AlbâniaAlemanhaInglaterraArméniaPaís bascoBielorússiaBulgáriaCatalunhaCroáciaDinamarcaEspanhaEstóniaFinlândiaFrançaGalizaPaís de GalesGeórgiaGréciaHungriaIrlandaIslândiaItáliaImpério romanoLetóniaLituâniaMacedóniaMaltaNoruegaPaíses BaixosPolóniaPortugalRoméniaRússiaSérviaEslováquiaEslovéniaSuéciaChéquiaUcrânia
Se atingir este quadro directamente, clicar nesta relação para indicar as ementas.
Investigação personalizada

O parque natural de S'Albufera em Maiorca

[Tópico anterior] [Tópico superior] [Minorca] [Maiorca] [Ibiza] [Formentera] [Cabrera] [Acolhimento] [Site Home] [Via Gallica]
Rubricas[Fotografias] [Apresentação] [Situação] [Visitas] [Cultura] [Informações práticas] [Outros assuntos]Página editada

ApresentaçãoApresentação

Apresentação geralApresentação geral
O parque natural de S'Albufera em Maiorca - Pernilongo (Himantopus himantopus) - Clicar para ampliar a imagemO parque natural de S'Albufera em Maiorca - Plano do parque natural - Clicar para ampliar a imagemO Parque natural de S'Albufera de Maiorca (Parc natural de s'Albufera de Mallorca / Parque Natural de la Albufera de Mallorca) é mais grande a zona húmida das Ilhas Baleares; a lagoa é situada ao norte da ilha de Maiorca, ao bordo de baía de Alcúdia, da qual é separada por uma corda de dunas. Uma parte da lagoa foi classificada Parque natural em 1988.

O parque natural de S'Albufera em Maiorca - Patos-reales - Clicar para ampliar a imagemInundada durante quase todo o ano, esta zona - de cerca de 1700 hectares - tem uma importância ecológica capital, não somente pela presença de pássaros migratórios, há uma área de descansos entre a Europa e a África, mas também numerosas pelas espécies vegetais que vivem neste meio onde misturam-se água suave e água salgada.

EtimologiaEtimologia e toponímia
O topônimo S'Albufera provem do árabe “Al buhaira” (بحيرة), “o pequeno mar”, “a lagoa”, nome que os ocupantes mouriscos deram à esta lagoa, como à umas outras zonas húmidas da Espanha (Albufera de Valencia) e de Portugal (Albufeira em Algarve). Existe outra zona húmida, perto S'Albufera, nomeado S'Albufereta (“a pequena lagoa”) e situado sobre a comuna de Pollença.

SituaçãoSituação

O parque natural de S'Albufera em Maiorca - O parque de S'Albufera (autor Chixoy) - Clicar para ampliar a imagemA zona húmida de S'Albufera situou-se ao sul da baía de Alcúdia, entre o Port d'Alcúdia e Ca'n Picafort, no norte da ilha de Maiorca. Estende-se dos 2850 hectares, repartidos sobre as comunas Alcúdia, o Sa Pobla e Muro, com um perímetro de 32 quilómetros.

A zona protegida do Parque natural cobre apenas 1700 hectares, e é dividida entre as comunas de Sa Pobla, ao norte, e Muro, ao sul, para a essencial parte.

O parque natural de S'Albufera em Maiorca - S'Oberta, a embocadura do Grande Canal - Clicar para ampliar a imagemO Parque S'Albufera limitou-se ao leste pela estrada Ma-12 que ligar Alcúdia a Artà, que é construído sobre a corda de dunas que fecha a lagoa. A lagoa derrama-se na baía de Alcúdia pelo Grande Canal (Gran Canal de s'Albufera) ao lugar nomeado S'Oberta, a embocadura. A estrada Ma-12 cruza o Grande Canal à Ponte dos Ingleses (Pont dels Anglesos), onde encontra-se a entrada do Parque natural.

O limite do sul do parque encontra-se perto da aldeia de Can Picafort, ao limite das comunas Muro e de Santa Margalida. Ao oeste a cercadura do parque segue o Canal des Polls, desde Can Blau ao norte até Sa Font de Son Sant Joan, ao sul.

VisitasVisitas

PântanoA Lagoa de S'Albufera
O parque natural de S'Albufera em Maiorca - Vista aérea do parque (autor Chixoy) - Clicar para ampliar a imagemA lagoa de S'Albufera é o resultado da flutuação do nível do mar Mar Mediterrâneo que, durante as eras geológicas, desde 18 milhões de anos, inundou seguidamente se retirou da planície de Sa Pobla (Pla de Sa Pobla), e mesmo o conjunto da planície de Maiorca (Pla de Mallorca). Durante a última era glacial, há cerca de 100.000 anos, formou-se a zona húmida atual. A corda litoral arenosa, que deu o seu aspecto atual à lagoa, é ainda mais recente: foi criado pelas correntes marinhas durante os 10000 últimos anos.

Os limites da lagoa S'Albufera muito variaram-se durante os tempos: em período de elevadas águas, nos 10000 últimos anos, a lagoa atingia, ao norte, a cidade de Pollentia e as zonas de Es Murterar e o Son Fe, onde encontra-se agora a estrada de Palma a Alcúdia. A zona húmida atinge a sua mais grande profundidade (7 ou 8 m) no lago das Pontes (estany dels Ponts), no norte da lagoa.

O parque natural de S'Albufera em Maiorca - O grande canal - Clicar para ampliar a imagemA lagoa é alimentada pelas precipitações de uma bacia pluvial de 640 km² encaminhadas até Albufera por cursos de água sazonais, as “torrentes”: ao noroeste, as águas de chuva Serra de Tramuntana são recolhidas Torrent de Sant Miquel, que toma a sua fonte perto do Mosteiro de Lluc, e que deve o seu nome à ermida de Sant Miquel, junto da qual passa Campanet; ao sul, as águas do centro de Maiorca, Torrent de Muro; fontes subterrâneas, nomeadas localmente “ullals”, derramam também as águas das coberturas preáticas na lagoa. A barra costeira, constituída de dunas, impede a saída direto da água suave para o mar; a água é retida para formar vastas zonas inundadas, onde acumulam-se os sedimentos. Em cerca de lugares, como à S'Oberta, a água encontra-se uma via de saída. Em período de fracas precipitações, durante os meses de verão, são as águas salgadas de baía de Alcúdia que penetra, em pequena quantidade, na lagoa de S'Albufera.

O parque natural de S'Albufera em Maiorca - Patos-reales - Clicar para ampliar a imagemEsta mistura variável de água suave e água salgada é a causa das diferentes formas de meios húmidas - de acordo com a taxa de salinidade, a profundidade das águas e a natureza dos solos - que fazem a riqueza ecológica S'Albufera. A grande variedade de espécies vegetais, que procuram um abrigo e do alimento à uma multidão de animais, que estão à sua torre o alimento de muitos outros animais, faz S'Albufera o sítio que tem mais a grande biodiversidade de todas as Ilhas Baleares. A inundação quase permanente de uma grande parte da lagoa oferta das condições favoráveis ao crescimento da vegetação; há incessantemente, sob a forma de algas, plantas aquáticas, de densos prados cobrir de colmo e de tojos, de bosques de margens. A vegetação libera o oxigénio e absorve os nutrimentos, limpando ao mesmo tempo a água dos excessos de minerais que se acumulam durante o seu ciclo. A vegetação constitui o alimento e o refúgio para a fauna, que aproveita de mil maneiras, desde mais o pequeno inseto, que suga a seiva cobrir de colmo, até ao boi que impõe que engole cada dia das dezenas de quilos de erva. Os animais são também recursos para outros animais: o mosquito que pica o gado será devorado por um sapo, que seja ele mesmo a presa de uma serpente, que termine por sua vez comido por uma escovadela.

O parque natural de S'Albufera em Maiorca - O canal des Sol - Clicar para ampliar a imagemOs homens também frequentaram os pântanos de S'Albufera, desde tempos imemoráveis, para retirar recursos económicos: a caça e a pesca, primeiro, seguidamente a cultura do arroz, para alimentar-se; o sal para conservar os alimentos; ervas para alimentar o gado; a cana e cobrir-se de colmo que serviam de materiais de fabricação para diversos produtos. A atividade humana para explorar o pântano, ao fio do tempo, reduziu de metade a superfície das zonas húmidas.

A cidade romana de Pollentia, situada perto do atual Port d'Alcúdia, era já um porto, com um magnífico ancoradouro que podia acolher a frota imperial. O nível das águas devia ser, à época, de 2 à 3 m superior ao de hoje, e a lagoa de S'Albufera chegou proximidades de Pollentia. As caças de água do pântano eram apreciadas muito dos Romanos: Pline o Antigo traz que o garças de noite, ou savacus (Nycticorax nycticorax), e os patos-fuscos (Melanitta fusca) de Maiorca eram consideradas à Roma como põe delicados. Cerca de séculos atrasado, os Mouros, estabelecidos Alcúdia (“a colina”, em árabe), conheciam a lagoa e deixaram-lhe o nome árabe de Al Buhaira.

Após a reconquista catalão, ao início do século XIII, a parte do norte da lagoa fez parte do domínio real, enquanto a parte do sul encontrava-se sobre o domínio do Conde Hug d'Empúries. Esta divisão sobrevive ainda hoje, com o norte situado sobre a comuna o Sa Pobla (no condado do Raiguer) e o Sul situado sobre a comuna Muro (no condado da Pla de Mallorca).

O parque natural de S'Albufera em Maiorca - Plano da lagoa em 1851 - Clicar para ampliar a imagemO parque natural de S'Albufera em Maiorca - Plano das terras do Majorca Land Company - Clicar para ampliar a imagemAo século XVII começaram os trabalhos de drenagem dos pântanos, no objectivo de lutar contra o paludismo e de estender as terras agrícolas; canais foram escavados e parcelas cultivadas foram criadas, que eram nomeadas “marjales”.

Trabalhos de drenagem mais ambiciosos foram empreendidos partir de um decreto real de 1851: após cerca de iniciativas (canal Ferragut), os trabalhos de ordenamento foram confiados à uma sociedade inglesa, o New Majorca Land Company, fundado pelos engenheiros John Frederic Bateman e William Hope; dois canais essenciais foram escavados: o canal des Sol, prolongamento do Torrent de Muro, e o canal de sa Siurana, prolongamento do Torrent de Sant Miquel. Estradas foram traçadas e pontes construídas, entre as quais “a Ponte dos Ingleses”. A drenagem das zonas inundadas foi melhorada pela utilização de bombas hidráulicas, impulsionadas por uma máquina à vapor. Estes trabalhos gigantescos empregaram 1500 trabalhadores vindos de qualquer Maiorca, e permitiram a drenagem mais de 2000 hectares de terras. Contudo - devido às entradas de água de mar - de apenas 400 hectares puderam ser utilizados pela agricultura, os outros tornados inférteis pela presença de sal: a empresa britânica fez falência em 1892. Atrasado, uma exploração agrícola de cultura do arroz instalou-se S'Albufera, mas a fraqueza do preço do arroz, e uma inundação catastrófica em 1906, conduziu à sua ruína. Um moinho à papel, instalado na construção da antiga bomba hidráulica Sa Roca, produziu seguidamente papel - partir das folhas cobrir de colmo - até nos anos 1950.

O parque natural de S'Albufera em Maiorca - Central eléctrica térmica de Murterar - Clicar para ampliar a imagemO parque natural de S'Albufera em Maiorca - Patos-reales - Clicar para ampliar a imagemÀs degradações mais graves da lagoa S'Albufera produziram-se na segunda metade do século XX, com a forte expansão turística dos anos 1960: grandes zonas hoeses foram criadas na parte do norte da lagoa e ao longo da costa. A construção da central eléctrica térmica de Es Murterar conduziu à utilização das águas dos lagos de Es Cibollar e de Es Colombars para o arrefecimento das instalações, e a construção de linhas eléctricas sempre perigosas para os pássaros. Aquilo provocou uma tomada de consciência para a conservação da lagoa, que provocou a aquisição, em 1985, de 830 hectares de zonas húmidas pela Comunidade das Ilhas Baleares, que foram declarados Reserva natural, com o objectivo de criar um parque natural.

Parque naturalO Parque Natural S'Albufera
O parque natural de S'Albufera em Maiorca - Plano do parque - Clicar para ampliar a imagemEm 1988 a Reserva natural de S'Albufera tornou-se o primeiro Parque Natural das Ilhas Baleares, e foi declarada Zona de Proteção Especial dos pássaros (ZPS) (Zona d'Especial Protecció per a les Aus (ZEPA) / Zona de Especial Prottección para las Aves (ZEPA)) ; que significa que medidas devem ser tomadas a fim de evitar qualquer deterioração do habitat ou outras perturbações que poderiam afetar os pássaros.

Em 1989, o Parque natural S'Albufera inscreveu-se sobre a lista da Convenção relativa às zonas húmidas de importância internacional (com uma referência específica aos pássaros de água), melhor conhecida sob o nome de Convenção de Ramsar (Irão, 1971).

O parque natural de S'Albufera em Maiorca - Patos-reales - Clicar para ampliar a imagemA zona protegida cobre 1646 hectares de zonas húmidas e dunas. É necessário contudo notar que, o 3 de Novembro de 2000, esta região teve a sofrer de um incêndio que se estendeu dos 450 hectares, 440 dos quais fazia parte do Parque Natural. Felizmente, aquilo teve lugar fora da época de reprodução e as consequências ecológicas não foram demasiado graves.

Um dos eixos prioritários da gestão do Parque é a preservação da quantidade e a qualidade da água. É por isso que os principais canais periodicamente são dragados e padres, os diques limpados e os débitos de água controlados à ajuda de válvulas. Vários parâmetros físicos e químicos das águas são analisados cada mês. A abertura de planos de água livres (lagoas sem cobrir de colmo) e a diversificação de habitats faz-se através de manadas de vacas maiorquinas e cavalos de Camargue.

O Parque está aberto ao público: cabines de observação foram postas em lugar para os visitantes, de partir das quais podem observar os pássaros sem estar a incomodar-o.

O parque natural de S'Albufera em Maiorca - Entrevista do canal des Sol - Clicar para ampliar a imagemO parque natural de S'Albufera em Maiorca - Galeirão-de-crista (Fulica cristata) - Clicar para ampliar a imagemO parque natural de S'Albufera em Maiorca - Manada de vacas e de cavalos - Clicar para ampliar a imagem
PortalA Entrada do Parque
O parque natural de S'Albufera em Maiorca - Painel de informação à entrada do parque - Clicar para ampliar a imagemA entrada do Parque natural encontra-se exatamente ao lado da Ponte Ingleses (Pont dels Anglesos), onde a estrada costeira cruza o Grande Canal S'Albufera, à cerca de 6 km ao sudeste Alcúdia.

O parque natural de S'Albufera em Maiorca - A ponte dos Ingleses (autor Olaf Tausch) - Clicar para ampliar a imagemO parque natural de S'Albufera em Maiorca - A entrada do parque - Clicar para ampliar a imagem

CanalO Grande Canal (Gran Canal)
O parque natural de S'Albufera em Maiorca - O grande canal - Clicar para ampliar a imagemO parque natural de S'Albufera em Maiorca - O grande canal - Clicar para ampliar a imagemDesde a entrada do Parque natural junta-se-se ao Centro de Acolhimento o Sa Roca seguindo um caminho de terra que contorna o Grande Canal S'Albufera; o Grande Canal é a confluência do Canal de Sa Siurana, que prolonga o Torrent de Sant Miquel, e o Canal des Sol, que prolonga o Torrent de Muro. Três pontes cruzam o Gran Canal: a Ponte dos Ingleses, perto da embocadura, igualmente nomeado Pont de ses Comportes ou Pont de Ses Casetes, a Ponte de Santa Margalida e a Ponte de Sa Roca, perto do centro de acolhimento.
RecepçãoO Centro de Acolhimento de Sa Roca (Centre de Recepció / Centro de Recepción)
O parque natural de S'Albufera em Maiorca - O centro de acolhimento de Sa Roca (autor Olaf Tausch) - Clicar para ampliar a imagemO parque natural de S'Albufera em Maiorca - O museu Can Bateman (autor Olaf Tausch) - Clicar para ampliar a imagemO Centro de acolhimento dos visitantes de Sa Roca (o Rochedo) encontra-se à cerca de 600 m da entrada do Parque; se pode-se aceder apenas à pé ou em bicicleta.

O centro distribui as licenças de visita do Parque, as brochuras de informações gerais sobre o Parque, bem como as listas de pássaros que pode-se ver na época da visita. Pode-se igualmente emprestar binóculos para observar os pássaros. Uma sala de exposição permite familiarizar-se com a identificação das espécies.

O Centro de acolhimento compreende também uma construção adicional, a Can Bateman, que era a causa a construção que protege uma das bombas hidráulicas de drenagem, e atrasado um moinho à papel que fabrica papel a partir de folhas cobrir de colmo. A Can Bateman protege uma exposição audiovisual relativa ao Parque Natural S'Albufera.

CanalOs Canais
O parque natural de S'Albufera em Maiorca - O canal de Sa Siurana - Clicar para ampliar a imagemO parque natural de S'Albufera em Maiorca - Canal do Solo - Clicar para ampliar a imagemO pântano S'Albufera drenou-se por canais artificiais, escavados de mão de homem do século XVII ao século XIX. Grande destes fossos de drenagem são o Gran Canal de S'Albufera, o Canal des Sol e o Canal de Sa Siurana no centro do parque; o Canal d'en Pujol atravessa o parque do norte ao sul; o Canal des Polls encontra-se sobre a sua cercadura ocidental; o Canal de Molines e o Canal d'en Pep no Sul.
CaminhoOs Caminhos e as Cabines de Observação do Parque
O parque natural de S'Albufera em Maiorca - A cabine de observação de Es Colombars (autor Chixoy) - Clicar para ampliar a imagemO Parque natural S'Albufera compreende quatro caminhos de descoberta balizados. Ao longo destes caminhos são construídas - à vizinhança dos pontos de água - cinco cabines (aguait) (Sa Roca, Es Cibollar, Es Colombars), dois estrades (Es Cibollar et Ses Puntes) e uma torre, que permitem a observação dos pássaros.
FloraA Flora do Parque
O parque natural de S'Albufera em Maiorca - Plano das zonas de vegetação - Clicar para ampliar a imagemO Parque natural S'Albufera compreende um grande número de espécies vegetais diferentes, mais de 400 espécies, que se repartem de acordo com a natureza e a salinidade dos solos, e a profundidade e a salinidade das águas.

Onde a água suave é predominante (zonas moreno sobre o plano) a vegetação é dominada por o caniço-de-água (Phragmites australis) (canyet), o capim-serra (Cladium mariscus), e, em menor escala, tabuas (Typha sp.), nomeadamente a tabúa-larga (Typha latifolia), os juncos (Juncus sp.) (bova), a cana de Ravenna (Saccharum ravennae) (cesquera).

O parque natural de S'Albufera em Maiorca - Tabúa-larga (Typha australis) - Clicar para ampliar a imagemO parque natural de S'Albufera em Maiorca - O canal de Sa Siurana - Clicar para ampliar a imagemOutras plantas vivem imergidas nas águas dos canais: o potamot à folhas em pente, ou potamot pectina, (Potamogeton pectinatus), o rabo de Raposa (Ceratophyllum demersum) e diversos tipos de Characeas (Characeae). À superfície dos canais encontra-se as lentilhas de água (Lemna sp.) e o agrião anfíbio (Rorippa amphibia).

O parque natural de S'Albufera em Maiorca - Tircis (Pararge aegeria) sobre um ramo de olmo (Ulmus minor) - Clicar para ampliar a imagemSobre as margens dos canais (zonas violeta sobre o plano) encontra-se frequentemente uma floresta ribeirinha (ou ripisylve) que comporta espécies de árvores que toleram os solos salgados: o ulmeiro (Ulmus minor), o choupo branco (Populus alba) e o tamaris (Tamarix africana).

O parque natural de S'Albufera em Maiorca - Tamaris (Tamarix sp.) - Clicar para ampliar a imagemNa sua sombra empurram o pilreteiro (Crataegus monogyna), a amora silvestre (Rubus fruticosus), a pervinca disforme (Vinca difformis) e o cinco-em-rama (Potentilla reptans). Sobre os terrenos descobertos que limitam aos juncos encontra-se um grande número de flores selvagens, por exemplo o bunho (Scirpoides holoschoenus), tanchagens (Plantago sp.) e orquídeas (Orchidaceae) que florescem em Abril e maio, nomeadamente o orchis dos pântanos (Orchis palustris ssp robusta), orquídea mediterrânica que encontra-se apenas em três lugares: S'Albufera, um sítio na Argélia e um sítio ao Marrocos.

As águas salobras próximas do mar (zonas cinzentos sobre o plano) são o meio favorável as salicornias (Sarcocornia sp. e Arthrocnemum sp.) e ao imortais (Helichrysum sp.).

O parque natural de S'Albufera em Maiorca - Orchis dos pântanos (Orchis palustris) (autor Orchid) - Clicar para ampliar a imagemSobre a barra de dunas que separa a lagoa do mar (zonas em verde médio sobre o plano), encontra-se espécies arénophiles como o narciso-das-areias (Pancratium maritimum), a germandrea tomentosa (Teucrium polium), o estorno (Ammophila arenaria), passerina (Thymelaea velutina), o zimbro-bravo à gordos frutos (Juniperus oxycedrus macrocarpa).

O parque natural de S'Albufera em Maiorca - Pistacheiro lentisca (Pistacia lentiscus) - Clicar para ampliar a imagemSobre a banda florestal costeira (zonas em verde escuro do plano) empurra o pinheiro-de-alepo (Pinus halepensis), e, abaixo, o pistacheiro lentisca (Pistacia lentiscus), o alecrim (Rosmarinus officinalis), a urze à flores numerosas (Erica multiflora), as salsaparrilhas (Smilax sp.).

É necessário os cogumelos igualmente mencionar, dos quais cerca de 200 espécies foram contadas no Parque, nomeadamente a psathyrelle halófilas (Psathyrella halofila), cuja espécie foi descoberta S'Albufera em 1992 e que encontra-se em nenhuma parte noutro lugar.

FaunaA Fauna do Parque
A fauna da lagoa S'Albufera de Mallorca é também abundante que diversa, mas é sobretudo a fauna avícola que é notável e que fundamentou a proteção de S'Albufera por um Parque natural. Mais dos dois terços das espécies de pássaros presentes no arquipélago das Ilhas Baleares foram contadas S'Albufera, cerca de 270 espécies diferentes.

Entre estas 270 espécies é necessário distinguir as espécies nidificantes (cerca de 60) que se reproduzem na lagoa, quer porque são residentes permanentes, quer porque são pessoas em férias e partem novamente para o Sul em Outono, após a reprodução. O terceiro grupo é o das espécies que hibernam S'Albufera para partir novamente para a Europa do norte à primavera. O último grupo é o do migratórios de passagem que fazem uma curta parada de cerca de dias durante a sua viagem de migração, para o norte à primavera, para o Sul ao Outono. Certas espécies são para parte que hiberna e para parte migratórios de passagem.

Entre nicheurs sedentários, encontra-se o pato-real (Anas platyrhynchos), o galeirão-comum (Fulica atra), a galinha-d'água (Gallinula chloropus), o mergulhão-pequeno (Tachybaptus ruficollis), o garça-vaqueira ou garça-boieira (Bubulcus íbis), o frango-d'água (Rallus aquaticus), a gaivota-de-patas-amarelas ou gaivota-argêntea (Larus michahellis), a toutinegra-de-cabeça-preta (Sylvia melanocephala), a poupa-eurasiática (Upupa epops), o cartaxo-comum (Saxicola torquatus), o rouxinol-bravo (Cettia cetti), a fuinha-dos-juncos (Cisticola juncidis), a felosa-real (Acrocephalus melanopogon), a estrelinha-de-cabeça-listada (Regulus ignicapilla), o tentilhão-comum (Fringilla coelebs), o chapim-real (Parus major), mais raramente o chapim-azul (Parus caeruleus ou Cyanistes caeruleus), o canário (Serinus serinus), o verdilhão (Chloris chloris), o pintassilgo-comum (Carduelis carduelis), o pintarroxo-comum (Carduelis cannabina). O pato-de-bico-vermelho (Netta rufina), o galeirão-de-crista (Fulica cristata), o caimão-comum (Porphyrio porphyrio) e o pato-de-rabo-alçado (Oxyura leucocephala) que tivesse desaparecido, foram reintroduzidos.

Cerca de espécies de pássaros de presa são também sedentários: o tartaranhão-ruivo-dos-pauis (Circus aeruginosus), mais raros o falcão-peregrino (Falco peregrinus), o peneireiro-vulgar (Falco tinnunculus) e a águia-pescadora ou águia-marinha (Pandion haliaetus).

O parque natural de S'Albufera em Maiorca - Garça-branca-pequena (Egretta garzetta) pendurada - Clicar para ampliar a imagemO parque natural de S'Albufera em Maiorca - Galeirão-de-crista (Fulica cristata) - Clicar para ampliar a imagemO parque natural de S'Albufera em Maiorca - Galeirão-de-crista (Fulica cristata) - Clicar para ampliar a imagem
Entre nicheurs veranistas, que migram para o Sul uma vez a reprodução terminada, há a garça-pequena (Ixobrychus minutus), o pernilongo ou pernalonga (Himantopus himantopus), a garça-vermelha (Ardea purpurea), o borrelho-pequeno-de-coleira (Charadrius dubius), o borrelho-de-coleira-interrompida (Charadrius alexandrinus), o andorinhão-preto (Apus apus), a alvéola-amarela (Motacilla flava), o rouxinol-comum (Luscinia megarhynchos), o rouxinol-pequeno-dos-caniços (Acrocephalus scirpaceus), o rouxinol-grande-dos-caniços (Acrocephalus arundinaceus), o papa-moscas-cinzento (Muscicapa striata), o picanço-barreteiro (Lanius senator).

Como pássaro de presa, único o falcão-da-rainha (Falco eleonorae) é veranista.

O parque natural de S'Albufera em Maiorca - Pernilongo (Himantopus himantopus) - Clicar para ampliar a imagemO parque natural de S'Albufera em Maiorca - Pernilongo (Himantopus himantopus) - Clicar para ampliar a imagemO parque natural de S'Albufera em Maiorca - Pernilongo, garça e galeirão - Clicar para ampliar a imagem
Hibernando são migratórios que passam o inverno S'Albufera antes de subir para o norte à primavera; cada ano, mais de 10000 indivíduos que pertencem à cerca de 170 espécies hibernam aqui; às espécies mais correntes são: o cormorão ou corvo-marinho-de-faces-brancas (Phalacrocorax carbo), o garça-real-europeia (Ardea cinerea), a garça-branca-pequena (Egretta garzetta), a piadeira (Anas penelope), a marrequinha-comum (Anas crecca), o pato-trombeteiro (Anas clypeata), o zarro-comum (Aythya ferina), o abibe-comum (Vanellus vanellus), o pilrito-pequeno (Calidris minuta), a narceja-comum (Gallinago gallinago), o maçarico-das-rochas (Actitis hypoleucos), o guincho-comum (Chroicocephalus ridibundus ou Larus ridibundus), o guarda-rios-comum (Alcedo atthis), a laverca (Alauda arvensis), a andorinha-das-rochas (Ptyonoprogne rupestris), a petinha-dos-prados (Anthus pratensis), a petinha-ribeirinha (Anthus spinoletta), a alvéola-branca (Motacilla alba), o pisco-de-peito-ruivo (Erithacus rubecula), o tordo-músico (Turdus philomelos), a felosa-comum (Phylloscopus collybita), o o estorninho-preto (Sturnus unicolor), a escrevedeira-dos-caniços (Emberiza schoeniclus), a escrevedeira-de-garganta-preta (Emberiza cirlus), bem como importantes colónias de estorninhos-comuns (Sturnus vulgaris).

Mais raros é a franga-d'água-grande (Porzana porzana) e o perna-verde-comum (Tringa nebularia).

O parque natural de S'Albufera em Maiorca - Garça-branca-pequena (Egretta garzetta) - Clicar para ampliar a imagemO parque natural de S'Albufera em Maiorca - Garça-branca-pequena (Egretta garzetta) - Clicar para ampliar a imagemO parque natural de S'Albufera em Maiorca - Garça-branca-pequena (Egretta garzetta) - Clicar para ampliar a imagem
Os pássaros migratórios de passagem não se põem, para uma curta duração, que para descansar-se e alimentar-se; conta-se uma quarentena de espécies, cujo a corrente é: o bobo-grande (Calonectris diomedea), a pardela-do-mediterrâneo (Puffinus mauretanicus), o savacu (Nycticorax nycticorax), a garça-branca-pequena (Egretta garzetta), a garça-real-europeia (Ardea cinerea), o marreco (Anas querquedula), o borrelho-pequeno-de-coleira (Charadrius dubius), o borrelho-grande-de-coleira (Charadrius hiaticula), o borrelho-de-coleira-interrompida (Charadrius alexandrinus), em parte, o pilrito-pequeno (Calidris minuta) em parte, o pilrito-de-bico-comprido (Calidris ferruginea), o maçarico-pernilongo (Calidris himantopus), o combatente (Philomachus pugnax), o maçarico-de-bico-direito (Limosa limosa), o perna-vermelha-escuro (Tringa erythropus), o cacongo ou perna-vermelha-comum (Tringa totanus), o perna-verde-comum (Tringa nebularia), o maçarico-bique-bique (Tringa ochropus), o maçarico-bastardo (Tringa glareola), o maçarico-das-rochas (Actitis hypoleucos), o guincho-comum (Larus ridibundus), a gaivina-de-faces-brancas ou gaivina-dos-pauis (Chlidonias hybrida), a gaivina-preta ou trinta-réis-preto (Chlidonias níger), o gaivão preto (Apus apus), o gaivão pálido (Apus pallidus), o gaivão à ventre branco (Tachymarptis melba), a andorinha de margem (Riparia riparia), a andorinha-dáurica (Hirundo daurica), a andorinha-dos-beirais (Delichon urbicum), o rabirruivo-preto (Phoenicurus ochruros), o rabirruivo-de-testa-branca (Phoenicurus phoenicurus), o cartaxo-nortenho (Saxicola rubetra), o chasco-cinzento (Oenanthe oenanthe), o papa-amoras-comum (Sylvia communis), a felosa-musical (Phylloscopus trochilus), o papa-moscas-preto (Ficedula hypoleuca).

Tem cerca de espécies de migratórios mais raros: o maçarico-real (Numenius arquata), o íbis-preto (Plegadis falcinellus), o colhereiro-europeu (Platalea leucorodia), a felosa-dos-juncos (Acrocephalus schoenobaenus), a cegonha-branca (Ciconia ciconia), a cegonha-preta (Ciconia nigra), o grou-comum (Grus grus).

O parque natural de S'Albufera em Maiorca - Perna-verde-comum (Tringa nebularia) - Clicar para ampliar a imagemO parque natural de S'Albufera em Maiorca - Perna-verde-comum (Tringa nebularia) - Clicar para ampliar a imagem
Entre os répteis às espécies mais frequentes são: a cobra-de-água-viperina (Natrix maura), o cágado-de-carapaça-estriada (Emys orbicularis) e cerca de espécies de lagartos. Medidas são tomadas para lutar contra a invasão da tartaruga-do-ouvido-vermelho (Trachemys scripta elegans). Entre os anfíbios encontra-se, em grande quantidade, a rã-verde (Pelophylax perezi ou Rana perezi).

Entre as 29 espécies de peixes contadas - A maior parte de origem marinha - mais comuns são: a enguia europeia (Anguila anguila), os mulos (Chelon sp. e Liza sp.), as varas (percidae), o robalo europeu (Dicentrarchus labrax), o góbio preto (Gobius niger), os salmonetes (Mugilidae) e o alburnete (Alburnus alburnus). O Parque luta contra a presença que invade carpas.

O Parque S'Albufera conta 22 espécies de mamíferos, das quais muitos roedores e 8 espécies de morcegos, das quais os raros morcegos-negros (Barbastella barbastellus).

Os invertebrados são muito numerosos: libélulas, dípteras, besouros, lépidoptères diários e noturnos (mais de 450 espécies) e aracnídeos.

O parque natural de S'Albufera em Maiorca - Anax levarsela (Anax ephippiger) - Clicar para ampliar a imagem em Fotolia (novo guia)O parque natural de S'Albufera em Maiorca - Anax levarsela (Anax ephippiger) - Clicar para ampliar a imagemO parque natural de S'Albufera em Maiorca - Tircis (Pararge aegeria) - Clicar para ampliar a imagem
O parque natural de S'Albufera em Maiorca - Epeira diadema (Araneus diadematus) - Clicar para ampliar a imagemO parque natural de S'Albufera em Maiorca - Epeira diadema (Araneus diadematus) - Clicar para ampliar a imagemO parque natural de S'Albufera em Maiorca - Epeira diadema (Araneus diadematus) - Clicar para ampliar a imagem

InformaçõesInformações práticas

Horas de visitaHoras de visita
A entrada do Parque natural S'Albufera de Mallorca encontra-se sobre a estrada Ma-12, entre Platja d'Alcúdia e Platja de Muro, a nível da Ponte dos Ingleses (Pont dels Anglesos) que cruza o Grande Canal.
Os autocarros do Port d'Alcúdia a Ca'n Picafort param-se perto da entrada do parque. Se estiver-se automóvel, o hotel Parc Natural, situado ao lado da entrada do Parque, oferece lugares de estacionamento de cortesia aos visitantes do Parque.

Horários de verão do Parque (desde Abril até Setembro): todos os dias, de 9:00 à 18:00

Horários de inverno do Parque (desde Outubro até Março): todos os dias, de 9:00 à 17:00

Horários do Centro de acolhimento de Sa Roca: de 9:00 à 16:00; fechado o 25 de Dezembro e o 1º de Janeiro.

Telefone: 00 34 971 892 250

Tarifa de entrada: a visita é gratuita mas é obrigatório passar pelo Centro de Acolhimento para pedir uma licença de visita.

Os veículos à motor são proibidos no Parque: pode-se visitar à pé ou bicicleta.

HotelHotéis
O Hotel Grupotel Parc Natural
Este hotel de luxo encontra-se à esquerda da entrada do Parque natural, ao bordo da embocadura do Gran Canal de s'Albufera: oferece vistas magníficas sobre o Parque natural e sobre a baía de Alcúdia. Restaurando com vista sobre o mar, piscina e spa.

Aberto de fim de Abril à Outubro.

Telefone: 00 34 971 892 017

Sítio Internet: grupotelparcnatural.com

Outros assuntosOutros assuntos

Filiação do assunto
Baleares > Maiorca > Condado da Pla de Mallorca > Muro > Parque natural de S'Albufera
Assuntos mais detalhados
Assuntos próximos
A aldeia de Platja de Muro em Maiorca
O parque natural de S'Albufera em Maiorca
Assuntos mais largos
Página inicial
O condado da Planície de Maiorca - Brochura das atrações
A cidade de Muro em Maiorca
A cidade de Santa Margalida em Maiorca
A cidade de Petra em Maiorca
A cidade de Vilafranca de Bonany em Maiorca
A cidade de Sant Joan em Maiorca
A cidade de Porreres em Maiorca
A cidade de Algaida em Maiorca
A cidade de Sineu em Maiorca
Tópico anterior ] [ Tópico superior ]
Recomendar esta página :
Recomendar este sítio :
Investigação personalizada
Se atingir este quadro directamente, clicar nesta relação para indicar as ementas.