AlbâniaAlemanhaInglaterraArméniaPaís bascoBielorússiaBulgáriaCatalunhaCroáciaDinamarcaEspanhaEstóniaFinlândiaFrançaGalizaPaís de GalesGeórgiaGréciaHungriaIrlandaIslândiaItáliaImpério romanoLetóniaLituâniaMacedóniaMaltaNoruegaPaíses BaixosPolóniaPortugalRoméniaRússiaSérviaEslováquiaEslovéniaSuéciaChéquiaUcrânia
Se atingir este quadro diretamente, clicar nesta ligação para revelar os menus.
Busca personalizada

A velha cidade de Palma de Maiorca - O noroeste

[Assunto precedente] [Assunto ascendente] [Assunto seguinte] [Minorca] [Maiorca] [Ibiza] [Formentera] [Cabrera] [Página inicial] [Ilhas Baleares] [Via Gallica]
Rubricas[Fotografias] [Apresentação] [Situação] [Visitas] [Cultura] [Informações práticas] [Outros assuntos]Página editada

ApresentaçãoApresentação

Apresentação geralApresentação geral

SituaçãoSituação

VisitasVisitas

PraçaA Grande Praça (Plaça Major)
O noroeste da velha cidade de Palma de Maiorca - Mistificação mística sobre Plaça Major. Clicar para ampliar a imagem.O noroeste da velha cidade de Palma de Maiorca - Mistificação mística sobre Plaça Major. Clicar para ampliar a imagem.O bairro da Plaça Major protege numerosas construções modernistas. Introduzida a Baleares por arquitectos catalães, esta corrente arquitectural tomou da amplitude Palma ao início do século XX.

A Plaza Mayor é também o reino dos saltimbancos e os vendedores ambulantes clandestinos que se dispersam à abordagem da polícia.

MuseuO Museu de Arte Espanhol Contemporâneo (Museu d'Art Espanyol Contemporani / Museo de Arte Español Contemporáneo)
O noroeste da velha cidade de Palma de Maiorca - Museu de arte contemporâneo. Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).O noroeste da velha cidade de Palma de Maiorca - Museu de arte contemporâneo. Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).O Museu de Arte Espanhol Contemporâneo (Colecção March) é instalado, no centro histórico Palma, num solar de estilo regional, que encontra a sua origem ao século XVII. A construção era a causa modesta uma pousada conhecida sob o nome de “Gallard Canyar”. Reconstrói e foi aumentado pela adição de uma propriedade vizinha ao segundo terço do século XVIII, seguidamente foi transformado duas vezes durante o século XIX: a primeira vez no meio do século, a fim de modernizá-lo, a segunda vez por volta de 1897, quando a propriedade foi cortada de vários metros de fachada para alargar a rua de São Miguel (Carrer Sant Miquel).
A construção foi adquirida em 1916 pelo banqueiro Joan Ordinas March quando ele decidiu deixar a sua cidade natal, Santa Margalida, para vir instalar-se Palma. Joan March pediu ao arquitecto Guillermo Reynes i Font (1877-1918) de renovar Gallard Canyar para fazer a sua residência na capital. O arquitecto vive-se igualmente confiar um segundo projeto: a construção de uma vila de aprovação Sa Torre Cega, sobre a costa Capdepera, do qual a esposa do banqueiro, Melis Elionor Servera, era originário.
O noroeste da velha cidade de Palma de Maiorca - Escaliers do museu de arte contemporâneo. Clicar para ampliar a imagem.O noroeste da velha cidade de Palma de Maiorca - Escaliers do museu de arte contemporâneo. Clicar para ampliar a imagem.O noroeste da velha cidade de Palma de Maiorca - Escaliers do museu de arte contemporâneo. Clicar para ampliar a imagem.
O noroeste da velha cidade de Palma de Maiorca - Museu de arte contemporâneo. Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia).O noroeste da velha cidade de Palma de Maiorca - Museu de arte contemporâneo. Clicar para ampliar a imagem.A renovação, que se terminou em 1917, visava a transformar os andares superiores em residência para a família, e o rés-do-chão em escritórios para as atividades da instituição financeira de Joan March. Mas é apenas em 1926 que a construção tornou-se a sede oficial do Banco March.

A construção foi atrasado objecto de outras modificações, mais importante o em 1990, quando ficou a sede da colecção de arte espanhola contemporânea da Fundação Joan March (Fundación Juan March). Esta transformação tocou o conjunto da construção, com excepção do pátio interno com as suas escadas, as salas do rés-do-chão que protegem ainda escritórios, fachadas e telhados.

O noroeste da velha cidade de Palma de Maiorca - Museu de arte contemporâneo. Clicar para ampliar a imagem.O noroeste da velha cidade de Palma de Maiorca - Museu de arte contemporâneo. Clicar para ampliar a imagem.Este rico museu de pintura apresenta uma exposição permanente da bonita colecção de Joan March composto mais de 70 telas de 52 artistas contemporâneos espanhóis, como Salvador Dali, Pablo Picasso, Joan Miró, Juan Gris e outros artistas menos conhecidos como Antonio Lopez ou ainda Eduardo Chilida. O museu possui igualmente uma sala consagrada à exposição das obras gráficas Pablo Picasso. A visita oferece uma abordagem interessante da arte na Espanha ao século XX desde o surrealismo até ao advento das novas tendências. Exposições temporárias que apresentam as correntes atuais regularmente são organizadas.
Visita:

Museu de Arte Espanyol Contemporani - Fundação Joan March

Endereço: Carrer Sant Miquel, 11 (à 2 minutos à pé Plaça Major)

Telefone: 00 34 971 713 515

Sítio sobre a Tela: www.march.es/arte/palma/

Aberto de segunda-feira a sexta-feira, de 10:00 à 18:30; o sábado, de 10:30 à 14:00 Fechado os Domingos e festas.

Entrada gratuita.

A Fundação Caixa (Fundacion Caixa)
A Plaça Weyler é dominado pelo Gran Hotel, muito bonita alvenaria à fachada decorada de vidro, de ferro forjado e elementos de madeira. Este bonito solar, trabalha Lluis Domenech i Montaner, vem sofrer uma importante restauração que entregou em valor as suas formas extravagantes.

O Gran Hotel protege a fundação Caixa há exposições temporárias além da exposição permanente das obras do pintor Anglada Camarassa.

Visita de terça-feira a sábado, de 10:00 à 21:00; os Domingos e festas, de 10:00 à 14:00

Tarifa: Entrada gratuita.

Endereço: Gran Hotel - Plaça Weyler, 7

Telefone: 00 34 971 178 500

PátioCan Montaner ou Can Morell de les Caputxines
A Can Montaner, igualmente nomeada Can Morell de les Caputxines, é situada ao n° 11 Carrer de les Caputxines.

Este solar de estilo gótico data do século XVI, mas reconstrói ao século XVII e foi renovado ao século XVIII, apagando todos os vestígios que poderiam trair as suas origens medievais.

O portal principal, com um arco segmentar, bem como um côncavo original, e uma varanda de estilo barroca na parte superior é os traços característicos da fachada principal. A varanda era ornada de armas de brasão que representa no seu centro a coroa do marquês de Reguer; não é mais hoje em dia visível. No pórtico pode-se ver pilares octogonais. A entrada tem um teto à vigas e um arco rebaixado que efetua ao pátio interno. Aos elementos mais notáveis no pátio são uma escada monumental à direita, acessível via outra arca, e as capitais dos pilares que representam os escudos das famílias Amar e Muntaner.

PátioCan Garau d'Aixartell
A Can Garau d'Aixartell encontra-se nele em Carrer de Can Campaner, ao número 1.

A casa Can Garau d'Aixartell pertence ao estilo medieval: as janelas à pilaretes que abrem-se sobre uma das fachadas testemunham. Ao século XVI, a casa pertenceu à Don Miquel Garau, cujas armas aparecem acima a janela do estudo. Miquel Garau casado Margalida Aixartell: é desta união que vem precisamente o nome da casa.

O pátio é o resultado das várias intervenções arquitecturais ao longo de todo o tempo. Sobre os capitéis das colunas, vê-se aparecer as armas da família Rossinyol.

PátioCan Ferrandell
A Can Ferrandell é situada nele Carrer de Sant Jaume, ao número 3.

Antes do século XVIII, a Can Ferrandell foi o solar dos Gual-Moix. Em 1790, era a propriedade Josep Ferrandell, marqueses do Cova, ligado ao domínio (possessió) de Son Ferrandell em Valldemossa. Em 1805, o seu sobrinha, Francesca Villalonga i Ferrandell, deu à casa o nome de Can Ferrandell. Em 1788 casou com o militar Ramón Maroto Gonzalez; é por esta razão que a casa às vezes é nomeada Can Maroto.

O interior apresenta um vestíbulo que data de 1723, no qual encontra-se colunas de mármore vermelho de estilo iónico, que apoiam os arcos rebaixados e a cobertura à quatro abóbadas à espinhas, assim como a escada que se encontra aqui, situado no vestíbulo e não o pátio aberto. O pátio quadrado, renovado, conserva o escudo do Ferrandell.

Em 1954, a Can Ferrandell sofre trabalhos para ser transformados em hotel, o hotel Born.

PátioCan Rullan
A Can Rullan encontra-se ao número 4 ele Carrer Sant Jaume.

A Can Rullan é o antigo solar do marquês de Reguer; foi construído desde 1833 sobre os planos do arquitecto Bartomeu Ferrà. Foi concebido como solar de estilo néogótico com um pátio, e influenciado numerosas casas de estilo medieval Palma, bem como a arquitectura gótica catalão. A Can Rullan foi a propriedade dos Condes de San Simón, bem como a residência da família Reguer-Rullan.

Acede-se ao pátio pela entrada, com teto coberto. Sobre o portal é conservado o escudo do San Simón, que também é representado sobre os capiteis dos pilares. No pátio, pode-se ver arcos rebaixados, uma escada com grades e painéis contornados, e qualquer rico ornamentação inspirada de estilos antigos, e mais particularmente o bestiário medieval.

Desde 1990, a Can Rullan é a sede da fundação Barceló.

A Fundação Barcelo (Fundació Barceló / Fundacion Barcelo)
A Fundação Barcelo ocupa a Can Rullan, bonita uma residência maiorquino do fim do século XIX.

Esta fundação foi criada pela família Barceló Oliver e a sua atividade é orientada para a educação, a formação e a investigação da arte de um ponto de vista didático. Protege uma colecção de pintura maiorquino do século XIX e a primeira metade do século XX.

Visita todo o ano (excepto em agosto) de 9:30 à 13:30 e 16:30 à 20:00

Tarifa: entrada gratuita.

Endereço: Carrer Sant Jaume, 4

Telefone: 00 34 971 722 467

PátioCan Iraola
A Can Iraola é situada nele em Carrer de la Gavarrera, ao número 4.

É uma casa e um pátio de origem medieval, alterado ao século XVII e sobretudo o início do século XIX quando tornaram-se a propriedade da família de origem basca, o Iraola. Pelo portal externo, com arcos em cheia curvatura, acede-se ao caminho de entrada, de dimensões reduzidas, conservando o andamento dos pátios mais antigos. As vigas do teto descansam sobre corvos de pedra que, com o arco ogival, fazem referência ao seu passado medieval, o das casas góticos do XIVe-XVe século.

PátioCan Castelló
A Can Castelló encontra-se ao número 12 Carrer de la Concepció.

A residência era em 1685 a propriedade do mercador Onofré Barceló. Em 1724, passou entre as mãos do governador génois Carlo Fonticelli, que efetuou uma renovação da casa e o seu pátio, com clara uma influência italiana. Atrasado, é a propriedade do francês Francesc Ascher, casado à Francesca Fonticelli i Socíes. Com o tempo, a casa alterou de proprietário. Ao século XIX, passa entre as mãos de Bartolomeu Castelló i Sard, herdeiro Rosa Ascher i Fonticelli.

O pátio apresenta um elegante jogo de arcos aplainados e abóbadas de espinhas, que descansam sobre colunas de mármore vermelho de estilo iónico. A escada, à origem em duas partes, foi estendida aquando de uma transformação ao século XIX. O aspecto modernisto da fachada é o resultado de uma renovação do arquitecto Jaume Alenyà em 1909. No fundo do pátio, encontra-se um jardim.

PátioCan Forteza del Sitjar
A Can Forteza del Sitjar encontra-se ao número 24 Carrer de la Concepció. É um pátio que corresponde à tipologia tradicional do século XVII. Ao século XVI, pertenceu à família Safortesa, e em 1685 ficou a propriedade de Pere Antoni Quint-Safortesa. De acordo com as estimativas então, a casa tinha um valor 1.800 lliures.

A entrada é caracterizada pelo seu teto, e o jogo de quatro arcos rebaixados que descansam sobre oito semi-colunas apoiados, em arenitos. Em todo o pátio, encontra-se elementos decorativos interessantes como os carasses, folhas de acanto e escudos sobre os capitéis das colunas.

Atualmente, é a sede do colégio das religiosas trinitárias: o resto da construção sofreu várias transformações importantes para adaptar-se à este uso escolar.

IgrejaA Igreja Paroquial de São Tiago (Església de Sant Jaume / Iglesia de San Jaime)
PátioCal comte de San Simón
A Cal Comte de San Simón encontra-se nele Carrer de Sant Jaume, ao número 7.

Este solar foi edificado no meio do século XIX, entre 1854 e 1856, sobre os planos de Miquel Ferrà i Font, para tornar-se a residência Luis de san Simón i Orlandis, Conde de San Simón. A residência foi construída sobre as fundações de uma antiga casa do século XVII que pertence à família Orlandis, herdeiros de uma família nobre do século XIV originário de Pisa, e refugiado à Maiorca no fim o XV do século, fujindo os Florentino. Em 1803, Josepa Orlandis de Cornelles casou com Louis Saint-Simon, Conde francês instalado à Maiorca em 1795, fujindo a França revolucionária, e pai de Luís de San Simón i Orlandis.

O edifício de estilo néoRenascimento fora, comporta um pátio atípico quanto tradição à maiorquino, e reflete forte uma influência francesa. A elegante janela palladiana, de colunas caneladas de estilo iónico, rende o lugar à uma escada imperial, de mármore branco. Sobre a varanda central pode-se ver o escudo do San Simón.

No ano 1872, o arquiduque Luis Salvador menciona que “a casa é construída em mármores vermelhos e pretos de Maiorca, particularmente Artà e Binissalem”.

PátioCan Tacón
A Can Tacón é situada ao número 11 ele Carrer de Sant Jaume.

Ao século XVI, a casa foi a propriedade da família Gual-Desmur. Ao século XIX, a Can Tacón pertenceu ao capitão geral de Maiorca Miquel Tacón i Rosique, que se deveu da União da Cuba entre 1843 e 1847, das quais tem o seu nome. A casa, de origem gótico, conserva elementos estruturais decorativos de diferentes épocas, em especial as sete janelas à pilaretes góticos, os arcos aplainados de estilo Renascimento e outros elementos dos século XIX e XX.

Outros assuntosOutros assuntos

Filiação do assunto
Baleares > Maiorca > Condado de Palma > Palma > Velha cidade > Noroeste
Assuntos mais detalhados
Assuntos próximos
Mapa interativo da velha cidade de Palma de Maiorca
A velha cidade de Palma de Maiorca - O noroeste
A velha cidade de Palma de Maiorca - O nordeste
A velha cidade de Palma de Maiorca - O sudeste
A velha cidade de Palma de Maiorca - O sudoeste
A velha cidade de Palma de Maiorca - Ao oeste do Born
Assuntos mais largos
Página inicial
Mapa interativo da cidade de Palma de Maiorca
A velha cidade de Palma de Maiorca e os seus pátios
A cidade de Palma de Maiorca - O castelo de Bellver
A aldeia de Can Pastilla em Maiorca
Assunto precedente ] [ Assunto ascendente ] [ Assunto seguinte ]
Recomendar esta página :
Recomendar este sítio :
Busca personalizada
Se atingir este quadro directamente, clicar nesta ligação para revelar os menus.