa. O irmão Llobet tinha obtido do rei Alphonse V um privilégio real (6 de janeiro de 1449) a fim de poder trazer à Maiorca a ciência lúliana. Erigiu o seu famoso púlpito venerável no edifício de Randa. Houve até pouco antes da sua morte, ocorrida o 11 de maio de 1446. A sua fama foi assim grande que acorreram à ele pessoas da Espanha, da Itália e da França. A escola de Arte Lúliano desapareceu após a sua morte, em 1460.

O santuário de Cura de Randa em Maiorca - A sala de gramática - Clicar para ampliar a imagemÀ época, a educação era baseada no ensino das sete artes liberais da antiguidade que compreendia o estudo “do trivium” (a gramática, a retórica e a lógica) e “quadrivium” (o aritmética, a geometria, a música e a astronomia). Em 1483 foi fundado Palma o Estudo Geral Lúliana (Estudi General Lul·lià), a primeira Universidade de Maiorca, onde eram ensinados a teologia, as artes, a filosofia, o direito e a medicina.

O santuário de Cura de Randa em Maiorca - A sala de gramática - Clicar para ampliar a imagemO ensino da Universidade Lúliana fazia-se em latino, e foi necessário fundar colégios onde era ensinada a gramática latina: em 1502, foi fundado a escola de gramática de Randa, que foi a estreia de Maiorca. Uma vez reconstruídas as dependências da antiga escola lúliana, instalou-se, em 1510, antigo no edifício, uma escola de gramática, com uma dotação anual de 50 livros; dependia do Reitor e os conciliares da Escola Lúliana estabelecida ao Estudi General de Palma. Os professores e os estudantes da Escola de Randa suportaram muitas provas, em sobretudo inverno devido às condições meteorológicas difíceis. Além disso, não havia ainda cisterna e deviam ir procurar a água à Sant Honorat.

A importância tomada pela Escola de Randa fez que os Jurados do Reino de Maiorca, a fim de facilitar e favorecer o estudo das Cartas pela juventude, pediram a criação de cátedras de ensino e a instituição de uma Sala de Estudos Gerais onde ensinaria-se a gramática, a retórica e o grego; aquilo foi atribuído durante a sessão do 4 de maio de 1553. Em 1554 começou os trabalhos reparar da capela em já ruínas; seguidamente começaram os trabalhos de construções das salas de classe e de cisternas. Em 1566, a escola acolhia uma centena de alunos; em 1588, entre cem cinquenta e cem sessenta alunos.

O santuário de Cura de Randa em Maiorca - A sala de gramática - Clicar para ampliar a imagemO santuário de Cura de Randa em Maiorca - A sala de gramática - Clicar para ampliar a imagemNo fundo da sala, de trás o púlpito de ensino, encontrava-se um altar dedicado à santa Catarina de Alexandria, virgem e mártir, santa padroeira dos estudantes, cuja imagem era representada sobre um quadro. A noite do 25 de Novembro era celebrada a festa de santa Catarina: a noite era iluminada de um imenso fogo de alegria, ao qual respondia outro fogo acendido pelos estudantes Porreres sobre Puig de Monti-Sion, outra “colina inspirada”.

Em 1623, o cónego Bartomeu Llull, o fundador do Sapiència (a Sabedoria), obteve uma subvenção de 40 livros para trabalhos de restauração da capela e para a construção magnífico “da Sala de Gramática”, que é a única parte conservada até hoje. O brasão da cidade, sobre a chave de abóbada, é marca mais visível da sala de classe de 1623.

O XIXe século vive a decadência da Escola de Randa, devido às mudanças pedagógicas postas em obra em toda a Espanha; o 25 de janeiro de 1826, o último professor de Randa demitiu e a escola fechou as suas portas.

MuseuO Museu
O santuário de Cura de Randa em Maiorca - A sala de gramática - Clicar para ampliar a imagemA antiga “Sala de Gramática”, bem como três pequenas salas situadas de parte e outro da sala de gramática, foram transformadas num pequeno museu - essencialmente lúliano. A entrada do museu é gratuita, mas os dons são apreciados.

O santuário de Cura de Randa em Maiorca - A sala de gramática - Clicar para ampliar a imagemO santuário de Cura de Randa em Maiorca - A sala de gramática - Clicar para ampliar a imagemA sala de gramática conserva certos objectos consagrados e livros religiosos em relação com o culto. Há além disso cerca de livros, documentos impressos ou manuscritos em relação com o lúlismo; outros, de temas variados, têm como denominador comum a sua relativa antiguidade e, para alguns, a sua escassez: um Tratado de teologia (Tratado de Teología) de Duns Scott. Aos muros são pendurados das pinturas, em especial à caráter religioso. Estantes contêm representações diferentes Ramon Llull e uma pequena colecção de recipientes de terra cozida, típicos de Maiorca.

O santuário de Cura de Randa em Maiorca - O astéroïde Ramon LLull - Clicar para ampliar a imagemNas pequenas salas, uma das pequenas salas apresentam mapas e cerca de velhas fotografias interessantes tomadas por Franciscanos antes da reconstrução do santuário.

O santuário de Cura de Randa em Maiorca - O museu do santuário - Clicar para ampliar a imagemDois outro das pequenas salas contêm um bricabraque pitoresco de utensílios agrícolas, domésticos ou outros, de proveniência diversa. Observará-se a colecção de garrafas “de Licor de Randa”, fabricado durante muito muito tempo ao santuário, bem como uma cópia de um mapa de Maiorca de grande valor.

O santuário de Cura de Randa em Maiorca - O museu do santuário - Clicar para ampliar a imagemO santuário de Cura de Randa em Maiorca - O museu do santuário - Clicar para ampliar a imagem

Jardim de prazerO Jardim do Santuário
O santuário de Cura de Randa em Maiorca - O jardim do santuário - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)O santuário de Cura de Randa em Maiorca - Faiança do jardim do santuário - Clicar para ampliar a imagemO santuário de Cura de Randa em Maiorca - O jardim do santuário - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)
As Arcadas
O santuário de Cura de Randa em Maiorca - As arcadas do santuário - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)O santuário de Cura de Randa em Maiorca - As arcadas do santuário - Clicar para ampliar a imagemUma galeria à arcadas foi construída nos anos 1930 para proteger os peregrinos e os visitantes do forte vento do norte que golpeia frequentemente esta cimeira.
MiranteO Terraço do OesteMiranteO Terraço do Nordeste
Do terraço arranjado ao oeste descobre-se um magnífico panorama sobre Palma de Maiorca e a baía de Palma, com, em fundo, o monte Galatzó, e, ao noroeste o Puig Major e a Serra de Tramuntana. Durante os meses desde Outubro até Dezembro, chega-se a ver distante à ilha de Ibiza. É muito frequente também aperceber a ilha de Cabrera, ao sudeste.O terraço do noroeste oferece talvez melhor ponto de vista de toda a ilha de Maiorca. Ao noroeste, a cadeia da Serra de Tramuntana; ao norte, apercebe-se Inca, a baía de Alcúdia, a cidade de Pollença e até ao cabo de Formentor; ao nordeste, a cidade de Manacor.
O santuário de Cura de Randa em Maiorca - O terraço do oeste (autor Frank Vincentz) - Clicar para ampliar a imagemO santuário de Cura de Randa em Maiorca - O noroeste da ilha visto desde o terraço do nordeste - Clicar para ampliar a imagemO santuário de Cura de Randa em Maiorca - A vista sobre o norte do Pla de Mallorca desde o terraço do nordeste - Clicar para ampliar a imagem
CavernaA Gruta do Beato Raimundo Lúlio (Cova del Beat Ramon Llull / Cueva del Beato Raimondo Lulio)
O santuário de Cura de Randa em Maiorca - Estátua de Ramon Llull no jardim do santuário - Clicar para ampliar a imagem“A gruta Ramon Llull” seria o lugar onde o sábio teria feito uma reforma, em 1274, para entregar-se à meditação e a contemplação. A gruta não é acessível por razões de segurança.

Na sua autobiografia, provavelmente escrita à Paris em 1311, “Vida coetània” (Vida Contemporânea), Ramon Llull conta que, mais ou menos dez anos após a sua conversão (1263), retirou-se sobre uma montanha. Após uma semana, teria recebido “uma iluminação” - que sempre acreditou de origem divina - que lhe revelava o conteúdo de um livro e o método que deveria permitir argumentar contra os erros do infiéis. Esta iluminação tomou a forma de um arbusto (Mata Escrita) cujas folhas levavam inscrições em grafia árabe, língua que conhecia para ter-o estudar durante os nove anos precedentes. Realmente, tratava-se provavelmente dos vestígios deixados por um cogumelo parasítico das folhas; estes vestígios têm a aparência de caráteres orientais.

O santuário de Cura de Randa em Maiorca - A iluminação Ramon Llull à Randa - Clicar para ampliar a imagemCrê-se que a montanha em pergunta era Puig de Randa, porque, desde a conquista de Maiorca pelo rei Jaume I em 1229, a montanha de Randa tinha-se tornado um lugar de predileção para eremitas. Os três santuários de Randa devem de resto a sua origem às tantas antigas ermidas. Perto da cimeira Puig de Cura, pode-se ainda distinguir hoje mais de dez cavidades escavadas no balanço e compreendendo beliches de forma estreita e alongada; a sua profundidade não excede 1 ou 2 metros. Contudo, mais lógica e documentado, é que Ramon Llull viveu na aldeia de Randa, onde a sua família era proprietário de cerca de casas e de terras, e montava à montanha para meditar.

Raimundo Lúlio retornou da montanha de Randa e entrou, como laico, ao mosteiro cisterciano do Real (Monestir de la Real) em Palma, onde moines ensinaram-lhe o latino, e onde escreveu a sua obra “Sumário da arte de encontrar a verdade” em primeiro árabe, seguidamente em catalão (Arte abreujada de trobar veritat) e, por último, em latino (“Ars compendiosa inveniendem veritatem”), primeira versão o seu “Ars Magna”.

Atrasado, em 1275, Ramon Llull subiu à montanha de Randa, que faz-se construir uma ermida, que foi nomeado atrasado Nossa Senhora de Randa (Nostra Senyora de Randa), houve ermite durante quatro meses. O eremitismo constituirá para Lulle um ideal de perfeição que seja uma constante na sua obra. A gruta foi destruída parcialmente ao século XVIII. Um limite e a efígie Ramon Llull foi colocada lá em 1933, mas a efígie vandalizada selvaticamente há cerca de anos.

Este episódio da iluminação foi o fundamento do pensamento lúliano, a arte, da qual acreditavam-se dotado aconhecer os mecanismos precisos de conversão do infiéis. Guardou o apelido, sob o qual será conhecido, “de Doctor Illuminatus”.

ConhecimentosHistória, geografia, artes, tradições, flora…

PersonagemPersonagens
O santuário de Cura de Randa em Maiorca - Miniatura do Ars Magna Ramon Llull - Clicar para ampliar a imagem
Raimundo Lúlio (Ramon Llull / Raimundo Lulio)
O santuário de Cura de Randa em Maiorca - Estátua de Ramon Llull no jardim do santuário - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)O santuário de Cura é vinculado estreitamente em nome Ramon Llull (1232-1315).

Raimundo Lúlio nasceu Palma de Maiorca em 1232, de parentes catalães, pouco depois a reconquista da ilha pelos Catalães. Como a do futuro São Francisco de Assis, a sua juventude foi que trepida e libertina até para a idade de trinta anos. Em 1263, converte-se após ter tido à cinco retomas a visão do Cristo crucificado.

Durante os dez anos que seguiram Llull consagrou-se à sua formação moral e teológico, e aprendeu o árabe com a ajuda de um escravo muçulmano que tivesse comprado.

Em 1274, teve “uma iluminação” sobre a montanha de Randa que lhe inspirou numerosos livros. Viajou seguidamente na Europa e a África do Norte para converter os judeus e os muçulmanos.

Raimundo Lúlio morreu em mar, fora Maiorca, o 29 de Junho de 1315 de regresso de Túnis para a sua ilha natal. O seu corpo descansa numa capela da igreja dos Franciscanos de Palma.

Raimundo Lúlio é considerado como um dos pais da língua catalão, que fez passar do estatuto de dialeto ao de língua literária e língua de cultura, porque escreveu apenas em latino (sob o nome de Raimundus Lullus), em árabe (sob o nome de رامون لول), e - para a maior parte das suas 260 publicações - na língua vernaculaire catalão (Ramon Llull).

Mesmo se formalmente não for beatificado, Ramon Llull é venerado como um Beato, e, em Catalunha, como um santo.

Muito sobre Raimundo Lúlio ao Centre de Documentació Ramon Llull da Universidade de Barcelona: orbita.bib.ub.edu/ramon/

Càntic dels pelegrins de RandaCântico dos peregrinos de Randa
Pugem a Cura, l'alt santuari d'on la volada prengué Ramon. És el paratge a on solitari, fent penitència, fugi del món. Facem reviure pel centenari santes memòries que encara hi són. A Cura en vida contemplativa Llull se va veure transfigurat, rebé les armes i força activa per les grans lluites d'apostolat ; i, sensé estudis, a la llum viva quedà fet savi il.luminat. Oh puig de Randa, solar de Cura, d'on sant i savi Ramon sortí, noble peanya de tal figura, que te veneri tot mallorquí, i arreu escampi l'edat futura la llum excelsa brollada aquí !

Miquel Costa i Llobera, Palma, 31 maig-4 juny 1915

O santuário de Cura de Randa em Maiorca - Poema de Miquel Costa i Llobera - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)
Cobrição Cura, o elevado santuário onde a divulgação apreende Ramon. É a lugar onde, solitário, fazer penitência e escapar ao mundo. Faz reviver para o centenário as lembranças consagradas que estão sempre lá. À Cura em vida contemplativa Lulle vive-se transfigurado, recebeu as armas e a força ativa para as grandes batalhas do apostolat; e, sem estar a estudar, à luz vive, foi feito sábio iluminado. Ô Monte de Randa, lugar de cura, onde o santo e cientista Ramon veio, de nobre pedestal de tal personagem que é venerado em qualquer Maiorca e que difunde sobre os tempos próximos o sublime e brilhante luz aqui!

Miquel Costa i Llobera, Palma, o 31 de Maio - 4 de Junho de 1915

InformaçõesInformações práticas

Informação geralInformação geral
LojaLoja
O santuário de Cura de Randa em Maiorca - O licor do santuário de Cura (autor Deltascope) - Clicar para ampliar a imagemNa loja de lembranças do santuário de Cura - construída sobre as ruínas dos dormitórios dos estudantes da escola - encontra-se o famoso licor à base de plantas de Randa, produzido de acordo com antiga e secreta receita, e que teria propriedades curativas. Trata-se de um licor à 40% de álcôol, suave e açucarado; anteriormente era fabricada ao santuário.

O santuário de Cura de Randa em Maiorca - A loja do santuário - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)Para os visitantes mais sérios, encontra-se também um pequeno livro sobre os santuários do Monte de Randa: “La Muntanya dels tres Santuaris” de Gaspar Munar i Oliver.

Horas de visitaHoras de visita
Horários: de segunda-feira a sábado, 10:00 à 13:00 e 15:30 à 18:00 Fechado os Domingos e dias feriados.

Telefone: 00 34 971 660 994

Tarifa de entrada: a Ordem de Franciscanos é uma ordem mendicante; a entrada é gratuita, mas deve-se verter o seu óbolo aquando da visita do museu.

Sítio sobre a Tela: www.santuaridecura.com

HotelHotéis
O santuário de Cura de Randa em Maiorca - O terraço do restaurante à deitar do sol (autor dilemma_pics) - Clicar para ampliar a imagem em Flickr (novo guia)
O santuário de Cura de Randa em Maiorca - Prospectos da hospedaria do santuário - Clicar para ampliar a imagemPara os viajantes em procura de misticismo, de serenidade ou - muito simplesmente - de uma atmosfera salubre, é possível residir à cimeira Puig de Cura, à hospedaria do santuário. A hospedaria Cura dispõe de 31 câmaras e de 4 pequenos apartamentos, construídos em 1947, mas renovados desde… As câmaras são de um conforto espartano, mas com uma sala de banho, a televisão e o wifi. Os apartamentos têm um pequeno terraço que faz face ao sudoeste com uma vista magnífica sobre a baía Palma, distante.

Os visitantes e os hóspedes encontrarão café-restaurante, conveniente e não demasiado caro, na parte noroeste do santuário, sob as arcadas. O café dispõe de um terraço que oferece uma vista magnífica sobre o oeste de Maiorca.

A recepção da hospedaria encontra-se sobre a esquerda do pátio após a entrada do santuário.

Tarifa: câmara dupla 60 €, câmara individual 40 € (pequeno - almoçar compreendidos).

Telefone: 00 34 971 120 260

Correio electrónico: reservas@santuariodecura.com

Outros assuntosOutros assuntos

Filiação do assunto
Baleares > Maiorca > Condado da Pla de Mallorca > Algaida > Randa > Santuário de Cura
Assuntos mais detalhados
Assuntos próximos
O santuário de Cura de Randa em Maiorca
O santuário de Gràcia de Randa em Maiorca
A ermida de Sant Honorat de Randa em Maiorca
Assuntos mais largos
Página inicial
A aldeia de Randa em Maiorca
Tópico superior ] [ Próximo tópico ]
Recomendar esta página :
Recomendar este sítio :
Investigação personalizada
Se atingir este quadro directamente, clicar nesta relação para indicar as ementas.